segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

França: grama que a esquerda pisou não cresce nunca mais - Por Gesiel Oliveira


Isso costuma acontecer em países onde os direitos superam os deveres. Na França cada filho (inclusive de imigrantes) tem direito a uma bolsa paga pelo governo, além do direito a escola, saúde, residência, etc. A França não fechou as portas para a gigantesca imigração, especialmente a Islâmica, e o resultado está aí: um país onde os impostos aumentaram demasiadamente sobre a PEA (População Economicamente Ativa) de forma que uma pequena parte da população sustenta, a custo de altíssimos impostos, uma gigantesca massa de inativos que vivem como "sanguessugas" numa relação "hematógafa" com o governo. Isso tudo acontecendo de forma desregrada no berço da democracia mundial, sob os auspícios de um governo de viés marxista. É uma avalanche de direitos com pouquíssimas obrigações por parte da grande massa de beneficiados. Isso cria um sentimento coletivo de insaciedade, uma ilimitada necessidade de exigências ininterruptas de garantias sociais e econômicas de um governo que já está com o motor fumaçando. Uma significativa parte desses que agora estão ateando fogo, violência e terror na França são imigrantes ilegais, e isso ficou claro com a prisão de mais de 400 deles nesta semana. Isso é resultado da exacerbada e deformada noção de "Liberté, Egalité, Fraternité". Como disse Donald J. Trump " certa vez: "O céu tem muro e rígidas regras de imigração, quem tem política de portas abertas é o inferno". E hoje a França vive seu inferno. Infelizmente o ideal socialista está levando um dos maiores países do mundo à exaustão financeira e destruição econômica, política e social. Como dizia a Dama de Ferro Margareth Tatcher: "grama que a esquerda pisou não cresce nunca mais. O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros". Alguma semelhança? Estivemos a beira disso acontecer no Brasil. Gesiel Oliveira - drgesiel.blogspot.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário