quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Depois de passar fome e vencer na vida militar, índia Waiãpi é a 1ª mulher amapaense a compor equipe de transição de Bolsonaro

Do interior da floresta amazônica, aos 14 anos, ela resolveu ir para a cidade, morou nas ruas, passou fome, aprendeu a ler, mas nunca desistiu de continuar estudando, até ser aprovada para os quadros do Exército Brasileiro. Foi condecorada com diversas medalhas de literatura. Estudou artes, foi atleta, virou fisioterapeuta e cursa hoje a terceira graduação em saúde. Essa é a trajetória de Silvia Nobre Waiãpi que, aos 35 anos, tornou-se a primeira militar indígena a integrar as Forças Armadas no Brasil, no último dia 3 de fevereiro. A índia disputou uma vaga com 5.000 candidatos e foi aprovada com uma das melhores pontuações no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro, onde concluiu o treinamento e hoje serve no Hospital Central do Exército como aspirante. Depois de seis meses, será promovida a 2º tenente.

“Eu queria estudar, mas enquanto mulher indígena era muito difícil”, contou ao UOL Notícias. Natural do Estado do Amapá, Silvia nasceu na aldeia da etnia Waiãpi no Parque Indígena do Tumucumaque, extremo norte do país, na fronteira com a Guiana Francesa. Os cerca de 700 Waiãpi que existem hoje ocupam, há mais de dois séculos, os confins da Amazônia brasileira, entre os rios Jari, Oiapoque e Araguari. Da aldeia ao centro urbano mais próximo são, pelo menos, dois dias de viagem de estrada de terra batida e barco. Silvia conta que, aos 4 anos, sofreu um grave acidente e ficou hospitalizada por meses na capital Macapá. “Aproveitei para estudar”, afirma. A índia se tornou mãe aos 13 anos, decidiu abandonar a aldeia e se mudar para o Rio de Janeiro. “Vim sozinha. Não conhecia ninguém, dormi nas ruas por alguns meses. Eu tinha uma pedra, que acreditava que era sagrada, e a vendi para comer. Com aquele dinheiro eu consegui comer uns dois dias. Depois comecei a vender livros de porta em porta”, lembra. 

 Ainda adolescente, Silvia começou a declamar poesias e diz que foi incentivada a escrever pela Associação Profissional de Poetas do Estado do Rio (APPERJ). Ela resolveu estudar artes e ganhou prêmios por seus poemas: a medalha Cultural Castro Alves, a medalha Monteiro Lobato e também um prêmio de jovem escritora da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul. “Eu a conheci novinha, lembro perfeitamente daquele período. Era muito esperta, ativa e simpática. Eu tinha um carinho enorme por ela”, conta Messody Benoliel, uma das sócias fundadoras da (APPERJ). Hoje, aos 77 anos, Messody lembra que, no início dos anos 90, Silvia frequentava os encontros literários todas as terças-feiras, em Copacabana. “Eu a considero uma profissional. Ela entrava no palco e declamava muito bem as poesias.” Os poemas, lembra, falavam sobre temas da floresta. A última vez que as duas se encontraram foi num evento em 2010. “Para mim é uma surpresa saber que a Silvia é a primeira índia no Exército”, disse. 


Da arte para o esporte 

O esporte foi a paixão seguinte da indígena.Disposta a  correr, ela foi motivada por um técnico do clube Vasco da Gama. “Me apaixonei pelo esporte”, disse Silvia, que deixou as artes e direcionou os estudos para a área da saúde e fisioterapia ligada ao esporte. “Não me causa espanto que ela tenha sido a primeira índia a entrar para o corpo das Forças Armadas”, disse ao UOL Notícias Cristiano Viana Manoel, 27, fisioterapeuta que durante quatro anos acompanhou de perto a trajetória de Silvia como atleta. “Nos conhecemos na concentração de atletas que o clube tinha em Teresópolis. Éramos sete homens e três mulheres e uma rotina intensa de treinamento. A Silvia se dedicava muito tentando se superar. Eu digo superação porque, na época, ela sofria de problemas de saúde e às vezes passava mal e até chegava a desmaiar nas competições.” O caminho dos colegas voltou a se cruzar em 2003, quando estudaram fisioterapia juntos na Unisuam (Centro Universitário Augusto Motta), no Rio. 

Lá eles formaram uma equipe de atletas que recebiam bolsa da universidade para competir. De atleta, Silvia passou a ser coordenadora da equipe de atletismo na universidade. “Nós fomos tricampeões no circuito esportivo da Universidade de São Paulo, conhecido como a Volta da USP em 2003, 2004 e 2005”, relembra Cristiano. 

Aprovada na Marinha e Exército 

O contato de Silvia com o mundo militar se deu quando trabalhava como fisioterapeuta e acompanhava um grupo de fuzileiros navais. Resolveu concorrer à carreira de militar e prestou concurso em 2009, quando foi reprovada. 

Tentou pela segunda vez, no ano seguinte, a Marinha e o Exército. “Fui aprovada nos dois e escolhi o Exército. A seleção foi dura, fui convocada para fazer prova oral, teve análise de títulos e currículo, depois fiz um teste físico”, afirma. Na formação de 45 dias para ser oficial do Exército, Silvia era uma das 37 mulheres no treinamento. Hoje, ela divide o seu tempo no Exército, em cursos de especialização em saúde pública na UFF (Universidade Federal Fluminense), gênero e sexualidade na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e está começando agora a cursar a sua terceira graduação, em gestão hospitalar numa universidade particular. 

