sábado, 30 de março de 2019

Reunião extraordinária da ALEA - Academia de Letras Evangélica do Amapá

Aconteceu na tarde de hoje (30) nas dependências do templo central da Assembleia de Deus A Pioneira, a reunião extraordinária da ALEA - Academia de Letras Evangélica do AMAPÁ. Diversas deliberações importantes foram tomadas para o bom andamento desta insígne instituição. A reunião foi conduzia pelo Presidente Pr Dr Oton Miranda de Alencar, auxiliado pelo Pr Dr Besaliel Rodrigues e secretariada pelo Pr Benedito Rodrigues. Estiveram presentes os seguintes acadêmicos: Pr Dr Oton Miranda de Alencar, Pr Ezer Belo das Chagas, Dr Paulo Campelo, Pr Besaliel Rodrigues, Prª Drª Simone Palheta, Pr Dr Horário Magalhães, Pr Dr Gesiel Oliveira, Pr Dr Elizomar, Prª Drª Milene, Pr Bendito Rodrigues, Ap Dr Orley Miranda de Alencar, Prª Drª Mirlene Soares, Prª Drª Juracy Alencar e a Prª Drª Ester Farias da Silva. 



QUERO CONCORDAR QUE DE FATO É RIDÍCULO TER SAUDADES DO GOVERNO MILITAR (Por Gesiel Oliveira)



Como alguém, em sã consciência, pode ter saudades de um governo que tinha, apenas, 12 ministérios? Prova, inequívoca, que o país não era bem administrado. 

Como confiar em presidentes que morreram pobres? Um homem que ocupa o cargo máximo de uma nação, sem fazer fortuna, prova que não sabe aproveitar oportunidades, nem gerir o patrimônio próprio. Um incapaz. 

Como ser saudoso de uma época de ditadura, onde todos os cidadãos tinham direito ao livre acesso às armas de fogo? E pior, a repressão era tão violenta que, mesmo armados, os cidadãos não se matavam. Isso demonstra o medo da população contra aquele governo bárbaro. 

Como respeitar um regime que criou o INSS, o PIS, o PASEP, regulamentou o 13º, instituiu a correção monetária, criou o Banco Nacional da Habitação, o FUNRURAL, construiu mais de 4 milhões de moradias e abriu 13 milhões de vagas de emprego?

Melhor nem falar de infraestrutura. Em 21 anos, conseguiram, apenas, asfaltar 43.000Km de estradas, construir 4 portos, reformar outros 20, instalar as maiores hidrelétricas do mundo, decuplicar a produção da Petrobrás, criar a Embratel e a Telebras, implementar dois polos petroquímicos, entre outras coisinhas sem importância. 

A educação era ridícula. Pegaram o país com 100 mil estudantes secundaristas e transformaram em 1.3 milhões. Criaram o Mobral, o CESEC, a CNPQ e o programa de Merenda Escolar. 

Nestes vergonhosos anos de chumbo, onde o PIB cresceu 14%, as exportações saltaram de 1.5 para 37 bilhões, atingimos a 7ª economia economia mundial e nos tornamos o 2º maior produtor de navios do planeta. Uma catástrofe!! Imagine que a "comissão da mentira, ops, da verdade" formada socialistas, comunistas chegou a conclusão que ao final de 21 anos, morreram 434 pessoas, sendo mais da metade na mortos na guerrilha do Araguaia, quando cidadãos de bem, com fuzis queriam implantar uma ditadura comunista ao moldes de Cuba. Tivemos então um a terrível média de 20 mortos por ano nesse período de terrível ditadura, como foi horroso esse período. Imagine que o socialismo matou 100 milhões no mundo e 70 milhões na URSS. No Brasil de hoje morrem só 66 mil por ano por mortes violentas, resultado em maior parte, da política desarmamento do presidente mais honesto do mundo (que está preso inocentemente e por motivos políticos em Curitiba), o mesmo que criou o estatuto do desarmamento e mas deixou os bandidos armados, porque aliás, eles são vítimas de uma sociedade opressora capitalista. Que bom ter a convicção que moramos em num país que teve suas leis elaboradas pela caneta da esquerda e a mente comunista. Por isso temos hoje um país sério, honesto, seguro, só o que não presta é atual presidente, que imaginem, quer agora homenagear esse período. Que absurdo! Esse sem dúvida é o nosso pior problema hoje. 

Realmente, durante essa página negra da história nacional, pelo visto, apenas os presídios funcionavam. Esses, sim, um exemplo. Neles entraram terroristas, assassinos, assaltantes, guerrilheiros, sequestradores, e saíram deputados, ministros, governadores e, até, dois presidentes. Isso que é recuperação.

A verdade escondida sobre a contra-revolução de 1964 - - Por Gesiel Oliveira.


Antes de falar bobagem sobre 1964 dê uma olhada nestes fatos compilados e extraídos da Biblioteca do congresso 

Após a II Guerra Mundial, a guerra fria entre EUA e URSS divide o mundo entre capitalistas e comunistas. 

Em outubro de 1960, Jânio Quadros é eleito presidente, sucedendo Juscelino Kubitscheck. 

Jânio já começa seu governo em 1961 desagradando: cria relações com URSS e China (mandou o vice João Goulart em missão diplomática), condecora Che Guevara com a Gran-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, reúne-se em Brasília com agentes da KGB, planeja anexar a Guiana Francesa ao território brasileiro, condena os EUA no episódio da Baía dos Porcos, envia ao Congresso uma lei para desapropriar terras e fazer reforma agrária e desagrada a população e os militares. 

Em 25/08/1961, Jânio Quadros renuncia com o argumento de estar sob pressão de "forças ocultas" que ele nunca disse quais eram, e os militares não querem que seu vice João Goulart (apelidado de Jango) assuma a presidência, sob a desconfiança (ou certeza) de que ele era comunista. 

Então, para dar uma contornada no medo de o comunismo entrar na presidência, o Congresso adota o Parlamentarismo e coloca o Tancredo Neves como Primeiro-Ministro, deixando Jango como Chefe de Estado. 



Em 1963, volta o presidencialismo por votação do povo em um plebiscito e Jango vira "presidente de verdade". Com a guerra fria, comunismo e capitalismo se opondo, militares aqui, comunistas ali (o Partido Comunista existe no Brasil desde 1922), pressões acolá, empurra-empurra ideológico de todo tipo (esta instabilidade já vinha desde Getúlio Vargas, que suicidou em 1954 debaixo da pressão dos militares, já que 19 generais assinaram um manifesto pedindo sua renúncia), Jango e seu cunhado Leonel Brizola (então governador do RS) fazem um discurso, em 13/03/1964, para milhares de pessoas na Central do Brasil no RJ, onde é informada a estatização de refinarias privadas e a desapropriação de terras para reforma agrária. 

Neste comício, Brizola propôs O FECHAMENTO DO CONGRESSO e sua substituição por uma Assembleia Nacional Constituinte composta por pessoas do campo, operários e militares de baixa patente. A percepção de que a implantação do comunismo já estava em andamento no Brasil gerou uma balbúrdia social e a população foi às ruas, em 19/03/1964, liderada pela classe média, empresários, produtores rurais, Igreja Católica e Imprensa, na chamada "Marcha da Família com Deus pela Liberdade", para protestar contra os comunistas que estavam no governo. 



Com a politização de militares de baixa patente, 2 mil marinheiros se amotinaram no Sindicato dos Metalúrgicos da Guanabara em 25 e 26/03/1964, pedindo melhores condições para os militares e dando apoio a Jango que se recusou a puni-los. 

Em 30/03/1964, Jango discursa para sargentos no Automóvel Clube do Rio e usa frases como "o egoísmo dos ricos é mais grave do que o comunismo" e "comerciantes desonestos exploram e roubam o povo brasileiro". 

Neste período já havia uma radicalização de ativistas de esquerda, que queriam fazer no Brasil a Terceira Grande Revolução Comunista (após as da Rússia e China) e buscavam a tomada do poder usando as classes sociais menos favorecidas. Com o discurso esquerdista de João Goulart, os militares saem dos quartéis e tomam a frente para "restaurar a disciplina militar e conter a ameaça comunista", como dito. 

Em 31/03/1964, os militares marcham para as sedes de Governos e prendem políticos e colaboradores de Esquerda. 

Em 01/04/1964 Jango voa para o RS e de lá pede asilo no Uruguai. 

Em 02/04/1964, o Congresso declara vaga a Presidência da República. 

Em 11/04/1964, o Congresso elege o Marechal Castello Branco como Presidente da República. Eis o chamado Golpe Militar de 1964, feito sem nenhum tiro e sem nenhuma morte, que muitos classificam como "Contragolpe Civil-Militar", pelo maciço apoio da população, da imprensa e do Congresso Nacional aos militares. 

Os "inimigos internos" visavam implantar o comunismo no Brasil através de uma "revolução comunista", criando a "Ditadura do Proletariado", termo de Weydemeyer, Marx e Engels. 

Instaurado o Governo Militar no Brasil, os Esquerdistas-Socialistas-Comunistas subversivos começaram a se organizar, planejando derrubar o governo militar à força, pegaram em armas, assaltaram bancos para conseguir dinheiro, explodiam bombas, praticavam terrorista, roubavam cargas de caminhões, mataram uns (incluindo os desertores deles próprios que décadas depois, constaram na lista de desaparecidos dos 434 mortos da Comissão da Verdade de Dilma de 2012), foram perseguidos, morreram mais uns.

Os militares começaram a reagir aos ataques terroristas  guerrilheiros cada vez mais constantes. 



Entre mortos e desaparecidos, dos dois lados, no Brasil, não se chega a 500 pessoas: os quase 21 anos de Regime Militar resultaram em 434 mortos, sendo estes, 210 desaparecidos, e 31 mortos pelo exército brasileiro na Guerrilha do Araguaia que visava implantar uma revolução socialista comandada pelo PC do B entre os anos de 1967 a 1974. Não se contabilizam as mortes e baixas dos militares pelos comunistas. 

Defender um país custa vidas desde sempre, na história da humanidade. Mas só para mostrar como nossa "ditadura" foi "light", a ditadura argentina matou mais de 30 mil pessoas e a ditadura de Pinochet, no Chile, matou mais de 40 mil pessoas, sendo que o socialismo é as ideias de Karl Marx e Engels já mataram mais de 100 milhões de pessoas no mundo todo, sendo mais de 70 milhões só na antiga URSS. 

Atualmente, Esquerdistas enchem o peito para afirmar que "lutaram contra a ditadura" e que "lutaram e lutam pela democracia", cujo termo significa "governo do povo", mas quer significar, no discurso da Esquerda, a "ditadura do proletariado", ou "o governo do povo dominando os meios de produção e a propriedade privada etc etc etc". 

Ou seja: comunismo. Não existe "luta pela democracia" na Esquerda: existe "luta pelo comunismo". Ou luta pelo "socialismo" que é a forma mais simpática de dizer a mesma coisa. Ou luta pela ideologia de Esquerda, que quando chega ao poder, se torna usuária do capitalismo com uma velocidade assustadora! 



O que ocorreu em 1964 foi que os militares impediram que o Brasil fosse pelo caminho de Cuba, URSS, Alemanha Oriental, China, Coréia do Norte e, mais recentemente, Venezuela. Os militares mataram? Sim. Torturaram? Sim. Prenderam? Sim. Aplicaram censura? Sim. Quem sofreu na mão dos militares? Esquerdistas-Socialistas-Comunistas. Não há registro de ninguém que estivesse cuidando de sua vida, trabalhando, estudando, criando filhos e levando uma rotina honesta, que tenha sido perseguido, torturado ou perturbado pelo Regime Militar.

quinta-feira, 28 de março de 2019

Comissão do Projeto Melgaço apresenta detalhes do projeto e marca visita ao município

Na manhã de hoje (28) a comissão responsável pelo plano de ações do projeto Melgaço se reuniu no templo sede da Assembleia de Deus A Pioneira para informar sobre o que já foi feito a respeito do Projeto Melgaço, proposto no I Encontro de Liderancas da CADB da Região Norte no último dia 19/03.

