sábado, 21 de outubro de 2017

Inauguração da Congregação Monte Gerisim em Ferreira Gomes

Aconteceu na noite do dia 21 a inauguração da Congregação Monte Gerisim no Município de Ferreira Gomes e 1º aniversário do círculo de oração Atalaias de Cristo. A congregação é dirigida pelo Pr Moisés Matias e Prª Maria de Jesus Matias que estão dirigindo este trabalho há cerca de um ano e oito meses. O Pr Dimas Leite Rabelo realizou a cerimônia de inauguração do novo templo. Estiveram presentes também a Prª Clarice Rabelo presidente da UCIAMA e o Pr Gesiel Oliveira, vice presidente da COMADEZON, e o Evangelista Josué Rabelo, o Pr Amiraldo Araújo pastor da AD Zona Norte em Ferreira Gomes e sua esposa Prª Eluirdes. O Preletor da festa foi o Pr Diego Delon de Porto Grande. A Cantora da festa foi Leide Souza do Laranjal do Jari. Veja algumas fotos do evento.



















quinta-feira, 12 de outubro de 2017

101 dias de "administração" de um presidente sub-judice

101 DIAS DE "NOVA" ADMINISTRAÇÃO NA CGADB, O QUE MUDOU?



Iniciar uma "nova" administração com cara de "velha" é algo que tem preocupado milhares de pastores em todo o Brasil. Os pastores que votaram sonhando com uma possível renovação viram suas pretensões sucumbirem diante de um processo eleitoral maculado conduzido pela CGADB, manchado por escândalos, denúncias e irregularidades, uma eleição que ainda não acabou, visto que o juiz de Madureira-RJ apenas decidiu sobre as 17 liminares de todo Brasil, mas o mérito ainda está jub-judice. Ou seja estamos diante uma administração anômala com um presidente provisório, temporário, cautelar e sub-judice. Só a justiça é que vai dizer os rumos da CGADB. Mas o grupo do "suvaco da monarquia" canta gritando com ares de arrogância e empáfia uma vitória, alegando que ele é o presidente definitivo, ignorando a justiça, como sempre lhes foi peculiar. Mas esses percalços judiciais não podem serem motivos para justificar a absoluta inoperância que estamos vendo na atual administração. Sem dúvida alguma o tema acima traz à baila a questão que interessa aos milhares de ministros assembleianos, o que de fato, pretende esta nova gestão em relação ao futuro da CGADB? Quais são seus projetos para este quadriênio, se é que existem? Os pastores estão inquietos sobre os projetos "mirabolantes" prometidos durante o período eleitoral (que será o tema do nosso próximo artigo).

Se o presidente atual se deixar engodar achando que os ministros aceitarão a velha estratégia do obscurantismo e regime de administração familiar absolutista e medieval como resposta convincente, errará da mesma forma que seu antecessor e cairá na mesma armadilha de ter que praticar diariamente a rotina burocrática, apequenada e marasmática praticada por seu pai, para que permaneça no cargo de forma aparentemente segura, nesse caso, ele optará pela conhecida política maquiavélica de ser mais temido que amado.

Não se iluda o ilustre governante eclesiástico com os elogios da turba que o cerca, tendo em vista a insatisfação da maioria dos ministros da entidade, ele precisará mostrar competência no serviço ao invés de palavras lançadas ao ar. Até agora nada foi feito, com exceção de sua resposta a matéria publicada pela revista veja, e diga-se de passagem, uma resposta infame, carente de consistência e retórica. A nota de repúdio as si chamada foi coisa de amador, de aluno mal formado que não sabe interpretar um texto, menos ainda fazer uma redação, foi simplesmente lastimável e lamentável.

Por fim, aguardamos com certa impaciência um governo competente na CGADB, um representante à altura da instituição, com estatura de um líder estadista, que olha para a entidade como um todo e não como um o quintal de sua casa, eis o clamor dos ministros da CGADB.

Grupo dos Combatentes.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

100 dias de administração a frente da CGADB e o que foi feito?

Cem Dias de José Welington Júnior no Poder, o que Mudou?



Cem dias após a posse do Pastor Welington Júnior à frente da CGADB, o que mudou?
Pouco se sabe acerca dos projetos do novel presidente, o fato é que nada que tenha conotação de importância ocorreu nesse período.

Seria injusto cobrar alguma coisa de uma administração com pouco mais de cem dias de trabalho, todavia, isso não deve servir de desculpas para um administrador que assumiu uma instituição totalmente em dias com seus compromissos e ainda com saldo positivo de saltar os olhos no seu caixa. Ao menos foi esse seu discurso e carro chefe de toda a sua campanha, de que seu antecessor ao final de três décadas à frente da CGADB "fez a instituição andar e crescer assustadoramente em quase todos os setores, principalmente no aspecto tecnológico". Logo, será um tanto difícil um argumento convincente de que haja dificuldades para administrar.

Cem dias são exigidos como uma trégua por qualquer administrador para fazer ajustes ao assumir um cargo público. No entanto, já se passaram tais dias, e o que se vê de fato como iniciativa para inovações da nova gestão, qual o seu olhar para o novo, que direção a CGADB sinaliza tomar?

Nesse sentido, é preciso que o líder venha apresentar seus projetos já em trânsito no seu mandato, a saber:
Quais os valores disponíveis em investimentos para a evangelização do sertão nordestino a nossa janela brasileira? Estes investimentos serão permanentes?*

Como se darão os treinamentos e envios dos missionários, quem se responsabilizará por eles? As convenções estaduais ou ministérios independentes das ADS mantidos pela CGADB?

Sobre o ensino educacional confessional ou secular, o que já está começando a ser feito pela CGADB? Existe já algum projeto em andamento para ser apresentado junto ao MEC ou não há interesse nisso?
Por fim, qual rumo a instituição irá tomar nesta nova gestão, qual o norte a ser seguido?

Estas são apenas algumas das perguntas que devem respondidas pela atual gestão.