Retorno para a aldeia 

Desde que deixou sua aldeia, Silvia voltou apenas quatro vezes para visitar o povo Waiãpi. A última vez foi há sete anos. “É muito longe e caro. Cada vez que vou lá é uma surpresa. 

Às vezes a gente se fala por telefone quando eles estão numa outra aldeia de povos amigos, que tenha sinal de telefone.” Na sua aldeia, nem todos os índios sabem falar português e os mais velhos “preferem não saber o português”. Silvia acredita que carrega a responsabilidade de “abrir espaços ainda não alcançados”. Como colaboradora do Conselho Nacional da Mulher Indígena (Conami), ela defende o fortalecimento da expressão dos povos indígenas. “Quero abrir uma nova ponte para mulheres índias no Brasil, não só nas Forças Armadas, mas em outros segmentos. Já tenho amigas que disseram que agora vão se preparar para entrar nas forças.” Hoje, Silvia vive com seus três filhos e uma neta no Rio de Janeiro. Ela casou  com um militar do Exército. Quando veio ao Rio, a índia já era mãe de Ydrish, hoje com 22 anos e estudante de farmácia. Depois, aos 15 anos, Silvia teve Tamudjim, que cursa direito, e, cerca de dois anos depois, teve Yohana, que está começando a estudar relações internacionais.

A escolha para compor o novo governo 

Não só pela sua história, mas principalmente por sua competência, a agora Tenente do Exército Brasileiro e amapaense Sílvia Nobre Waiãpi, foi uma das quatro mulheres em todo Brasil escolhidas  para compor a cúpula da equipe de transição do novo governo d Silvia e Bolsonaro. É a primeira mulher indígena e amapaense a integrar a Força Terrestre do novo governo. Mulher+índia+Tenente do Exército+ Amapaense! 👏👏👏👏 #OrgulhoTucuju


Fonte: Fabíola Ortiz/UOL.

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Por que o cristão não deve apoiar partidos de esquerda?

Uma das questões mais frequentes dos jovens que me defronto enquanto pastor é a seguinte: “pode um cristão apoiar um partido de viés socialista?”. Minha resposta é enfática: um cristão ser “de esquerda” ou marxista, é como se a gente estivesse perguntando se o cristão pode ser ateu. A cosmovisão e base principiológica socialista em seu sentido puro e fundamental é ateista, anticristã e antagônica à fé cristã. Os preceitos do socialismo se baseiam em sua maior parte nos escritos de Karl Marx, que inclusive possui obras e poemas de cunho satanista. Marx não era ateu, era muito mais que isso, era declaradamente satanista, um antirreligioso. Ele escreve em um de seus poemas satanistas: “Desejo vingar-me d’Aquele que governa lá em cima”. Karl Marx durante 16 anos foi sustentado por sua esposa, enquanto escrevia sua principal obra: O CAPITAL. Nesse período viveu uma tremenda miséria, perdeu 6 dos seus 7 filhos, duas das quais se suicidam. 


O que se viu depois disso foi um outro Marx, acometido por uma rebelião contra Deus, contra a religião de difícil compreensão. Agora não era mais a defesa da laicidade que ele pregava e sim, claramente, um discurso de ódio contra Deus, não era um descredito de um mito, mas uma clara oposição odiosa a alguém que ele sabia que existia mas que resolveu lutar contra. 

Karl Marx

“Assim um deus tirou de mim tudo na maldição e suplício do destino. Todos os seus mundos foram-se, sem retorno! Nada me restou a não ser a vingança! “Meu desejo é me construir um trono Seu topo seria frio e gigantesco Sua fortaleza seria o medo sobre-humano E a negra dor seria seu general “Quem olhar para ele com olhar são Voltará, mortalmente pálido e silencioso, Arrebatado por cega e fria morte. Possa a sua felicidade preparar-lhe o seu túmulo.” (Karl Marx, Obras Reunidas, Vol. I, N. York, International Publishers, 1974) 

Existe um drama pouco conhecido, que ele compôs também durante seus anos de tristeza, chamado de “Oulanem”. Caracteristicamente, “Oulanem” é uma inversão de um nome santo: é um anagrama de Emanuel, nome bíblico para Jesus, que em hebraico significa “Deus conosco”. Tais inversões de nomes são consideradas eficazes na magia negra. “Somente poderemos compreender o drama Oulanem, se ouvirmos primeiro a estranha confissão feita por Marx em um poema intitulado “O Violinista”, mais tarde declamado tanto por ele como pelos seus seguidores:”. O biógrafo de Marx escreve: Os vapores infernais elevam-se e enchem o cérebro, Até que eu enlouqueça e meu coração seja totalmente mudado. Vê esta espada? O príncipe das trevas Vendeu-a para mim.” Estas linhas ganham significado quando se sabe que nos rituais de iniciação superior dos cultos satânicos é vendido ao candidato uma espada encantada que assegura o sucesso. Ele paga por ela assinando, com o sangue tirado dos pulsos, um pacto segundo o qual sua alma pertencerá a Satanás após a morte. E agora uma citação do drama Oulanem: Era Karl Marx um satanista? Segundo Richard Wurmbrand, sim. 