Apresentação da Minuta do Projeto Melgaço

A comissão
Estiveram presentes o Pr Oton Miranda de Alencar (Presidente da AD A Pioneira no Amapá), o Pr Gesiel Oliveira (Vice presidente da AD Zona Norte e Coordenador do Projeto Melgaço), Pr Iaci Pelaes (Vice presidente da AD A Pioneira e membro do Projeto Melgaço), Pr Job Ferreira (Secretário de Missões da AD A Pioneira e membro do Projeto Melgaço) e o Pr Valdir Alves Passos (Pastor da COMADEZON e representante da CADB em Melgaço) e sua esposa Prª Maria Oneide da Silva Passos. 

O projeto
O Pr Gesiel Oliveira apresentou a minuta do projeto e detalhou aos presentes as prioridades do plano de ações. Ele mostrou que há duas vertentes, uma de cunho imediato (Impacto Missionário e Evangelístico que a a data será anunciada no dia 20 a 22 de junho na AGC em Santo Amaro em SP) e outra linha mediata ou a longo prazo que inclui uma ação de voluntariado de alfabetização de crianças e treinamento de técnicas agrícolas e entrega de kits para agricultura dentre outras ações de cunho permanente, com apoio de uma base missionária da CADB que está a cargo do Pr Valdir Alves. 

Momento da oração pelo Projeto Melgaço

O Pr Oton Alencar disse que a preocupação do Projeto não é só "dar o peixe", mas "dar a vara e ensinar a pescar". Em outras palavras, o visionário Projeto Melgaço objetiva não só satisfazer as necessidades imediatas durante a ação social que será realizada, mas também garantir uma plataforma de apoio missionário e de treinamento permanente aos moradores deste local para garantir a produção agrícola familiar e estimular a venda e produção de hortaliças, servindo como uma barreira a desnutrição e à pobreza em uma região onde 50% da população é analfabeta e onde o desemprego alcança mais de 50% da população ativa. 

Os apoios começam a surgir
O Pr Thales Trindade, Pastor da CADB em Alegrete/RS anunciou que já comprou com a COMADRS (Convenção da AD no RS) e está enviando 600 pares de sandálias e sapatos para as crianças desta sofrida região, além da doação de um motor rabeta para evangelização dos rios nessa região ribeirinha na Ilha do Marajó. Os materiais serão entregues na base missionária da CADB em Melgaço, o município mais pobre do Brasil. Muitos pastores têm sido tocados a ajudar e apoiar esse projeto que está só começando. 

A visita
Uma visita desta comissão está agendada para acontecer entre os dias 04 a 07 de abril para uma reunião com o prefeito de Melgaço e para levantamento de dados estatísticos e sociais para finalização do plano de ações da CADB. O projeto final com o relatório do plano de ações  será apresentado na 2ª AGC (Assembleia Geral Convencional) da CADB em Santo Amaro em SP entre os dias 20 a 22 de junho na ADSA pastoreada pelo Pr Galdino Junior. Nesta AGC será apresentado o projeto e anunciada a data para realização do Impacto Missionário e Evangelístico da CADB Nacional em Melgaço. Uma ação que visa entregar milagres de cestas básicas, ofertar apoio odontológico, médico, jurídico, expedição e documentos, além claro, de uma evangelização em massa neste município seguida de um grande culto. Partice deste projeto apoiando, orando ou indo conosco fazer missões nessa região tão necessitada. 

segunda-feira, 25 de março de 2019

O que está acontecendo na CEADER?

Aconteceu no dias 22 e 23 a 230ª a AGO da CEADER, que tem sede do Rio de Janeiro, mas está espalhada em diversos Estados por meio de coordenações. A CEADER é uma das maiores convenções do Brasil e uma das mais antigas. 

Mas há algum tempo esta convenção vem sofrendo com impacto da baixa frequência de convencionais em suas Assembleias Gerais. Esta última convenção teve uma das mais baixas frequências de todas as suas edições, pouco mais de 700 convencionais, mas a organização do evento afirma que estiveram presentes  1718 Ministros, que inclusive estavam aptos a votarem. Alguns pastores ligados à CEADER afirmaram ao nosso blog que: "o número foi de cerca de 700 porque era eleição, porque em Assembleias Ordinárias o número costuma ser ainda menor, com cerca de 350 a 400 participantes". 

AGO da CEADER dia 23/03

Há diversos fatores que podem estar promovendo isso, mas um deles se sobresai: o descontentamento com os rumos da atual administração. Foi reeleita, neste final de semana, praticamente a mesma base, num processo de continuísmo que desgasta e preocupa os convencionais cariocas. 

Pouco mais de 706 votaram, mas a organização do evento fala em 1718 presentes. 

Diversos pastores da CEADER relatam um clima de descontentamento e desânimo geral que permeia a atmosfera de uma convenção que possui mais de 5 mil convencionais, mas apenas pouco mais de 706 votaram no dia da eleição, que também foi conturbada.



A CEADER é uma das poucas convenções que permite que o convencional possa (caso assim o deseje) estar ligado na Estadual a outras convenções como a CADB, desde que na geral esteja ligado a CGADB. A convenção aconteceu na última sexta (22) e sábado(23) na cidade Paty do Alferes/RJ.

Antes mesmo da eleição muitos convencionais entraram com pedidos de desligamento da CEADER. O resultado continuísta das eleições, muito contestado, acelerou ainda mais esse processo. O Pr Flávio Marinho, chegou a postar em grupo de pastores uma foto impactante de uma mão com escoriações que seria do Pr Davi Nobre Rocha que teria sofrido uma agressão somente pelo fato de tentar pedir uma questão de ordem durante os momentos que antecederam a eleição. Além disso ainda disse em sua postagem que "havia seguranças armados que o presidente da CEADER constituiu".

Foto publicada pelo Pr Paulo Marinho

Somando-se os votos da chapa 1 que saiu vitoriosa, com 454 votos, com os da chapa 2 que obtiveram 252 votos, obtemos 706 votos, uma expressão do que vive hoje esse raquitismo convencional nesta convenção carioca. 

A necessidade de renovação desgasta ainda mais a já porosa administração. Grupos internos insatisfeitos estimulam a saída em massa, vozes são sufocadas na força do rolo compressor do continuísmo, e a esperança de mudança  se protai para uma possibilidade incerta que só  se pode discutir para depois dos próximos dois anos. Por enquanto, resta aos convencionais se contentarem com o enauseante "mais do mesmo". 