GRUPO DOS COMBATENTES.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Como sermos excelentes pais aprendendo com a Globo.

Ontem a Globo e o Fantástico me ensinaram que se eu quero ser um bom pai ou mãe, eu tenho que oferecer "cultura" e "arte" para os meus filhos. Desta forma eu preciso levá-los para tocar num homem nu e também para ver imagens de orgias, zoofilia e bestialidades pois isso é muito moderno, descolado e criativo. A Globo inclusive me mostrou como "belo exemplo a ser seguido" um casal de hips tatuados que adotaram a ideologia de gênero na sua família, que tem dois filhinhos: uma menina masculinizada e um menino afeminado, pois eles nascem como "sacos vazios" e a escolha de sua sexualidade e gênero decorrem de "construções sociais", ou seja, são as relações sociais que no futuro vão definir a sua orientação sexual. A Globo me mostrou pesquisas do IBOPE que revelam que a intolerância mata mais que guerras mundo afora, e que se meu filho quiser ser poliformicamente sexual, eu não posso impedi-lo porque isso vai gerar traumas psicológicos irreparáveis, segundo pesquisa do Instituto Borboleta Livre, ligado ao IBOPE. Eu aprendi que eu não posso interferir nisso. Estou aprendendo a ser um excelente e moderno cidadão e chefe de família. Alias, a igreja e a família, de acordo com a Globo, são
instituições anacrônicas, insuficientes e retrógradas e não podem ditar o que os filhos devem ou não fazer. A Globo me mostrou uma maravilhosa exposição onde eu vi até hóstias com palavrões, um Jesus Cristo na cruz com vibrador na mão e um quadro com o rosto de um negro cheio de esperma expostos no QueerMuseu em Porto Alegre e que foram considerados pelos atores globais e especialistas, como expressão maior da arte moderna. Também achei tremendamente cultural um homem nu ralar uma imagem de Nossa Senhora até não sobrar mais nada, enquanto uma multidão de jornalistas e fotógrafos se aglomeravam para pegar o melhor ângulo. Na outra matéria eu aprendi que os cristãos são intolerantes e que os "artistas" da exposição do "peladão" é que fazem a coisa certa em permitir que uma criança de 5 anos apalpe todo o seu corpo, mesmo que a criança esteja extremamente constrangida, pois era a sua mãe (militante do PT) que estava ali segurando em sua mão enquanto a criança o apalpava. Aliás a Globo ouviu "especialistas" da Conselho Federal de Psicologia, da OAB e dos Direitos humanos que asseguraram "dentro da lei" que isso não é pedofilia e que representa a face mais moderna da arte. Artistas como Caetano Veloso foram ouvidos e garantem que essa é a melhor forma de ser criar uma criança. Aliás, pensando bem, o Brasil todo está errado e só a Globo está coberta de razão. Nossa sociedade realmente é muito preconceituosa, imagine só, como é que esse povo retrógrado, fascista, alienado e fundamentalista vem querer censurar coisas de primeiro mundo? Que bom que temos a Globo para nos ajudar a sermos excelentes e modernos pais. E
ainda tem as novelas diárias para alicerçar bem os princípios como: desrespeito aos mais idosos, ódio a policiais e pastores, pra ensinarem meus filhos sobre a diversidade sexual, dentre outros maravilhosos ensinamentos. Pronto, agora eu tenho tudo pra ter uma ótima família moderna. Meus filhos tem tudo para se tornarem cidadãos tolerantes, modernos e politicamente corretos. Só fiquei na dúvida, porque a Globo na matéria do Fantástico do dia 8, não deixou claro se tenho que levar meus filhinhos pra aprender arte moderna num museu com uma exposição paga pela lei Rouanet ou qualquer prostíbulo de periferia serve? Será que alguém da Globo pode me responder? Pr
Gesiel Oliveira.

A doutrinação marxista da maior emissora do Brasil

O Fantástico exibiu ontem (08) uma matéria falando sobre intolerância àquilo que a emissora chama de "ARTE". Na verdade foi uma matéria para tentar, mais uma vez, meter "goela abaixo" a sua visão distorcida de mundo e tornar aceitável a bestialidade, pedofilia, zoofilia e outras aberrações e doutrinações disfarçadas de "arte" moderna. Usou inclusive comentários de um dito "pastor Henrique Vieira" para apoiar e justificar com "base na Bíblia" suas degeneradas ideologias. Aí eu resolvi fazer uma rápida pesquisa no Google, e veja só o que descobri: Que o esse "pastor" é fã do Jean Willis, "teólogo" e militante e vereador do PSOL na cidade de Niterói. Aí você começa a entender como a coisa funciona, e porque o discurso desse dito "pastor" na verdade é bem mais próximo da doutrinação dos idealistas marxistas como Karl Marx, Lenin, Leon Trótski, Friedrich Engels, Antonio Gramsci, etc. Não se engane, o Comunismo não é uma ideologia na qual se acredita, mas sim uma conspiração criminosa sistêmica na qual se toma parte. O plano da esquerda sempre foi, e sempre será a dominação intelectual, a subversão dos valores, princípios, das mentes, a desconstrução da base da civilização, por isso eles atacam tanto a família. Gramsci, em seu livro "Os Intelectuais e a Organização da Cultura" deduziu que o mundo civilizado havia sido saturado com o Cristianismo por 2000 anos e que o Cristianismo era a filosofia dominante e o sistema moral na Europa e na América do Norte. Ele defende que a ideia de subversão do sistema só será possível quando essa difusão alcançar a base, ou seja, as crianças. De forma prática, a civilização e o Cristianismo encontravam-se inextricavelmente ligados. O Cristianismo tinha-se tornado tão integrado na vida diária de quase todos, incluindo da vida dos não-Cristãos que viviam em terras Cristãs, e era tão universal, que formava quase uma barreira impenetrável para a nova civilização revolucionária que os Marxistas queriam criar. Gramsci assinalou em uma outra obra sua chamada de "Concepção Dialética da História" que, para que o processo tivesse êxito, se faz imperioso acabar com dois obstáculos: OS CRISTÃOS E A FAMÍLIA. Então comece a entender, porque o plano é mais embaixo. Há um plano bem organizado em andamento em nossa geração, para desbarrancamento e solapamento progressivo dos valores cristãos e da família. Essa grande emissora vem dando eco à esse ideal desconstrutivista de forma apelativa, escancarada e persuasiva, tentando aos poucos, dia após dia, massificar os mais absurdas visões de mundo. A barreira da família tradicional já veio abaixo. O próximo passo é implantar a cultura da arte hedonista, a erotização de crianças e flexibilizar o conceito de pedofilia. A cada hediondo passo, a sociedade se torna mais aberta à aceitação das mais absurdas questões. Hoje os museus, em sua maioria absoluta, coordenados por homossexuais esquerdistas, introduzem a "arte" que permite o toque de uma criança em um homem nu. Amanhã virá a descriminalização do tipo penal de pedofilia. Depois de amanhã, a aceitação natural cultural de um homem se relacionar com uma criança. É progressivo, é destrutivo, aos poucos, e quando menos imaginarmos, estaremos em uma sociedade bestial, anarquista, subversiva, imoral e poliformicamente degenerada. A distorção da intelectualidade e deformação principológica que estão em curso neste momento na infância, é a etapa de um processo ideologicamente comunista, para que o conceito tradicional de família e a fé cristã estejam destruídos na seguinte fase. Quem viver verá. Pr Gesiel Oliveira.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