Inevitavelmente todo o arcabouço ideológico corolário de seu escritos tem forte carga satanista e de oposição declarada a igreja e cristãos. No Brasil os guerrilheiros que se opunham ao regime militar, seguindo os ideais de Antônio Gramsci, deixaram as armas de lado e se infiltram nas escolas e academias ainda no início da década de 70, e iniciaram aquilo que ficou conhecido como "revolução cultural", que na prática nada mais foi do que início do processo de doutrinação marxista para mudar a visão da sociedade brasileira desde a sua base. Nosso Brasil tem essa visão esquerdista hoje em boa parte por conta, desse processo que começou lá atrás. Por isso não culpo os professores, jornalistas, escritores, políticos, juventude acadêmica e tantos outros setores da sociedade dita "intelectualizada", por em sua esmagadora maioria terem essa visão torta. Eles são frutos dessa dolosa alienação intelectual e literária seletiva, que privilegia somente obra de viés marxista aos longo de toda a faculdade. As obras de doutrinadores liberais e conservadores, praticamente são proibidas e você não encontra nas prateleira das bibliotecas de universidades públicas, livros de Edmund Burke, Barry Goldwater, Richard Weaver, Russell Kirk dentre tantos outros exponenciais da direita conservadora. Essa orientação doutrinadora esquerdista vem de cima, do governo federal, que por décadas indica ou apoia reitores socialistas nas universidades públicas brasileiras. Ao longo de 23 anos de governos de orientação socialista, o Brasil perdeu muito em termos de educação, criatividade e competitividade nos espaços acadêmicos onde isso deveria estar sendo estimulado. Paramos no tempo por questões de orientação ideológica marxista. O resultado é isso que estamos vendo aí, diversidade de gênero, estímulo a descriminalização do aborto e do uso da maconha, discurso eufemístico em relação a pedofilia, zoofilia, dentre tantos inúmeros pensamentos libertários, socialistas e anarquistas. A ideologia de gênero vem sendo ensinada às crianças do ensino fundamental, educação com base na "pedagogia da Libertação" do socialista Paulo Freire, fortemente infiltrada da Lei de Diretrizes de Base de 1996, que regulamenta e rege toda a educação no Brasil. Ao fim de tudo, entendemos a pré orientação posta em prática das ideias do ídolo de Paulo Freire, o Italiano Anarquista Antônio Gramsci de "mudar a sociedade não com uso da força como fez a União Soviética, mas mudando e distorcendo a base do pensamento da sociedade desde a raiz". Pouca gente sabe, mas uma das piores perseguições aos cristãos aconteceu por conta da implantação do socialismo após a Revolução Russa, especialmente com a criação da URSS que se estendeu de 1922 a 1991. As autoridades soviéticas suprimiram e perseguiram, em diferentes graus, várias formas de cristianismo, dependendo do período particular. 


A política marxista-leninista soviética defendia consistentemente o controle, supressão e a eliminação de crenças religiosas, e encorajou ativamente o ateísmo durante a existência da União Soviética. O estado estava comprometido com a destruição da religião e demoliu igrejas e sinagogas, ridicularizou, perseguiu, encarcerou, torturou e executou líderes religiosos, inundou as escolas e meios de comunicação com ensinamentos ateus, e geralmente promovia o ateísmo como uma verdade que deveria ser socialmente aceita. O número total de cristãos vítimas de políticas atéias do estado soviético foi estimado na faixa entre 12-20 milhões somente entre 1922 e 1991, este foi sem dúvida o maior genocídio já praticado contra os cristãos. Hoje estima-se que em todo mundo os regimes totalitários socialistas e comunistas já mataram mais de 100 milhões de pessoas. Portanto, é no mínimo incongruente um cristão votar em um partido que defende uma ideologia socilaista que persegue cristãos e os mata em todos os lugares onde se implantou. Minha intenção em fazer este estudo é trazer a sociedade Cristã, a verdadeira intenção de Karl Max (autor do manifesto comunista) um homem que foi e é adorado por muitos dito 'intelectualizados', mas que, travou uma guerra pessoal contra Deus. Quero fazer um alerta de que realmente o inicio deste movimento comunista que prometeram direitos e igualdade, liberdade tão sonhada pela sociedade, era na verdade um movimento anticristão. Liderado por um satanista que usou cidadãos bem intencionados muitas vezes sofridos, como "bode expiatório", massa de manobra, para travar uma luta espiritual e carnal, um Deus, que ele acreditava e sabia que existia. 


Definitivamente me perdoem os adoradores de KARL MAX, mas ele não era Ateu. Ele não só acreditava em Deus, como achava poder derrotá-lo e somente atraiu para si e para sua família desgraça. O povo sem saber, enganado pelas pseudo boas intenções manifesta em grandes e elaborados discursos na verdade ajudou a promover as piores guerras e perseguições, que é o objetivo do seu opositor satanás. Hoje o comunismo aboliu muitas ações que eram aceitas na época Karl Max, Porém faço um alerta de que a base deste comunismo é o satanismo e devemos prestar atenção a esses movimentos que em nome da liberdade da falsa igualdade estão mesmo é promovendo atos diabólicos para destruir as famílias, a maior instituição criada por Deus. Desta forma quando votamos em um candidato filiado a um partido de esquerda, estamos favorecendo na verdade o partido, e podemos sem percebe por meio de coeficiente eleitoral, abrir as portas dos fundos para mais militantes pró-aborto, drogas, anti família e contra Deus. Por isso devemos buscar conhecer, como funciona nossa política e apostar em partidos e candidatos que se comprometam com nossas causas e princípios. 