Convenção CONFRADES realiza sua 2ª AGO e EBO em Serra/ES.

O evento aconteceu na última sexta e sábado. Foi um evento muito organizado e que marcou a história da  CONFRADES com a presença de vários pastores vindos do RJ, BA, MG, SP,  e do interior do Estado do Espírito Santo, além de diversos cantores da região. A convenção aconteceu na Assembleia de Deus Ministério Jardim Carapina pastoreada pelo reverendo Gerson Ellen, que foi o anfitrião da 2ª  AGO e EBO da CONVENÇÃO FRATERNAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E OUTROS.

O evento se iniciou na sexta feira dia 22 de março às 19:30h com um grande culto com várias caravanas presentes e entrada das  bandeiras com marcha triunfal com a participação da  mesa diretora. 

O pastor Alexsandro Costa, presidente da CONFRADES, deu por aberta a 2ª Assembleia Geral Ordinária (AGO) e 2ª Escola  Bíblica de Obreiro (EBO).

No sábado durante o evento houve a participação de autoridades do Município de Serra. Esteve presente o  Vereador Robson Miranda, conhecido. como o "Robinho Gari",  bem como a presença do pastor Wagner Gomez presidente da CIEMADES.

Foi um momento de muitos estudos bíblicos ministrados pelos pastores abordando temas como "conscientização da obra missionária", "mensagem de edificação espiritual", dentre outros, além de consagrações de Obreiros, novas filiações credenciamento  a CADB, etc. 

A noite de sábado, dia 23, teve  um grande público durante o encerramento da convenção. A ministração ficou por conta do Pr. Júlio César que foi usado poderosamente por Deus com uma mensagem de alerta sobre a volta de Jesus! Veja algumas fotos deste lindo evento.













terça-feira, 19 de março de 2019

Pr Dimas Leite Rabelo assume a presidência da CADB no Amapá

Pr Samuel Câmara deu posse ao Pr Dimas Leite Rabelo durante o I Encontro de Lideranças da CADB da Região Norte. 

Tomou posse como novo presidente da CADB no Amapá o Pr Dimas Leite Rabelo, presidente e fundador da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá. A posse ocorreu durante a realização do I Encontro de Lideranças da CADB da Região Norte, realizada na manhã do dia 19/03 no Hotel Atalanta, e que contou com a presença do Pr Oton Miranda de Alencar que preside a Assembleia de Deus A Pioneira no Amapá,  Pr Jonatas Câmara presidente da AD Amazonas, Pr Luiz Gonzaga, presidente da AD no Acre, Pr Eurípedes Bezerra, Presidente da CIMADB no Pará, Pr Samuel Câmara, Presidente da AD em Belém do Pará e o Pr Besaliel Rodrigues (Presidente da UFIADAP no AP).

Pr Dimas Leite Rabelo e Pr Oton Miranda de Alencar durante solenidade realizada dia 19/03

História do Pr Dimas Leite Rabelo
Ele é presidente e fundador da ADZN - Assembleia de Deus Zona Norte e da COMADEZON - Convenção da Assembleia de Deus Zona Norte que foram fundadas em 06.06.1985 e 20.11.2009 respectivamente. Com o crescimento da igreja e expansão de suas congregações para os municípios do Estado do Amapá, foi criada em 20 de novembro de 2009 a COMADEZON - Convenção da Assembleia de Deus Zona Norte. Hoje esta convenção conta com 191 templos (90% próprios) espalhados no Amapá, Pará e na Europa. Além disso, possui mais de mil obreiros, entre auxiliares, diáconos, diaconisas, presbíteros, missionários, missionárias, evangelistas e pastores, contando hoje com mais de 25 mil membros. 
Pr Dimas Leite Rabelo é o 2º presidente da CADB no Amapá, assumindo após o Pr Ezer Belo das Chagas

Com a implantação da CADB, em 02.12.2017, a convenção da AD Zona Norte passou a se chamar de Convenção Internacional da Assembleia de Deus Zona Norte, em razão dos trabalhos implantados na Europa, com a sede situada na Cidade Francesa de Toulouse, e pastoreada lá pelo Pr André Martins e sua esposa, Prª Chris Martins. 

O Pr Dimas Leite Rabelo, tem 74 anos, é o 8º mais antigo em atividade no Amapá. Já pastoreou os campos de Cutias do Araguari, Mazagão e Ferreira Gomes antes de assumir definitivamente em Macapá no ano de 1985. 

Os vice presidentes da igreja e da convenção são os pastores: Gesiel de Souza Oliveira e o Elienai Rabelo que atuam fortemente visitando, apoiando e incentivando constantemente as igrejas já estabelecidas, e dando apoio aos inúmeros trabalhos missionários em fase de implantação e expansão. A igreja está construindo o maior templo do Estado do Amapá, a Catedral da AD Zona Norte, localizada em Macapá na Av Sebastião Queiroz de Alcântara, 3072 - Jardim Felicidade I, com capacidade para 5 mil pessoas, quando está lotado. 
Catedral da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá será inaugurada no dia 27 de junho. 

A inauguração da Catedral está marcada para os dias 26 a 28 de julho de 2019. A igreja desenvolve um forte trabalho de missões em áreas ribeirinhas e localidades isoladas dos rios da Amazônia. 

CADB:Pr Samuel Câmara lança projeto de impacto missionário em Melgaço/PA, o município mais pobre do Brasil

Pr Samuel Câmara faz anúncio do Projeto Melgaço/PA

O anúncio do “Projeto de Impacto Missionário Melgaço” no Estado do Pará foi feito pelo Pr Samuel Câmara na manhã do dia 19 durante o I encontro de lideranças da CADB  da Região Norte realizado em Macapá, no salão de reuniões do Hotel Atalanta. O encontro reuniu as seguintes lideranças: Pr Oton Miranda de Alencar que preside a Assembleia de Deus A Pioneira no Amapá, Pr Dimas Leite Rabelo, presidente da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá,  Pr Jonatas Câmara presidente da AD Amazonas, Pr Luiz Gonzaga, presidente da AD no Acre, Pr Eurípedes Bezerra, Presidente da CIMADB no Pará, Pr Samuel Câmara, Presidente da AD em Belém do Pará e o Pr Besaliel Rodrigues (Presidente da UFIADAP no AP).
O município de Melgaço/PA possui o pior IDH do Brasil