A família tradicional, a danosa ideologia de gênero e as consequências para o futuro dos nossos filhos - Por Pr Gesiel Oliveira

A família tradicional nunca foi tão atacada em sua base
Não sei por que o mundo virou de pernas para o ar tão de repente, especialmente nesses três últimos anos. Essa briga insana pela autoafirmação por essas minorias, seres humanos com a sexualidade aflorada, uma onda resultado de treze anos de esquerdismo extremo inserido na educação por um governo que abriu as comportas para a desvirtuação da família, da moral e do gênero humano, enfim, de um processo de perversão social irreversível e ideológico nunca visto antes. Será tão difícil pra esses ideólogos mórbidos compreenderem que a população, de um modo geral, tem um sentimento de respeito à diversidade, mas que ela não aceita é a doutrinação de ideologia de gênero gayzista nas
Criança viada: "Arte" apresentada na exposição no QueerMuseum no RS
escolas para nossas crianças? Nem Estado, nem escola, nem ninguém pode interferir na sexualidade de nossos filhos. Isso compete às família de acordo com o art. 229 da CF. Não será um marxista degenerado que virá impor suas teorias desconstrutivistas aos nossos filhos. Queria tanto saber o por quê dessa obsessão desses técnicos do MEC em insistir nessa pauta? Mas aí entendo que se a estratégia, como não foi aceita pela sociedade de um modo geral, e foi amplamente rechaçada, restou aos “arquitetos” desse “mundo virado” doutrinar perniciosamente na base da sociedade, lá no início da vida estudantil, as nossas crianças, por meio de livros, inserindo material com alta carga sexista, homoafetiva e doutrinação altamente apelativa. Esses novos termos e conceitos como “Teoria Queer”, “Ideologia de Gênero”, “desconstrução da heteronormatividade”, dentre outros, representam a mais escancarada desnaturação e profusão desse desserviço educacional do gênero humano, desmontando as bases da família, princípios e de toda a organização familiar histórica da humanidade. As crianças de hoje já nem mais entendem nada nesse sentido. A novela do horário nobre tem a função de confundi-la e desvirtuá-las. Lamentos pelos pais que permitem que suas famílias assistam a esse lixo imoral. Há um apelo doentio, uma ideia fixada e forçadamente metida goela abaixo da diversidade sexual, do transgênero, da moça que virou homem, e que agora como homem, “engravidou”, ou como a novela diz: "ele" está "gravido". Na escola os professores já não falam mais em “meninos” e “meninas” e sim em “meninE” para deixar indefinido o gênero. Nas escolas está se popularizando o banheiro NEUTRO, que servirá de acordo com ânimo que cada ser humano sentir de ser a sua sexualidade
QueerMuseum em Porto Alegre: Quadro mostra Zoofilia
naquele momento. Eles dizem que o ser humano apesar de nascer com sexo definido, nasce sem gênero indefinido, e que o gênero é resultado de uma “construção social”. Nunca se exaltou tanta bizarrice como em nossos dias. Às vezes tenho a impressão, a sensação, de uma involução em tudo, de estarmos caminhando para uma atmosfera de uma sociedade da perversão, desregramento moral, comportamental e sexual. É gente achando que é “bicho”, família poligâmica, é museu mostrando e exaltando explicitamente a zoofilia, a pedofilia, o escárnio e zombaria à símbolos sagrados cristãos, com a diferença que agora tudo é jogado na costa da
QueerMuseum: Escárnio a símbolos cristãos sagrados
“ARTE”. Ser ultrapassado é simplesmente querer proteger o que restou desse processo de desconstrução da família, sociedade e sexualidade. Um verdadeira anarquismo social e subversividade dos rudimentos da família! Sou do tempo que se uma criança fosse obrigada a apalpar um homem nu em um local público, isso provocaria no mínimo uns 3 anos de cadeia pro abusador. Mas hoje, a bem do “politicamente correto”, todos os maiores abusos e aberrações são tolerados, tudo corre na conta da conscientização a favor da “diversidade de gênero e da arte”. Quem discorda dessa avalanche ideológica é logo rotulado como fascista, retrógrado, nazista, quadrado, analfabeto, como se os teóricos impositores desse "chorume ideológico" fossem os "intocáveis professores de deus”, “seres sobrenaturais” de opinião dogmática inconteste, que determinam o que é certo ou errado, quem é inteligente ou alienados. Essa cantilena bem pintada e enfeitada com purpurina só
Museu da Arte Moderna/SP: Estímulo à pedofilia. Criança toca homem nu 
engole quem não tem firmeza em sua base principiológicas. A sociedade está cada dia mais doente. Mas os verdadeiros autores que controlam essas marionetes, nunca aparecem. Esses ideólogos gayzista estão por detrás dos livros nas universidades, das novelas do horário nobre, dos livros de história, das propagandas, do mundo virtual, nas casas de leis, nas artes, na música, teatro, enfim, há um sistema muito bem preparado e organizado, e que dia após dia está direcionando nosso mundo para uma realidade de perversão, imoralidade e quebra de tabus, que eu prefiro chamar de “sodomização e subversão da coletividade moderna”. Resta aos pais, as famílias, lutarem, protegeram e resistirem contra essa total falta de lógica no Brasil atual. No tempo do meu avô o sonho era casar com uma esposa que nunca tivesse beijado, no tempo do meu pai era casar com uma virgem, hoje já é vantagem se nenhum vídeo tiver vazado, e pelo jeito, no futuro, no tempo da minha filha, será grande vantagem se puder casar com um homem que nasceu homem. Como diz Arnaldo Jabour, no passado a homossexualidade era tolerada, depois passou a ser consentida, hoje é aceita, e vou me embora antes que se torne obrigatória.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Aplicação da Lei Penal (Artigos 1º a 12 do CPB) Prof Gesiel Oliveira