Gesiel Oliveira

drgesiel.blogspot.com 

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Neutralidade: Nota do verdadeiro movimento de apoio a Bolsonaro no Amapá

Quanto a nota do presidente do PSL no AP, manifestando apoio ao PDT, temos a dizer que seguiremos a decisão tomada pelos verdadeiros membros (e não por um auto-intitulado líder) do movimento Pró-Bolsonaro no Amapá, de nos mantermos neutros, respeitando os princípios democráticos da escolha de cada membro, como melhor saída para que nosso movimento continue a crescer de maneira independe e sem vinculação com velhas políticas locais. Lembrando que esse mesmo presidente local do PSL que expediu essa nota, teve pouco mais de 400 votos em sua candidatura a deputado federal, e que ele não representa a complexidade de forças, grupos voluntários e expontâneos que se uniram em torno do projeto de apoio à Bolsonaro no Amapá. O próprio PSL nacional não se posicionou quanto ao apoio de algum lado aqui no Amapá. Nosso movimento é supra-partidário e não está subordinado ao PSL. Respeitamos quem irá votar no amarelo ou azul até mesmo no branco ou nulo, mas nosso movimento não manifestará apoio a nenhum dos dois lados. O movimento Pró-Bolsonaro/AP - que não possui líder e sim apoiadores unidos.

Bosoaonro, 

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

CADB reafirma apoio a Bolsonaro

Uma comitiva formada por pastores da CADB, Convenção da Assembleia no Brasil, esteve em visita hoje (22) a casa do Candidato a presidência da República Jair Bolsonaro no início da tarde. A comitiva foi encabeçada pelo seu presidente Pr Samuel Câmara, que apresentou um documento que trata sobre o posicionamento político da convenção nacional em 6 tópicos, reafirmando o compromisso com os princípios cristãos e manifestando publicamente o apoio ao presidenciável. O documento está datado de 10 de outubro, e já foi repassado para todos os milhares de pastores vinculados a CADB em todos os Estados. A comitiva contou com a presença do Pr Jonatas Câmara (presidente da CEADAM e da AD no Amazonas), Pr Eliseu Menezes (AD Ilha do Governador/RJ), Pr Ivan Bastos (Presidente da CONFRATERES no ES), Pr Wagner Medina (RS) , Pr Celso Brasil(RJ), Deputado Federal Silas Câmara (AM), Pr Phelipe Câmara(SP), Prª Antônia Lúcia Câmara(AM), Pr Jean Max(RJ), Pr Shakespeare Viana, Pr Fábio Rodrigues (RJ), Pr David Teodoro (São Cristóvão), dentre outros pastores presidentes que reafirmaram o compromisso da CADB com um Brasil melhor para todos. A CADB foi a primeira convenção nacional a manifestar publicamente apoio a Bolsonaro. 


Matéria: Pr Gesiel Oliveira 

Missões de mídias/CADB

Fotos: Pr David Teodoro/SC/RJ

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Eleições 2018: tudo o que você precisa saber antes de sair para votar em 50 perguntas

Datas, ordem de votação, documentos necessários; nosso blog responde  às principais dúvidas em relação ao pleito deste ano com base em informações da Justiça Eleitoral.



No próximo dia 7 de outubro, cerca de 147 milhões de brasileiros são esperados para votar em todo o país.
Mas muitos ainda têm várias dúvidas quanto ao pleito deste ano: Quando vai ser o primeiro turno? E o segundo (se houver)? Como anular o voto? Como justificar o voto? O que acontece se eu não votar?
Abaixo, a BBC Brasil reuniu 50 perguntas e respostas sobre as eleições 2018.

1) Qual é a data e o horário da votação?

O primeiro turno de votação vai ocorrer em 7 de outubro de 2018 e o segundo turno, caso aconteça, será em 28 de outubro de 2018. A votação começa às 8h e termina às 17h (horário de Brasília).

2) Em quem vou votar?

A ordem de votação para as eleições gerais é a seguinte: deputado federaldeputado estadual (deputado distrital no Distrito Federal), senadorgovernador e presidente.

3) Quem é obrigado a votar?

Os alfabetizados maiores de 18 e menores de 70 anos são, por lei, obrigados a votar.

4) O eleitor entre 16 e 18 anos é obrigado a votar?

Não. O voto é facultativo até o dia em que o eleitor completar 18 anos, quando passa a ser obrigatório. O voto também é opcional para os analfabetos e maiores de 70 anos. Esses eleitores não precisam justificar a ausência, se não votarem.

5) Como saber se estou apto a votar?

Você pode consultar sua situação eleitoral no site do TSE. (Veja também:Como consultar o título de eleitor)

6) Como vou saber onde votar?