Melgaço, segundo dados recentes divulgado pelo IBGE, é o município com pior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) entre os mais de 5200 municípios avaliados no país.  50% da população de Melgaço é analfabeta. Ou seja, do total de cerca de 24 mil habitantes do município, 12 mil não são alfabetizados. Além da educação, a população de Melgaço também sofre com a pobreza, pois de acordo com o Mapa da Pobreza do IBGE publicado em 2018, 48% das pessoas do município são pobres,  grande parte da população tem renda média mensal R$ 71,50, ou seja, pouco mais de R$2,30 por dia. O rendimento da população de Melgaço coloca essas pessoas abaixo da linha da miséria. Não dá para fazer nada com este dinheiro. A cesta básica para um trabalhador no Pará, segundo nossa última pesquisa, foi de R$ 280. O município é muito pobre. 80% da população vive na zona rural, não há indústria.  A cidade não tem empresas desde a decadência da madeira e do palmito na região. As fontes de renda na cidade são a prefeitura financeiramente quebrada, aposentadorias e programas sociais.
Pr Gesiel Oliveira (Direitor do Projeto Melgaço), Pr Samuel Câmara, Pr Iaci Pelaes e Pr Job Ferreira, essa é a equipe responsável pelo Projeto Melgaço, que vai fazer uma levantamento de dados no município para traçar o plano de ações da CADB. 

A ideia do presidente é criar uma força tarefa de várias igrejas da CADB e promover ações sociais, missionárias, evangelísticas e até mesmo de empreendedorismo que não só permitam a ajuda imediata às famílias carentes, como também permitam o acesso à ideias, projetos e iniciativas empreendedoras, com apoio de instituições públicas e privadas, que auxiliem pessoas a sair da miséria absoluta.

Pr Samuel Câmara fala sobre o Projeto Melgaço no I Encontro de Lideranças da CADB da Região Norte, no Hotel Atalanta em Macapá


Por unanimidade foi escolhido no encontro o diretor do “Projeto Melgaço” o Pr Gesiel Oliveira, 41 anos, vice presidente da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá, que formará sua equipe para ir ao município e fazer um levantamento detalhado da situação para elaborar um plano de ação da CADB nesta região. 

O relatório completo e a data do primeiro impacto evangelístico em Melgaço serão anunciados na 2ª AGC da CADB em Santo Amaro em São Paulo no dia 22 e 23 de junho.

A expectativa inicial é criar uma base de apoio missionária permanente, que permita o intercâmbio entre a CADB e o município. Bem como  utilizar as igrejas como base de alfabetização e reforço escolar durante o contraturno para as crianças, visto que o município também é o que possui a maior taxa de analfabetismo do Brasil.

“Esse é um projeto inovador e de visão missionária e social de efeitos não só para o agora, mas para o amanhã, para esse povo tão sofrido” disse o Pr Gesiel Oliveira. A visita ao Município está agendada para acontecer no início de abril e além do diretor do projeto  contará também com a presença do Pastor e Promotor de Justiça Iaci Pelaes (Vice presidente da Assembleia de Deus A Pioneira) e o Pr Job Ferreira (Secretário de Missões da Assembleia de Deus em Macapá).

Gesiel Oliveira
Comunicação e Mídias da CADB

I encontro da CADB da Região Norte do Brasil


A capital do Amapá está recebendo hoje (19) o I encontro da CADB da Região Norte do Brasil, no Hotel Atalanta. O evento se iniciou no dia 16 e se encerra hoje. A Assembleia de Deus – A Pioneira está na coordenação deste magnífico evento que ocorre simultaneamente ao Jubileu de 10 anos da UFIADAP e 1ª EBO Escola de Obreiros, com o tema: “LÍDERES CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO”. 

Estiveram presentes os pastores presidentes da Região Norte: Pr. SAMUEL CÂMARA, Presidente Nacional da CADB e da Assembleia de Deus – Igreja Mãe e Belém do Pará; Pr. OTON DE ALENCAR, Presidente da Assembleia de Deus – A Pioneira, Igreja Mãe no Amapá; Pr. LUIZ GONZAGA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Acre; Pr. JONATHAS CÂMARA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Amazonas; Pr. EURÍPEDES BEZERRA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Pará; e o Pr. DIMAS LEITE RABELO, Presidente da Assembleia de Deus – Zona Norte em Macapá-AP. 

A ocasião marca também a posse do novo presidente da CADB no Amapá, Pr Dimas Leite Rabelo. Na pauta do evento consta também uma homenagem com entrega de honrarias ao presidente da Assembleia de Deus - A Pioneira, pelos 25 anos como presidente da Igreja Mãe no Amapá e ao Pr Samuel Câmara presidente nacional da CADB por conta do inestimável trabalho evangelístico, missionário, social, eclesiástico e espiritual. A programação se encerra hoje a noite, a partir das 19h na Sede da Assembleia de Deus A Pioneira, na Rua Tiradentes, 532 - Centro, com presença confirmada de todos os presidentes.

A íntegra do evento, que foi transitado ao vivo, você pode acessar clicando AQUI


Gesiel Oliveira 
Comunicação e Mídias da CADB 

sexta-feira, 15 de março de 2019

Macapá receberá o I encontro da CADB da Região Norte do Brasil



Macapá, a capital do Estado do Amapá, receberá entre os dias 16 a 19 de março, o I encontro da CADB da Região Norte do Brasil, no Hotel Atalanta. A Assembleia de Deus – A Pioneira está na coordenação deste magnífico evento que ocorrera simultaneamente ao Jubileu de 10 anos da UFIADAP e 1ª EBO Escola de Obreiros, com o tema: “LÍDERES CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO”. Estarão presentes os pastores presidentes da Região Norte: Pr. SAMUEL CÂMARA, Presidente Nacional da CADB e da Assembleia de Deus – Igreja Mãe e Belém do Pará; Pr. OTON DE ALENCAR, Presidente da Assembleia de Deus – A Pioneira, Igreja Mãe no Amapá; Pr. LUIZ GONZAGA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Acre; Pr. JONATHAS CÂMARA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Amazonas; Pr. EURÍPEDES BEZERRA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado do Pará; Pr. MILTON DAUDT, Presidente da Assembleia de Deus no Estado de Rondônia; Pr. JASSON FONTOURA, Presidente da Assembleia de Deus no Estado de Roraima. Pr. ÉZER BELO DAS CHAGAS, Presidente da Assembleia de Deus – Igreja do Avivamento em Macapá-AP. e o Pr. DIMAS LEITE RABELO, Presidente da Assembleia de Deus – Zona Norte em Macapá-AP. A ocasião marca também a posse do novo presidente da CADB no Amapá, Pr Dimas Leite Rabelo. Na pauta do evento consta também uma  homenagem ao presidente da Assembleia de Deus - A Pioneira, pelos 25 anos como presidente da Igreja Mãe no Amapá.

A seguir apresentamos a programação detalhada de todo evento:









quinta-feira, 14 de março de 2019

De quem é a culpa pelo massacre na escola pública em Suzano? - Por Pr Gesiel Oliveira


A questão é bem mais complexa que imaginamos. Alguns podem acusar que a culpa é da falha na segurança pública, outros podem atribuir a culpa aos pais, outros ainda afirmam que a culpa é exclusiva dos assassinos, mas enfim, de quem é a culpa pelo acontecido em Suzano? De quem é a culpa por esta geração sem limites? Respondo: a culpa é de uma conjuntura de elementos, que somados historicamente, forma um caldeirão explosivo de consequências  imprevisíveis e inimagináveis que incluem tanto aspectos negativos exógenos como endógenos. Aspectos estes que foram ignorados ao longo do tempo e foram se acumulando debaixo do "tapete" da inércia e da omissão. Hoje os pais estão muito mais preocupado em suprir as necessidade materiais dos filhos, e os enchem de coisas fúteis como iPhone, tênis da Nike, Xbox, relógios caros, etc, só não os enchem de amor, de princípios e diálogo. Supervalorizam o TER em detrimento do SER e o resultado é um ser esvaziado de empatia, respeito, compreensão e sentimentos. Esses pais, pela comodidade e praticidade da vida moderna, comumente repassam essa responsabilidade aos professores, diretores, pastores, etc, e assim vão "empurrando" a criação de seus filhos com a "barriga", mas não ocupam o seu devido papel imprescindível e insubstituível nesta formação basilar de seus filhos. São pais que criam bloqueios de diálogo, constroem muros ao invés de pontes, e quando eles acreditam que estão construindo um grande edifício na vida dos seus filhos, ignoram que falharam na construção da base, deixaram de lado o alicerce que sustenta tudo o que vai se erguer a partir dali. A construção segue torta, com muitas falhas, mas os pais vão enchendo de "massa" as paredes para ocultar as rachaduras, vão cortando as lajotas tortas, vão repregando o telhado empenado, e a construção segue cheia de falhas. Por isso quando menos imaginam a construção toda vem abaixo. Mas isso nunca acontece do nada. Antes de qualquer construção demolir ela sempre dá sinais. Uma "rachadura" na relação, uma porta que não fecha, uma lágrima no quarto solitário, um silêncio demasiadamente prolongado, um olhar  mudo que pede socorro, a estrutura range por inteiro,  há sempre sinais que só quem está atento pode compreender. Mas mergulhados nas múltiplas atividades e correria do nosso dia a dia, muitos nem percebem, outros ignoram, outros "maqueiam" enchendo de massa as rachaduras, aí só resta esperar para assistir atônito o prédio ruir.

As armas utilizadas no massacre de Suzano são armas que saíram do mundo virtual para o real. São armas dos jogos violentos on line de desafios e tiros Free Fire, Pugb e FortNite. Uma machadinha inox, máscara balaclava de caveira, pistola e uma besta (arma medieval lançadora de flechas). É a hora de debatermos sobre o uso excessivo desses jogos violentos on line que estimulam a insanidade, morte, sangue e progressiva insensibilidade à dor e clemência.Os assassinos do massacre de Columbine, ocorrido em 20 de abril de 1999, na Columbine High School, o Estado de Colorado, nos EUA, eram também aficionados por jogos violentos de tiros e terror, como Doom, Wolfenstein 3D e Duke Nukem. Um dos assassinos, Eric Harris, chegou a produzir mapas para o jogo Doom. Não apenas o tipo de vestimenta (predominantemente preta), planejamento, armas e desfecho final (suicídio) são semelhantes, como o gosto por jogos violentos. 

Na casa dos assassinos de Suzano, a polícia encontrou dois cadernos com nomes de jogos de internet e táticas de jogos de combate, segundo o G1. A polícia  investiga se há algum tipo de ligação desses desafios propostos por esses jogos violentos com a  tragédia de Suzano, e por isso levou os computadores da casa e da lan house onde os assassinos jogavam para uma análise pericial. Evidente que nenhum hipótese pode ser descartada, e que não se pode analisar uma situação tão complexa com base em um só elemento como o vício dos assassinos em jogos de tiros violentos on line. Algumas outras questões não podem ser ignoradas como: bullying, sentimento de vingança, desestruturação familiar (mãe envolvida em drogas e morte da avó), superproteção dos pais, hábito de assistir filmes e séries violentas, ausência de acompanhamento e diálogo por parte dos responsáveis, envolvimento com drogas, etc. É um combinação explosiva que não é   incomum em muitos lares. Então vale estar atento e alerta, especialmente com a linguagem não falada e introspectiva de muitos adolescentes que reúnam aspectos similares.

sábado, 9 de março de 2019

Assembleia de Deus em Alegrete/RS: Mais uma grande convenção adere à CADB



A CADB não para de crescer em todo Brasil! Mais uma grande convenção anunciou sua vinculação aos seu quadro. Desta feita foi a COMADRS – Convenção de Ministros da Assembleia de Deus no Rio Grande Sul, criada em setembro 2018 e que hoje já conta com mais de 1000 pastores devidamente registrados. O Presidente é o jovem e visionário pastor Tharles Trindade da Assembleia de Deus em Alegrete/RS. Desde que foi eleito como presidente desta novel convenção, esta tem experimentado um avanço extraordinário de crescimento em diversas frentes. 

O Pr Tharles Trindade  conversou com o Blog do Pr Gesiel Oliveira e falou de sua alegria e contentamento em somar com a CADB. Ele disse que “o Estado do Rio Grande do Sul anseia há muito por um impacto evangelístico e missionário que permita o avanço do evangelho em um dos Estados com menor percentual de evangélicos do Brasil. Nosso desafio como representantes da CADB é grande, vestimos a camisa e vamos enfrentar juntos esse grande desafio”.  

O município de Alegrete, onde fica a sede desta convenção, é a terra do famoso diplomata Osvaldo Aranha, que ficou conhecido na política internacional  pelo empenho na criação do Estado de Israel, como chefe da delegação brasileira à ONU e presidente da Assembleia Geral da ONU em 1947 quando Israel foi criado. Esta convenção surge com pleno apoio do Pr Samuel Câmara. O Pr Davi Teodoro e a secretária da CADB em São Cristóvão no  RJ, Prª Fabiane Teodoro, também estão finalizando todo o processo de formalização, para que em breves dias estejamos anunciando a implantação definitiva da CADB no Município de Alegrete no RS.  

A CADB já está todos os Estados do Brasil e avança em diversas direções valorizando missões, o pastor e sua família e o ensino na palavra por meio da PECC – Programa de Educação Cristã Continuada, uma magnífica revista da Escola do Dominical que traz um grande diferencial (além do excelente conteúdo) que é a certificação ao final de uma etapa pré-estabelecida. A CADB realizou ações sociais e impactos evangelísticos, dentre tantas outras ações, reuniões, inaugurações de igrejas, etc, o que só comprova que essa novel convenção está em um caminho que foi traçado por Deus. 



sexta-feira, 8 de março de 2019

O debate sobre a questão da união estável divide opiniões de pastores da Assembleia de Deus – Por Pr Gesiel Oliveira.


O debate sobre a questão da união estável dentro da Assembleia de Deus divide pastores e já se arrasta há muitos anos. O assunto voltou à baila quando a pauta para uma das maiores convenções de pastores da Assembleia de Deus no Brasil pontuou essa questão para ser debatida em Belém do Pará entre os dias 08 a 12 de abril em Ananindeua/PA.  Basicamente há três correntes:

1) Há aquele grupo mais conservador que advoga a inflexibilidade e manutenção da situação atual, que não permite que os casais que estejam em união estável sejam batizados nas águas, e consequentemente, impossibilita que estes participem da Santa Ceia ou façam parte como membros da igreja;

2) Há também um segundo grupo que postula que não deve haver distinção para quem está em união estável, e que estes devem ser batizados e devem participar da Santa Ceia e como membros da igreja; 

3) Mas há também um terceiro grupo, de pensamento mais ponderado, com uma análise mitigada da situação, que sustenta a manutenção das regras vigentes, mas com uma pequena  abertura e permissão em algumas raras exceções, que deveriam ser analisados pelo pastor local.

Quero desde já antecipar que sigo a terceira e mais recente corrente, que vem crescendo a cada dia e ganhando mais espaço entre os pastores da Assembleia de Deus. Quero também dizer que não estou aqui com o escopo de combater ou desfazer a dogmática da nossa igreja nem de nossa linha doutrinária assembleiana, mas para refletir um pouco sobre nossas práticas e seus efeitos em um grupo a significativo da igreja. Evidente que aqui não vamos debater sobre outros tipos de uniões estáveis como a homossexual ou poliafetiva, visto a soberania das decisões da igreja e sua separação constitucional do Estado. Há um núcleo intocável doutrinário assembleiano e ninguém se aventura a modificá-lo, mas orbitando ao redor dele existem vários assuntos que não são dogmas, como esse da união estável, que a igreja precisa debater e melhorar.

Como mera analogia, a lei brasileira (como não consegue prever todas as hipóteses factuais) mantém uma parte da normativa inflexível, mas concede aos juízes a flexibilidade e possibilidade de analisar caso a caso e não aplicar o rigor da lei a depender do caso em concreto, declarando a inconstitucionalidade de algumas leis. No estágio atual não se aceita mais uma decisão vinculada, matemática e mecanicamente positivista que obrigue o juiz a cumprir a risca  o rigor da lei.

Trazendo essa visão da análise caso a caso para a questão da união estável dentro das Assembleias de Deus, é impossível criar uma regra inflexível que inclua todas as hipóteses fáticas. Como, por exemplo, aplicar esse rigor formal a índios, ribeirinhos, povos que vivem em vilas isoladas na Amazônia onde não há nem posto de saúde, nem escola, muito menos um cartório, juiz de direito ou juiz de paz para celebrar casamentos na forma da lei a todos. Aqui cabe fazermos alguns questionamentos e ponderações.

É justo deixar milhares de pessoas isoladas dentro da igreja, sendo renegadas a serem tratadas como “crentes de 2ª categoria” por questões judiciais (como separação judicial litigiosa em que há litigância por inventário) que impedem temporariamente a formalização de novo casamento? Há casos de filhos muito pobres que estão em união estável por ainda receberem pensões, sendo que a formalização do casamento eliminaria automaticamente o recebimento do único sustento da família. Como lidar com essas e tantas outras inúmeras hipóteses?

Há aquele caso da irmã que está há tantos anos na igreja, mas seu esposo, que não é convertido, não quer de forma alguma casar. Uma irmã que há uns 25 anos participa de uma das congregações. Porém, seu esposo não quer, de forma alguma casar. Conversei pessoalmente com ele, que me disse o seguinte: "Quero morrer com o nome de solteiro na identidade!" Sabe-se lá por qual “cargas d'água”, acredito que até por puro machismo. A irmã tem bom testemunho, sempre ativa no trabalho, evangelismo, EBD, sempre presente em todos os trabalhos, criou um filho, hoje já maior de idade, tem ótimo testemunho da família, da família do marido, etc. O que sugeriria no caso dela? O problema é do marido? Então que se crie uma comissão eclesiástica para entrevistar as pessoas da família, a irmã firme um termo de  livre impedimento ou algo do tipo, lavra-se um termo de levantamento de informações com a assinatura de testemunhas e desçamo-a às águas! Mas a noção que temos é que a maioria das igreja não quer desembaraçar problemas e sim embaraçar ainda mais. 

Conheço outro caso de uma irmã abastada por aqui que tem uma gorda aposentadoria. Salvo engano ela é esposa de um militar de alta patente já falecido, se casar novamente no civil perde a aposentadoria automaticamente. Vive amasiada com um irmão da igreja por causa dessa questão e por isso não participa de nada. Vive bem, tem filhos, isso há décadas, mas sua vida espiritual e seu convívio com os demais irmãos da igreja sempre foram afetados por conta disso. Resultado: não pode descer às águas. Sugeriria a mesma providência acima, mas como fazer isso com regras inflexíveis? 

Por outro lado um pastor divorciado duas ou três vezes, só porque tem uma certidão civil, ele pode tomar Ceia, pregar, profetizar e ainda leva a oferta e dízimos da igreja. 

Apenas para refletir: Se damos total importância a certidão civil emitida por um cartório porque temos que obedecer a risca a lei do país, isso também vai nos vincular quando o mesmo cartório emitir uma certidão de casamento homo afetivo? Nós vamos obedecer também? Por isso digo que a regra deve ser mitigada, minorada, ponderada caso-a-caso, e só quem pode fazer isso é o pastor local, maior conhecedor de cada caso. 

Não esqueça que o casamento civil surgiu no Brasil há pouco mais de 129 anos. A história do casamento foi instituído por Deus no Jardim do Éden, mas só com a criação da igreja católica no século I, que os casamentos cristãos passaram a serem realizados pela igreja, por meio de um sacerdote. Hoje muitos pastores e igrejas exigem o casamento com efeito civil para que o casal possa ser batizado e assim participar da Santa Ceia, mas durante quase 2 mil anos os casamentos tinham somente efeito religioso, ou seja, era uma união estável aos moldes dela visão de hoje, no entanto a igreja reconhecia aquela união como casamento, dando legitimidade àquela união.

A história do casamento civil no Brasil surgiu com a República, com o então chefe do Governo Provisório Marechal Deodoro da Fonseca. Foi no dia 24 de janeiro de 1890 que o decreto número 181 entrou em vigor criando o Casamento com efeitos civis.

Desta forma o Dia do Casamento Civil, completou apenas 129 anos em 24 de janeiro de 2019. Desde então, o contrato entre duas pessoas que desejam se unir passou por profundas transformações, acompanhando as mudanças da sociedade brasileira.
A primeira delas foi a possibilidade de dissolver o contrato. Se, no casamento religioso realizado pela igreja, a família é indissociável, e serve para fins reprodutivos, para o civil, o casamento acontece por amor entre duas pessoas e possui a possibilidade de dissolução judicial ou extrajudicial, com efeitos na partilha de bens e reflexos quanto a herança. Mas essa mudança aconteceu aos poucos. A lei só previa até então a “separação de corpos”.

Na época, era possível separar o casal se houvesse ocorrido adultério, injúria grave, abandono voluntário do domicílio conjugal por dois anos contínuos ou, então, mútuo consentimento dos cônjuges, tudo acompanhado pela Igreja. Mas o casamento em si não era desfeito. Hoje a igreja se curvou ao Estado e esqueceu que por milênios o conceito de casamento sempre teve cunho religioso e não civil, legal ou jurídico. Nunca dependeu de uma autorização legal do Estado.

Criamos regras inflexíveis que não estão na Bíblia, como batizar e permitir cear só quem está casado no papel, no civil e registrado em cartório. Veja o que a Bíblia diz Atos 8:36-38: “E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou”. O Apóstolo Felipe não perguntou ao eunuco se ele se era casado com registro no cartório, no civil, se era solteiro, nada. Ele aceitou Jesus e foi batizado em seguida.

A mesma coisa vemos também em Atos 16:29-33 quando o carcereiro aceita a Jesus diante de Paulo e Silas. “E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. E lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa. E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite foi batizado, ele e todos os seus”. A Bíblia manda batizar a todos em Mateus 28:19 em nome da Trindade, mas o legalismo do homem consegue deixar as coisas ainda mais complicadas:  “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.

Em Mt 26.26-28 a Bíblia ordena que TODOS participem da Santa Ceia do Senhor: “E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele TODOS; Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados”

Que pastor em sã consciência, teria coragem de negar a Santa Ceia do Senhor a uma irmã velhinha, de oração, frequente e envolvida na igreja, "amigada" há 50 anos, que tem inúmeros filhos e netos desta relação, que aceitou a Jesus assim, mas o seu marido não é convertido e não quer casar-se com ela, todavia, seus dízimos e ofertas são bem aceitos na igreja?

Mas nesta ótica mais radical, alguém em união estável pode ser batizado no Espírito Santo, pode dar ofertas, dízimos, participar de eventos sociais ou da construção da igreja ajudando financeiramente ou na organização, pode ainda participar de cultos ao ar livre, dirigir reuniões de oração nos lares, pode até entrar no céu (onde certamente entrará) só não pode ser membro efetivo da igreja nem ser batizado e cear. Você entende o grau de miopia que vivenciamos?

Enquanto isso há muitas igrejas que a porta dos fundos é maior que a porta da frente, por conta desse legalismo exacerbado, que engole camelo e se engasga com mosquito (Mt 23.2), que continua expulsando muitos crentes de dentro das igrejas, por conta do consequente enfraquecimento espiritual dos recém-convertidos, que por absoluta falta de orientação sobre essa questão por parte de certos líderes, acabam o deixando alijado e desprezado dentro das igrejas, acabando por se afastar-se definitivamente.

Então é o momento de dar mais poderes aos pastores locais e permitir que eles possam analisar caso a caso, e aplicar a regra ou a exceção. É também o momento de se pensar na repristinação (ressurgimento) da possibilidade do casamento com efeitos religiosos, realizado por séculos pela igreja, para solucionar algumas questões relativas à união estável diante de qualquer impossibilidade jurídica ou legal da formalização do casamento. Seria uma forma de a igreja legitimar aquela união duradoura, sólida e fiel, bem como garantir a milhares de casais uma condição de dignidade dentro das igrejas.

Pr Gesiel Oliveira - Vice Presidente da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá -
Blog: drgesiel.blogspot.com
Twitter: @PrGesiel_
Instagram: @prgesieloliveira
Face: Gesiel Oliveira