Você pode consultar seu local de votação no site do TSE. Você pode ligar também para a Central de Atendimento ao Eleitor dos TREs estaduais, ainda que esteja sem o título, ou para o seu cartório. (Veja também:Saiba como consultar seu local de votação)

domingo, 30 de setembro de 2018

4 mil carros: Carreata pró-Bolsonaro bate recorde e já é a maior carreata da história do Amapá

O centro de Macapá ficou pequeno na tarde de hoje (30/09) por conta de uma mega carreata organizada pelas redes sociais por um grupo de influenciadores virtuais Pró-Bolsonaro. A carreata levou para as ruas de Macapá mais de 4 mil carros. Muitas transmissões ao vivo pelo Facebook mostraram mais de uma hora e meia de carros que não paravam de passar. Quando os últimos carros ainda estavam saindo da Praça do Barão a outra ponta da carreata já dobrava a curva do Araxa em retorno para a Praça do Barão. Mais de 10km de carreata em fila dupla. O movimento foi organizado pelo povo sem nenhum apoio de partidos políticos. Ouvia-se muitos relatos de pessoas que se ajudavam, pagando a gasolina de outros amigos e parentes, tudo para ninguém perder a grande festa da democracia que Macapá assistiu na tarde de hoje. Vários veículos de comunicações e jornais locais estiveram fazendo a cobertura do evento. Ontem milhares de pessoas se reuniram no Parque do Forte para manifestar apoio ao movimento Mulheres com Bolsonaro no Amapá. O movimento foi igualmente organizado pelo povo e convocados pelas redes sociais e sem interferência e apoio de partidos. Veja abaixo uma das transmissões da carreata pró-Bolsonaro feita pelo Pr Gesiel Oliveira.







   


sábado, 29 de setembro de 2018

Movimento Mulheres com Bolsonaro no AP leva mais de 11 mil pessoas ao Parque do Forte



O evento Mulheres com Bolsonaro no Amapá, movimento apartidário que surgiu da união de mulheres pelas redes sociais, levou mais de 11 mil pessoas ao centro de Macapá na tarde deste sábado, dia 29. Muitas famílias vestidas com camisas estampadas com frases de patriotismo, amor a família e de apoio ao candidato Bolsonaro deixaram um marcante verde e amarelo que tomou o Parque do Forte em uma tarde memorável. Houve dança coreografada por um professor de dança voluntário. Foi um momento lindo ver aquela multidão de mulheres felizes, dançando e mostrando seu apoio ao candidato Bolsonaro 17. O evento contou com a presença de Karla Magno, filha do Senador Magno Malta do Espírito Santo, que discursou e entusiasmou a multidão de mulheres. Um dos momentos mais emocionante aconteceu quando o hino nacional foi entoado, a multidão vibrou e muitas pessoas foram às lágrimas na força de um sentimento que andava desaparecido: o patriotismo. Veja algumas fotos deste lindo e histórico evento.










Acordei de um terrível pesadelo - Por Gesiel Oliveira


Sonhei que estava no primeiro dia de janeiro de 2019. Neste macabro dia, o Brasil está assistindo atônito pela TV de sua casa a posse do Haddad como novo presidente do Brasil. Uma multidão de camisas vermelhas com estampas de Che Guevara, MST e #LulaLivre gritam ensandecidas. Nesse mar vermelho monocromático não se vê uma bandeira do Brasil, não se vê as cores verde e amarelo. Neste exato momento você percebe que, no mesmo palanque está reunida toda a cúpula do Foro de São Paulo: Dilma Rousseff, José Dirceu, Lindenberg, Gleisi, Boulos, Stedile, FHC, Ciro, Jean Willis, Marina, entre outros, além de personalidades internacionais como o Nicolas Maduro, Evo Morales, Cristina Kirchner e Mujica.


Abalado, você ouve a primeira declaração do novo presidente, enaltecendo o herói, Lula, e proclamando sua liberdade por meio de um documento que tem em mãos chamado de INDULTO, e sem sentir o mínimo de vergonha, declara o detento como o novo e verdadeiro presidente do País com honrarias de Estado Maior. Haddad também anuncia os trabalhos de articulação parlamentares para a nova constituinte que já está quase concluída, que vai trazer um pacote de medidas, entre as quais, o maior controle e aparelhamento dos outros poderes: judiciário e legislativo, a nova constituição dará super-poderes ao novo presidente, haverá um rigor de controle e censura na internet, rádio e TV, além de bolsa de estudos no valor de 3 salários mínimos para trans, bandidos, prostitutas e viciados, tudo pago com os mais altos impostos do planeta pagos pelos brasileiros. 

O processo de desmilitarização das polícias é encabeçado pela Ministra da Justiça Maria do Rosário. A liberação da maconha, cocaína e crack para uso e venda transformou as ruas do Brasil em um cenário da série "The walking dead". Mc Carol é a nova Ministra da Diversidade Sexual. As mudanças, a pedido do Ministro dos Direitos humanos Jean Willis, também trazem mais cotas para os LGBT's nos concursos públicos e universidades públicas, que agora passam a serem dirigidas por reitores marxistas. Um pacote de medidas criam mais impostos e aumentam as sobretaxas aos produtos importados. Brasilia passa ser a nova sede da URSAL (União das Repúblicas Socialistas da América Latina) e também do Foro de São Paulo. O Brasil anuncia mais empréstimos bilionários do BNDES para Cuba, Coréia do Norte, Nicarágua, Venezuela e o perdão das dívidas bilionárias à vários países de ditaduras socialistas africanas como Angola, Zimbábue, Moçambique, Congo, Guiné Equatorial e Gabão, etc. O programa mais médicos, contrata mais um milhão de médico cubanos e da Nicarágua.

Voltando a grande cerimônia de posse, em rápidos e constantes flashes são noticiadas pela VEJA, Folha de São Paulo, Estadão, IstoÉ. O IBOPE e Data Folha divulgam pesquisa dizendo que Haddad possui a maior aceitação e apoio da população de toda a história do Brasil, com índices que chegam a 90% de apoio popular. O dólar disparou e pela primeira vez chegou aos R$6. A bolsa de valores experimentou a maior baixa de sua história com uma gigantesca fuga de investimentos e capitais. O desemprego chegou a 18 milhões Mas nada disso impede a felicidade e festas espalhadas pelo Brasil por pessoas com suas camisetas e bandeiras vermelhas que sorriem e debocham dos vencidos opositores.Agora o casamento gay pode ser realizado também em igrejas evangélicas e católicas por força da nova lei da diversidade sexual. 

O kit gay, a ideologia de gênero e a pedagogia marxista da libertação de Paulo Freire, orientam a nova educação inclusiva brasileira. Há uma grande festa da população Feministas que dançam nuas pelas ruas, com peitos de fora, com os dizeres “Lula Livre” pintado em seus corpos defecando sobre a foto de Bolsonaro. Outras também defecam e urinam na foto do General Mourão. A bandeira brasileira foi retirada dos espaços públicos, bem como Bíblias ou qualquer outro objeto que simbolize a fé cristã, por ordem do Ministro da Educação Leandro Karnal a bem do Estado Laico brasileiro. A comunidade LGBT e sindicalistas levam carros de som para as ruas e orquestram um tipo de “parada” fora de época.

Com tristeza você relembra de todos os manifestos que participou contra os desmandos do governo petista, contra a perpetuação da miséria, contra o aparelhamento total do estado e contra a corrupção sistêmica. Não se conformando com a volta do poder para as mãos dos grandes compadres do petismo, você, o isentão ou aquele que, mesmo avisado, votou no Amôedo, no Álvaro, vai sentir o arrependimento da sua inércia ou do desperdício do seu voto. Porém, agora nada mais pode ser feito! Enquanto Haddad cerra o punho e a massa vermelha grita bem forte:

"Viva lá Revolución Popular"
"Viva lá Revolución Popular"
"Viva lá Revolución Popular"

Um viva a república socialista do Brasil!
Acordei suado e com o coração disparado!
Estão avisados!

Gesiel Oliveira

drgesiel.blogspot.com.br

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Cantora Karla Malta, filha de Magno Malta, confirma presença no evento Mulheres com Bolsonaro no Amapá


A cantora Karla Malta do Estado do Espírito Santo, filha do Senador Magno Malta (PR), publicou vídeo confirmando presença no evento Pró-Bolsonaro de apoio feminino, que acontecerá neste próximo sábado (29) às 16:00h no Parque do Forte, denominado de "Mulheres com Bolsonaro no Amapá". A cantora tem se destacado na luta em favor dos direitos das mulheres e é uma das maiores referências no mundo gospel nesse sentido. O seu pai, além de ser o principal coordenador de campanha do Bolsonaro, lidera isolado todas as pesquisas de intenções de voto no Estado do Espirito Santo.







quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Por que não se fala de outra coisa?

As redes sociais estão inundadas de gente falando do Bolsonaro. Mas o IBOPE diz que ele estacionou em 28% depois do atentado. Quem ainda acredita em um instituto que foi citado em delação por um dos diretores da JBS por receber propina de R$300 mil para alterar os resultados? Você vai na esquina comprar pão, e lá na fila também estão falando dele. Você chega no trabalho e o assunto é o mesmo. Muita pessoas em seus status de rede sociais já estão até reclamando do excesso de comentários em relação ao Bolsonaro. Em nenhuma outra política se falou tanto em um candidato. Lembrando que ele está sem fazer campanha pessoalmente há exatamente 20 dias. E o que explica esse crescimento acentuado, mesmo que o IBOPE, braço direito da Globo, tente minimizar? Te explico em 6 motivos: 


1) A coisa saiu do campo político e passou para o campo do ufanismo. Ou seja, agora envolve o sentimento de patriotismo. Aquele mesmo sentimento que nos faz vestir a camisa em época de copa. Aquele sentimento que nos move pela esperança, pelo amor a nossa nação. Só que agora esse sentimento está canalizado para a política. O brasileiro voltou a gostar de falar e de se envolver em política. Fazia tempo que a gente não via aqueles experts ébrios dos bares da vida. Há muito tempo ele queria só distância de política, passou a odiar, mas de uma hora para outro esse candidato reacendeu a luz da esperança no fim do túnel, daquilo que se achava que estava perdido. 


2) Estamos diante de uma polarização ideológica. A Direita surgiu agora! Estamos vivendo um momento histórico. Esqueça tudo o que para trás ficou. Não podemos falar que no período do regime militar existia uma direita. Definitivamente não! Não existia um arcabouço técnico e literário organizado de ideias, metas, propostas e posições firmadas e acirradas contra o socialismo, contra essas malogradas ideologias marxistas que infestam nossa sociedade. Os militares não organizaram isso, ao contrário dos movimentos de esquerda que após a derrota para os militares, largaram as armas das guerrilhas e foram “fuzilar” as mentes nas universidades, meios de comunicação, TV literatura, cultura, artes, teatro, etc. Por isso afirmo: A verdadeira direita está surgindo agora! A história está acontecendo diante dos nossos olhos. 


3) Se olharmos para o passado, há uma preocupação que envolve o quadro do Brasil, corroído pelo PT e sua quadrilha no maior assalto aos cofres públicos da história mundial. Se olharmos para o futuro, inevitavelmente temos de olhar para a nossa vizinha Venezuela. Um país que já foi uma das maiores potências petrolíferas mundiais, com renda per capta alta, economia sólida e democracia forte. Hoje, depois de 19 anos de Chavismo, o povo está comendo cachorros, gatos e lixo pelas ruas de Caracas para sobreviver. Há uma inflação de 1.000.0000%, uma emigração externa de 2,5 milhões de flagelados e um país em frangalhos com um ditador sanguinário que já matou mais de 8.200 cidadãos assassinados por esse regime nefasto. 


4) O brasileiro não aguenta mais tanto lixo ideológico que faz seus filhos serem obrigados a aprenderem sobre sexualidade na infância, sobre ideologia de gênero, sobre aceitação de mudança de fenótipo uranista e uso de nome social, terceiro banheiro para trans, doutrinação sobre diversidade e flexibilização e aceitação social LGBT. O Brasileiro cansou de ver suas universidades públicas como fábricas de anarquistas, marxista, Gramscista, Trotskista e Leninista. O brasileiro quer sua universidade pública gerando conhecimento produtivo para a nossa nação, promovendo o crescimento cognitivo e tecnológico da nossa noção. 


5) O brasileiro não aguenta mais essa tolerância com a bandidagem. Esse acobertamento e proteção excessiva dos direitos humanos que ignoram a vítima e divinizam o bandido. 


6) É por último, o brasileiro não aguenta mais esse cancro fagedênico que dilacera as entranhas da nação há tanto tempo. É essa corrupção que está entrelaçada com diversos outros problemas do Brasil como a ausência de segurança absoluta. O brasileiro não aguenta mais 66 mil assassinatos por ano. As leis flexíveis do governo petista tiraram do brasileiro um direito que ele possuía há mais de 513 anos, o porte de arma. Os bandidos num ficaram desarmados. A política de desaemanento no Brasil ao invés de diminuir as mortes por arma de fogo, quadruplicaram. A esquerda destruiu o Brasil, cabe agora consertamos utilizando a maior ferramenta da democracia: O VOTO.  

É por isso que aquilo que achávamos impossível está acontecendo: o brasileiro está comprando camisa de candidato (algo impensável em outro tempo), está indo para as ruas com sua família para gritar: “eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”. O brasileiro está indo para a carreata com a seu próprio carro, gastando da sua própria gasolina, está usando suas redes sociais para fazer campanha, pois os bandidos que fizeram a lei eleitoral deram apenas 8 segundos na TV para ele. E enquanto um candidato que responde processo na Lava Jato tem metade do tempo de TV e não para de cair, o que tem apenas 8 segundos não para de subir. E enquanto todo o sistema se organiza num mecanismo complexo de manutenção da cleptocracia, fazendo de tudo para tentar impedir o avanço de um soldado que está se recuperando no hospital, pois foi ferido quando estava na frente de batalha, o Brasil todo faz campanha por ele, e de graça! 


Não adianta, nada é maior que o povo. E quando o povo quer, nada pode impedir. Chega! Não é a política que faz o candidato virar ladrão, é o voto inconsequente que faz o ladrão virar político. Vote certo, vote B17. Por isso #EleSim #NãoVaiTer2ºturno Gesiel Oliveira drgesiel.blogspot.com.br

Mulheres do Amapá se unem em movimento apartidário Pró-Bolsonaro neste sábado



Acontecerá neste próximo sábado (29) às 16:00h no Parque do Forte, o evento Pró-Bolsonaro de apoio feminino, denominado de "Mulheres com Bolsonaro no Amapá". A iniciativa surgiu, de acordo com uma das coordenadoras do evento, a partir de um grupo de mulheres, sem vínculo partidário algum, que se conheceram pelas redes sociais, e criaram um grupo, que além de visar a manifestação e declaração de apoio ao candidato Jair Messias Bolsonaro, visa também  manifestar apoio a causas conservadoras a favor da família, bons costumes, princípios, contra o aborto, contra a legalização da maconha, contra a implementação da ideologia de gênero como  orientação pedagógica na educação infantil, além de uma série de outros pontos conexos.


Iniciativas semelhantes de grupos de mulheres Pró-Bolsonaro estão se espalhando em todo Brasil, como uma reação forte  ao movimento contra Bolsonaro denominado de #EleNão que tem sido um fiasco nas redes sociais. A exemplo disso a cantora Daniela Mercury, publicou  um vídeo em seu canal do YouTube  com essa hastag, e até o fechamento desta matéria, já contava com 14 mil likes e mais de 840 mil deslikes. Outras atrizes globais também gravaram vídeos e a manifestação contra no YouTube, em forma de deslikes, foi igualmente semelhante. Para cada 10 mil curtidas, existiam pelos menos meio milhão de deslikes. Indubitavelmente o movimento #EleSim está infinitamente mais forte nas redes sociais e nas ruas. 






A candidatura de Bolsonaro tem crescido rapidamente. A mídia marrom vem tentando de todas as formas tachá-lo como misógino, mas a prática tem mostrado exatamente o contrário. A exemplo disso, uma mulher, a Doutora Janaina Paschoal, uma guerreira na luta pelos direitos das mulheres, é umas das cabeças que mais influencia Bolsonaro atualmente na campanha presidencial. Pascoal chegou a ser convidada a ser vice na chapa, mas agradeceu e negou o convite,  passando a se dedicar mais a campanha presidencial. Ela também já é dada como certa para ocupar um dos Ministérios mais estratégicos no governo de Bolsonaro, o da Justiça. O Jornal da Band divulgou pesquisa ontem mostrando que Bolsonaro já tem 35% da intenções de voto, estando isolado a frente na corrida presidencial.

Gesiel Oliveira 




segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Olhai para a nossa vizinha Venezuela - Por Gesiel Oliveira

População venezuelana morrendo de fome

Que o nosso lindo Brasil não se curve a humilhação mundial de ser governado por mais um “poste” vermelho pelos dedos manipuladores de um presidiário. Que o nosso País não se curve a vergonha de ser governado por uma ideologia socialista que destrói, corrompe e macula tudo que toca. O Brasil não aguenta mais um governante ligado a nefasta e deletéria gangue do Foro de São Paulo fundado por Lula e Fidel Castro em 1990, como base comunista para unificar as lideranças políticas da América Latina em prol da continuidade do socialismo. 

Olhai para a nossa vizinha Venezuela, que até 1999 era uma democracia sólida, uma das grandes potências mundiais em produção de petróleo, uma das rendas per capta mais altas do planeta. Tudo isso acabou com a revolução chavinista a partir de 1999. Margaret Tatcher, ex-primeira ministra da Inglaterra já dizia que: “grama onde o socialismo pisou não cresce mais”. Ela conhecia bem os desígnios malignos desse regime que só funciona bem no idealismo utópico doutrinado da teoria acadêmica. Hoje mais de 2,3 milhões de venezuelanos saíram da Venezuela por conta de regime ditatorial que já matou mais de 8.200 cidadãos que se opuseram ao ditador Nicolas Maduro. Hoje as prateleiras dos supermercados venezuelanos estão vazias, a população faz filas quilométricas para comer carne podre, não há água tratada, os cachorros e gatos desapareceram das ruas de Caracas,motivo: a população miserável está comendo tudo para matar a sua fome, há até mesmo relatos de consumo de ratos em muitas cidades pobres venezuelanas. 

Desabastecimento nos supermercados da Venezuela

Hoje a Venezuela tem um dos governos mais corruptos do mundo e o mais corrupto do continente. O país encerrou 2017 como o 2º mais violento do mundo com 3 vezes mais homicídios do que o Brasil, proporcionalmente: naquele ano o Brasil teve cerca de 29,9 homicídios a cada 100 mil habitantes, enquanto o vizinho bolivariano 91,8; O governo socialista de Hugo Chaves e Maduro geraram uma gravíssima crise alimentar: cerca de 87% dos venezuelanos não têm dinheiro suficiente sequer para se alimentar uma única vez por dia; O País passa por uma alarmante crise inflacionária: para comprar um frango é necessário juntar uma montanha, literalmente, de dinheiro desvalorizado, com uma hiperinflação descontrolada de mais de 1.000.000% segundo o FMI. A moeda venezuelana não vale para nada, e o governo têm dificuldades financeiras até para conseguir imprimir o seu próprio dinheiro. 

Venezuelanos comendo lixo

A BBC publicou uma matéria mostrando que a pilha de dinheiro que hoje se compra um café, há 15 anos dava para comprar um apartamento em Caracas. A Venezuela passa por crise humanitária com deterioração completa de sua democracia: são contabilizados inúmeros casos de desrespeito a direitos básicos dos cidadãos, tendo o governo tornado-se já totalmente despótico, tirânico, antidemocrático e sanguinário; A crise atingiu em cheio a educação: cerca de 40% dos professores perdem aulas para enfrentar as filas para compras de bens básicos. Há filas para tudo em País desabastecido se alimentos, medicamentos, água, etc. Há um alto percentual de alunos que perdem aulas com constância e inúmeros dias letivos têm sido cancelados em razão do racionamento de energia. 


Que o povo Brasileiro se lembre que Lula e Dilma colaboram e muito por meio do Foro de São Paulo para que a Venezuela chegasse a esse estágio calamitoso. Os governos petistas emprestaram mais de R$ 13 Bilhões a fundos perdidos a Venezuela para que Hugo Chaves e Nicolas Maduro se perpetuassem no poder com o socialismo que agora querem dar continuidade no Brasil por meio do Haddad. Lembrando que após a 2ª guerra mundial, entre 1948 e 1951, os EUA gastaram pouco mais de US$ 13 bilhões para ajudar na reconstrução de 16 países europeus destruídos pela guerra e os transformaram em potências mundiais. Foi o chamado Plano Marshall. O governo petista jogou fora o mesmo valor a fundos perdidos, dinheiro desviado via BNDES do contribuinte brasileiro. Dinheiro torrado na manutenção dos ideias socialistas do Foro de São Paulo. Malditos miseráveis vermelhos mil vezes!

A Venezuela está alcançando a tão sonhada igualdade socialista: Todos na extrema miséria. Aliás, no socialismo todos são iguais na pobreza, na morte por fome, doenças, massacres, etc...Viva la revolución socialista! Deus tenha misericórdia do Brasil. 

Gesiel Oliveira

drgesiel.blogspot.com