Vídeo-aula



Áudio da aula 2 do Prof Gesiel Oliveira
Aplicação da lei penal



1- Vigência e Revogação da Lei Penal (Lei Penal no Tempo – Artigo 2º) – A lei penal começa a vigorar na data expressa em seu bojo. Em caso de omissão, ela começa a vigorar quarenta e cinco dias após sua publicação, no País, e em três meses no exterior (Vacância da Lei). A revogação da Lei Penal se opera com a edição de nova lei, e sua revogação pode se efetivar total (ab-rogação) ou parcialmente (derrogação). A lei penal pode ser temporária (com prazo fixado de vigência), ou excepcional (criada para ser aplicada em evento emergencial ou furtivo).


2- Tempo e Lugar do Crime (Artigo 6º)– Segundo a Teoria da Atividade, o crime sempre é cometido no momento da ação ou omissão, com a respectiva aplicação da lei vigente. A lei penal brasileira utiliza dessa teoria, em conjunto com a teoria do resultado (segundo a qual o crime é considerado cometido quando da produção do resultado) e com a teoria da ubiquidade (segundo a qual considera-se o crime cometido, tanto no momento da ação ou omissão, quanto na produção do resultado).

3- Lei Penal no Espaço - Segundo o princípio da territorialidade, a lei penal pátria deve ser aplicada dentro do território nacional, respeitando-se os tratados e convenções estrangeiras, quando existentes. São considerados como parte do território nacional as aeronaves e embarcações públicas, além das aeronaves e embarcações privadas. A Lei Penal Brasileira será sempre aplicada em embarcações e aeronaves estrangeiras que estiverem de passagem pelo território nacional. Já o princípio da extraterritorialidade prevê a aplicação da Lei Penal Brasileira a fatos criminosos praticados no estrangeiro, desde que cometidos contra o representante do governo brasileiro, ou contra as instituições que compõem a União, os Estados e os Municípios. Aplica-se também a Lei Penal Brasileira nos atos praticados por, ou contra, brasileiros no exterior, sem prejuízo das previsões contidas no artigo 7º do CPB.

4-LEI EXCEPCIONAL OU TEMPORÁRIA (art. 3º cp)

Lei excepcional é aquela feita para vigorar em épocas especiais, como guerra, calamidade etc. Ela ocorre por tempo indeterminado. Está vinculada à certa CIRCUNSTÂNCIAS e se estende até o fim delas. É aprovada para vigorar enquanto perdurar o período excepcional.

Lei temporária é aquela feita para vigorar por determinado tempo, estabelecido previamente na própria lei. É determinada.  Assim, a lei traz em seu texto a data de cessação de sua vigência.

Nessas hipóteses, determina o art. 3º do Código Penal que, embora cessadas as circunstâncias que a determinaram (lei ex¬cepcional) ou decorrido o período de sua duração (lei temporá¬ria), aplicam-se elas aos fatos praticados durante sua vigência. São, portanto, leis ultra-ativas, pois regulam atos praticados durante sua vigência, mesmo após sua revogação.

5. TEMPO DO CRIME (art. 4º)

Existem três teorias que definem o tempo do crime;

a) teoria da atividade: considera-se o crime praticado no momento da conduta omissiva ou comissiva

b) T. do resultado: considera-se o crime praticado no momento da produção do resultado

c) T. da ubiqüidade ou mista: considera-se o crime praticado no momento da conduta e no momento do resultado.

Código Penal adotou a teoria da atividade, segundo a qual "considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado" (art. 4º). (Não se confunde tempo do crime com momento consumativo, que, nos termos do art. 14, I, desse Código ocorre quando se reúnem todos os elementos de sua definição legal.)

A importância da definição do tempo do crime tem a ver, por exemplo, com a definição da norma penal a ser aplicada, no reconhecimento ou não da menoridade do réu etc. Assim, suponha-se que uma pessoa com idade de 17 anos, 11 meses e 29 dias efetue disparo contra alguém, que morre apenas uma semana depois. Ora, o homicídio só se consumou com a morte (quando o agente já possuía 18 anos), mas o agente não poderá ser punido criminalmente, pois, nos termos do art. 42, considera-se praticado o delito no momento da ação (quando o agente ainda era menor de idade). No crime de homicídio doloso a pena é aumentada de 1/3, se a vítima for menor de 14 anos. Suponha-se, assim, que o agente efetue um disparo contra uma pessoa de 13 anos, 11 meses e 29 dias, mas esta vem a falecer depois de já haver completado os 14 anos mencionados pela lei. Seria aplicável o aumento, considerando-se que o homicídio só se consumou quando a vítima já tinha 14 anos? A resposta é afirmativa, em razão do que dispõe o art. 42 do Código Penal.

6. LUGAR DO CRIME (art.6º)

Teorias adotadas pelo Direito Penal em diversos países:

a)T. da atividade: lugar do crime é o da ação ou omissão, sendo irrelevante o local da produção do resultado

b) T. do resultado: lugar do crime é aquele em que foi produzido o resultado.

c) T. da ubiquidade ou mista: o lugar do crime é tanto o da conduta quanto o do resultado.

Nos termos do art. 6º do Código Penal "considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado". Foi, portanto, adotada a teoria da ubiquidade, segundo a qual o lugar do crime é tanto o da conduta quanto o do resultado.


O Código de Processo Penal, ao contrário, adotou como regra para fixação da competência a que estabelece ser competente o foro (a comarca) no qual o crime se consumou (art. 70). Esse Código adotou a teoria do resultado.

7. Sumula 711 do STF: (exceção à regra da irretroatividade da lei mais gravosa para os crimes permanentes e continuados).

De acordo com a Súmula 711 do Supremo Tribunal Federal, “A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência”.

Com outras palavras, esse enunciado diz que, se o crime estiver acontecendo e houver sucessão de leis no tempo, ao fato deve ser aplicada a lei correspondente ao momento do último ato de execução, ainda que a ocorrência do delito se prolongue por duração real (crime permanente, como o sequestro – art. 148, CP), por ficção jurídica (crime continuado, a exemplo de furtos assemelhados cometidos diariamente – art. 155, c/c o art. 71, CP) ou porque o crime só se configurou mediante a reiteração de condutas (crime habitual, tal qual o exercício ilegal da medicina – art. 282, CP), embora esta última formulação não tenha sido mencionada pelo STF.

Em qualquer uma dessas três situações incidirá a lei vigente ao tempo do final do fato, mesmo que seja mais gravosa para o autor.

Ao fato criminoso aplica-se, em princípio, a lei do tempo da conduta (teoria da atividade – art. 4. º, CP), regra que igualmente vale para as hipóteses de crime permanente, continuado e habitual, espécies delitivas cujo período existente entre o início e o final da conduta pode ser bastante extenso, seja essa extensão fictícia (crime continuado) ou não (crime permanente ou habitual).

Essa regra é excepcionada quando, depois do fato, advém abolitio criminisou novatio legis in mellius (art. 5.º, XL, CF e art. 2.º, CP – retroatividade da lei penal benéfica). Nestes casos, a lei que extingue o crime ou abranda a situação do autor passa a viger somente após o encerramento dos atos de execução (conduta), confirmando a regra de que o fato criminoso é regido pela lei vigente ao seu tempo. Isto porque se uma nova lei mais favorável ao autor passasse a viger durante os atos de execução seria exatamente esta nova lei que regeria o fato criminoso.

Costuma-se falar que a lei mais grave será a aplicada nos casos de crime permanente, continuado ou habitual. Esta afirmação deve ser compreendida com ressalvas, justamente porque há possibilidade de a lei penal que ingressou posteriormente no mundo jurídico ser mais prejudicial ao investigado/réu do que a correspondente ao momento da sua conduta, cenário em que terá lugar o princípio da irretroatividade da lei penal in pejus.

Com efeito, para a Súmula 711 do STF, analisando-se apenas o momento da ocorrência do fato, este sempre será regido pela lei vigente na ocasião da conduta (último ato executório), ainda que ela seja mais grave do que a lei que vigia no início do ato de execução.


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Fontes e Princípios do Direito Penal - Aula 1 - Prof Gesiel Oliveira

Aula 1 - Prof Gesiel Oliveira
Fontes do Direito Penal
Preparatório TRF-1
21.09.2017

Vídeo aula



Conteúdo


Quando tratamos dos marcos de origem e manifestações do Direito Penal, nos referimos as suas fontes; ou seja, o órgão e a forma de exteriorização são exemplos de fontes do Direito Penal. Podemos citar o caso da União, um órgão que legisla privativamente sobre direito civil, comercial, processual, eleitoral, do trabalho, dentre outros. A existência de leis, costumes, jurisprudências e/ou doutrinas também são exemplos de fontes.

As fontes do Direito Penal se dividem em: Fontes Materiais, Formais, Formais Imediatas e Formais Mediatas.

Fontes Materiais: Quando pensamos em fonte da criação da norma, ou seja, provinda da União, estamos nos referindo à matéria. A exteriorização e produção do Direito são responsabilidade deste ente estatal.

Fontes Formais: O modo e a forma de como o Direito é exteriorizado.
a) Fontes Formais Imediatas: Diz respeito a lei penal, ou seja, a norma; ou seja, as leis penais que existem. Segundo o princípio de legalidade, descrito abaixo, não há crime sem definição da lei anterior, nem pena sem prévio aviso legal.

b) Fontes Formais Mediatas: De maneira geral, quando se trata de princípios gerais do direito e costumes. Quando a lei se omite, abre a possibilidade da aplicação desses princípios gerais do Direito, a jurisprudência, a doutrina e os costumes, que são fontes formais imediatas. A lei autoriza esses princípios.

Princípios Gerais do Direito Penal
Abaixo estão listados os princípios mais importantes do Direito Penal, como anterioridade da norma, devido processo legal, inocência, retroatividade de lei mais benéfica, direito à defesa, dentre outros.

Anterioridade da Norma ou Princípio da Legalidade
Dentro desse princípio, há a exigência de uma lei anterior que defina a prática de um ato reprovável como crime. Caso o ato não seja caracterizado crime, então o praticante não será condenado. “Não existe crime, ou pena, sem lei prévia que o defina.”

Devido Processo Legal
Não há possibilidade do juiz condenar um acusado qualquer, de maneira arbitrária, sendo que quem praticou o crime tem o direito de ter um julgamento justo. Os tribunais de exceção, no caso, estão proibidos. Eles são característicos daqueles em que o acusado já tem conhecimento prévio da condenação, mesmo antes do veredicto. Logo, o julgamento passa a ser definido como farsa que justifica a pena, embora aparente um caráter justo e isento.

Princípio da Inocência
Presumidamente, todo cidadão é inocente, salvo quando se prova o contrário. Logo, quem precisa provar a culpa do acusado é o Estado, e não ele provar sua inocência. “Para o direito penal, na dúvida, é melhor que um culpado seja solto, do que um inocente punido.

Retroatividade da Lei mais Benéfica
“Quando o fato não é mais considerado crime pela nova lei, ocorre o fenômeno da abolitio criminis.” O acusado pode ser beneficiado caso a sua pena seja diminuída, ou o crime ser descriminalizado (ou seja, deixarem de ser crimes, como foi o caso do adultério e da sedução), após a condenação. Entretanto, em caso contrário, se a lei se tornar mais severa, não será aplicada ao réu.
Direito à Defesa

“Se a pessoa não tiver recurso para contratar um defensor, o Estado proporcionará a defesa.” Independentemente do crime praticado e das suas circunstâncias, qualquer acusado tem direito à defesa.

Princípio da Legalidade
Limita o poder punitivo do Estado, não havendo crime, caso não haja lei que defina a infração penal e lhe imponha uma pena. A lei penal é fundamentada formalmente pela previsão da infração penal, e é dela que se retira a fonte exclusiva da aplicação da pena.

Princípio da Intervenção Mínima
Sua principal função é orientar e limitar o poder incriminador do Estado. Considera um ato como crime, somente se constituir proteção a determinado bem jurídico. Se recorre ao Direito Penal, apenas quando os meios de controle estatal e jurídicos foram insuficientes.

Princípio da Fragmentariedade
Estabelece que nem toda ameaça de lesão ou lesão são proibidos de acordo com a lei penal, como da mesma forma, nem tudo tem sua proteção. O Código Penal se limita aos fatos mais graves e que sugerem maior importância, tendo caráter seletivo de ilicitude.
Princípio da Culpabilidade
Habilidade de tornar alguém incapaz de praticar infração penal, possibilitando a aplicação de uma pena com limites de individualização. Ou seja, àquele autor de um fato considerado antijurídico, não pode ser responsabilizado pelo seu resultado, caso não tenha agido com culpa ou dolo.

Princípio da Humanidade
O poder punitivo estatal é vedado por esse princípio, que proibe a aplicação de penas crueis como a capital e a prisão perpétua, pois são sanções que atingem a dignidade da pessoa humana. Prioriza-se a ressocialização do condenado através da execução penal, e não a sua degradação.

Princípio da Dignidade da Pessoa Humana
Previsto na Constituição Federal de 1988, esse princípio defende a dignidade do homem, protegendo-o das ações indevidas e arbitrárias do Estado. A razão deve prevalecer acima da emoção, no momento de se julgar a criminalidade do pior dos deliquentes, jamais intervindo como instrumento repugnante ou vexatório.

Princípio da Insignificância
Também conhecido como bagatela, o princípio da insignificância analisa a proporção entre a gravidade da conduta do criminoso, e a necessidade da intervenção estatal sobre isso.

Princípio da Adequação Social
Condutas socialmente permitidas, adequadas ou até mesmo toleradas não devem ser tipificadas pela lei penal, mas somente aquelas condutas de relevância social. O princípio seleciona os comportamentos, além de determinar valores aos mesmos.

Princípio do in dúbio pro reo
Na dúvida sobre a acusação da prática de uma infração penal, o acusado, em seu julgamento final, deverá ser absorvido. Quando não houver provas suficientes, havendo dúvidas, acata-se a interpretação mais favorável ao réu.

Princípio da Igualdade
Princípio que rege a aplicação da lei penal de maneira igualitária a todos os cidadãos. Prioriza-se a igualdade material acima da formal, buscando a não discriminação e proibido diferenças de tratamento, como está prescrito na Constituição Federal de 1988.

Princípio da Exclusiva Proteção dos Bens Jurídicos
Também conhecido como da ofensividade ou da lesividade, ocorre quando há lesão ou ameaça ao bem jurídico protegido por lei. Esse bem jurídico poder ser a vida, integridade física, propriedade, etc.

Princípio da Efetividade
De acordo com esse princípio, o Direito Penal, quando na sua intervenção, deve sempre ser eficaz e agindo de maneira preventiva e, quanto necessário, repreensiva.

Princípio da Proporcionalidade
Destina-se ao legislador, quando for criar uma norma com base na previsão de um fato abstrato, que leve em consideração a constituição de uma pena proporcional a prática antijurídica. Num segundo momento, quando se tratar de fatos concretos, o Estado-juiz, aplicador da lei penal, deve ter em mente aplicar pena proporcional, dentro dos critérios objetivos e subjetivos, ao injusto praticado.

Princípio do ne bis in idem
Para a prática de uma única infração penal, deverá haver somente uma punição criminal, impossibilitando a existência de duas ou mais punições.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Construção da Igreja Assembleia de Deus Zona Norte no Rio Jaburu

A COMADEZON está construindo mais uma igreja no meio da floresta Amazônica. Fica no Rio Jaburu, Município de Breves-PA. Não existia nenhuma igreja nessa comunidade. Nosso pastor Enaldo Caldas está com esse grande desafio. O Pr Gesiel Oliveira e o Pr Ivan Souza estarão fazendo uma visita no dia 07.10 (sábado) a esse campo missionário que fica a cerca de 14 horas de barco a partir de Santana. Essa igreja começou a ser construída pelo Pr Valdir e agora o Pr Enaldo Caldas está com o desafio de concluir. Vamos apoiar esse projeto missionário



sábado, 2 de setembro de 2017

Após eleição conturbada na CGADB, começam a chegar nas convenções estaduais as carteiras de pastores mortos.

Começam a chegar nas convenções estaduais as carteiras de pastores mortos, após uma eleição muito conturbada e judicializada que ainda não terminou, pois ainda há quase duas dezenas de ações correndo na vara de Madureira no RJ (juízo prevento) contestando várias irregularidades e arbitrariedades do processo eleitoral que levou a votação do dia 09/04/2017. O atual presidente da entidade tomou posse provisoriamente até que o mérito da ação seja julgada no curso do processo, que ainda pode gerar várias reviravoltas. Antes mesmo da eleição, vários blogs informavam que diversos pastores falecidos há anos estavam aptos para votarem. Muitos blogs e sites de todo Brasil mostraram "prints" do site oficial da CGADB em que apareciam nomes de pastores, alguns falecidos há mais de 10 anos, e que estavam aptos para votarem. Todos ligados a convenções que apoiam o atual presidente. Ontem mais uma prova se junta a essa intrincada eleição que está imerso esse processo eleitoral duvidoso. Duas carteiras chegaram a Assembleia de Deus da Igreja em Indaiatuba em São Paulo. Tudo normal, não fosse o fato dos pastores já estarem falecidos há mais de 12 anos. Trata-se das carteiras do Pr José início da Silva (falecido em 2005) e do Evangeliata João Lemes de Jesus (falecido em 2006), ambos ligados à CONFRADESPE, convenção que mais inscreveu no Brasil para a última eleição, mais de 9,4 mil inscritos, em uma votação em que se inscreveram em todo Brasil cerca de 23 mil ministros. Lembrando que a CONFRADESP atualmente é presidida pela família Bezerra. Um detalhe que chama a atenção são as fotos desatualizadas, muito antiga, uma delas em preto e branco, e o fato desses dois nomes estarem na lista de aptos a votarem, conforme diversos sites já informaram. Agora cabe a CGADB dar alguma informação para explicar o motivo desse fato. É não adianta tentar argumentar que as convenções não atualizam o banco de dados porque a referido igreja Paulista informou que já comunicou o fato a CGADB há muitos anos, logo após a morte dos mesmos. Alguns advogados já informaram que irão pedir explicações administrativamente, e em caso de negativa ou indiferença, a justiça deverá ser acionada. A prova é incontestável e grave, e manifesta que a situação está longe de se estabilizar. A bem da verdade, desde que houve a troca de cadeiras entre pai e filho na CGADB e CPAD, nada das inúmeras promessas de campanhas foram postas em prática até o presente momento. Amanhã se completarão 02 (dois) meses desde a posse do atual presidente provisório, e até agora nenhuma, das várias propostas, foram implementadas. Aliás, nem sequer foram iniciadas as tratativas para andamento dos projetos. Pelo visto, após três décadas de uma administração muito criticada do chefe do clã, que pouco ou quase nada fez, chegou a hora do filho dar continuidade a essa visão. Vamos acompanhar o caso



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Como vencer a depressão?


Uma pessoa leva uma boa vida, tem uma excelente família, um bom emprego, carro, casa confortável, faz viagens com regularidade com sua família, sempre com um sorriso no rosto, pessoa de bem, nas redes sociais aparece sem feliz com sua família, mas de repente ela tira a sua própria vida. A ficha demora a cair, a família fica sem chão, amigos atônitos, e todo mundo se pergunta: por quê? Hoje quero meditar com você um pouco mais a respeito de uma das principais causas de boa parte de situações semelhantes a essa. A maioria das pessoas só toma conta da gravidade da situação quando vê os seus terríveis efeitos na prática, quando as chances de se reverter o quadro do problema são quase impossíveis. Estou me referindo ao “mal do século”, a DEPRESSÃO. Doença lenta, progressiva e que mata. Um mal que não escolhe idade nem nível social ou religião. No campo físico-material a depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história, mas que, no estilo de vida na sociedade moderna, alcançou níveis alarmantes. No sentido patológico, entre os sintomas mais comuns, há presença de tristeza constante, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. A questão é que nem sempre isso fica muito perceptível, especialmente em uma sociedade cada vez mais de aparências. Famílias sorriem para inúmeras selfies nas redes sociais, mas o que a foto com filtro não mostra é o estado da alma. 


                    Mas é difícil estabelecer todas as motivações que levam a esse mal, que podem ir desde problemas de relacionamentos até questões financeiras. É preciso um olhar atento e redobrado para identificar os cinco principais sintomas: Desesperança, Desespero, Desamparo, Desinvestimento e Desinteresse. Estar atento aos primeiros sinais desses sintomas ajuda a evitar graves problemas. A depressão tem sido apontada por especialista como a principal causa dos suicídios em todo mundo.
No Brasil, 4,9 pessoas a cada 100 mil morrem por suicídio. É uma das maiores médias do mundo, que regista médias de 2,9. E no Amapá, os índices são ainda maiores (9 para cada 100 mil), sendo Macapá uma das capitais com maior taxa de suicídios do Brasil. A maioria entre 15 e 25 anos de idade no Amapá. O Amapá é proporcionalmente um dos Estados brasileiros onde mais pessoas se suicidam. Os números são alarmantes, e a questão não vem sendo enfrentada adequadamente pelo poder público por meio de políticas de conscientização e prevenção, que assiste inerte a uma bola de neve crescente de suicídios em um Estado tão pequeno. Os números são do Blog do Jornalista João Bolero Neto, e informam que até o dia 18.08.2017 ocorreram 35 suicídios em todo Estado. 22 em Macapá, 5 em Santana, 2 em Mazagão, 1 em São Joaquim do Pacuí, 1 no Bailique, 1 em Porto Grande, 1 na BR-156, 1 na Perimetral Norte (Porto Grande), 1 em Tartarugalzinho. Forma: 28 por enforcamento, 2 por arma de fogo e 2 por envenenamento. 29 do sexo masculino e 6 do sexo feminino. No mesmo período do ano passado, foram 19 casos até esta mesma data, sendo 14 só em Macapá. Um detalhe que chama a atenção é o fato da esmagadora maioria dos suicídios serem realizados por homens (83%) e por meio de enforcamentos (81%). A depressão é a principal causa desse fenômeno sociológico no Amapá. Boa parte das questões relacionadas à depressão estão ligadas ao passado das pessoas. São traumas, medos, frustrações, etc. 

                   Não é fácil mudar esse quadro, mas não é impossível. Solte as âncoras do navio da tua vida que te prendem às pedras do passado. Navegue rumo a novos mares e desafios. Saia da cama da depressão e vá viver a vida lá fora. Na verdade o melhor remédio para depressão é não viver sob pressão. É viver uma vida sem excessos. Fuja da solidão. Se você não desviar o seu foco dela, logo, logo, vai entrar pela porta da frente de sua vida a companheira inseparável dela: a depressão. Há pessoas que pensam que o tempo cura tudo. Isso é mais um erro, pois o tempo não cura nada, aliás o tempo não cura as feridas da alma, apenas desvia os problemas e maus momentos do foco imediato das nossas atenções. É importante estarmos em uma luta diária para redescobrirmos o brilho e o sentido da vida, dia após dia. O que mata é a rotina, que aliada à outros fatores como a solidão, frustrações e medos, criam o solo fértil para a semente da depressão cair e crescer. Tudo o que
fica repetitivo fica chato, tudo o que se repete constantemente se torna enfadonho e isso contribui, e pode evoluir para um quadro depressivo. Então mude, refaça, reconstrua, repense e recomece Não espere que só o tempo se encarregue de mudar a rota de sua vida. Muitos não avançam porque vivem esperando o futuro pra serem felizes, sem mudar a rota do presente, ancorados em medos, frustrações e amarguras do passado. Solte as âncoras do navio da tua vida que te prendem às pedras do passado. Navegue rumo a novos mares e desafios. O recomeço, o reerguer a cabeça, o prosseguir, o raiar de um novo dia, é que devem guiar nossos caminhos a partir de agora. A vida segue daqui pra frente, e sem olhar para trás, prossiga! O que importa não é a quantidade de tempo que já vivemos, e sim o quanto já o aproveitamos ao lado de quem amamos e respeitamos. Não importa o simples existir, e sim o viver. 

                   A vida é fugaz e nossa caminhada nos ensina que o tempo é precioso demais para ser desperdiçado só com dinheiro e trabalho. Dia após dia as pessoas estão enchendo seus bolsos e esvaziando suas almas. Enchendo todo o seu tempo de compromissos e se esvaziando nos seus relacionamentos. A vida aos poucos vai perdendo o sentido. É importante buscar alternativas, novas portas, novo desafios, não temer o que já passou, mas respeitar o que ainda tem e o que há de vir. A vida é impulsionada pelos desafios, sonhos, mudanças e criatividades. Certa vez alguém perguntou a Galileu Galilei: Quantos anos tens? ao que ele respondeu: Oito ou dez (em evidente contradição com sua longeva barba branca), ao que logo explicou: “Tenho, na verdade, os anos que ainda me restam de vida, porque os já vividos não os tenho mais”. Da mesma forma, devemos valorizar o tempo que ainda nos resta. Brincar, correr, não trocar um compromisso em família por um compromisso, priorizar o que deve ser priorizado. A correria do dia a dia nos cega para a beleza da vida que está em tantos pequenos detalhes em nossa volta. Quem sofre de depressão, para sair desse quadro, precisa ter um elemento que a depressão vai matando rapidamente: a iniciativa. Portanto, se ainda é possível, aja! Essa é a hora! Busque apoio o quanto antes. Não tenha vergonha de pedir ajuda. Dê um novo sentido a sua vida. Que essa nova dinâmica sempre permita momentos de descontração, de motivação, sonhos de quebra de rotina, de novos laços de amizade e novas perspectivas. O que não dá é pra ficar parado aí vendo o tempo passar. Vou te apresentar uma lista de 15 atitudes que vão mudar a sua vida, caso você esteja enfrentando esse problema: 
1) Busque a Deus, sem ele tudo se torna mais difícil;
2) Faça algo que sempre te deu prazer;
3) Fazer uma lista de prioridades em sua vida;
4) Olhe-se no espelho e diga que você é especial e importante;
5) Levante-se e caminhe, mas não olhe para o chão;
6) Coma alimentos ricos em triptofano e suplementos de ômega 3,
7) Beije pessoas que são importantes para você, abrace, diga que os ama;
8) Pratique atividade física regulamente;
9) Pense em coisas positivas e delete de sua mente coisas ruins;
10) Evite lugares, pessoas e circunstância que lhe enfraqueçam nessa jornada
11) Veja fotos suas em momentos felizes;
12) Cante músicas alegres e que tragam esperança;
13) Evite ficar sozinho e faça passeios;
14) Não durma mais de 8 horas por noite e não tire cochilos durante o dia;
15) Busque alargar seu círculo de amizades;

Tenha consciência de que ficar triste não vai resolver seus
problemas.Vamos permitir que nossos corações sejam inundados pelo amor, compaixão, paz, carinho e esperança, sem esquecer que um coração sem Jesus continuará vazio. Busque a Deus! Lembre-se de Jonas 2.2: "Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre da sepultura gritei, e Ele ouviu a minha voz". Lembre-se sempre: sozinho você não conseguirá sair desse buraco. 

Olhe e prossiga olhando para o Alvo

Não adianta querer mudar a natureza dos outros, nem tentar explicar nossas razões a quem não está disposto a aceitar suas justificativas. Faça o bem independentemente das críticas. Muitos se chegam escondendo o interesse, mas logo, logo, vem a tona o verdadeira objetivo de tudo. A amizade, respeito e confiança só duram até a extensão do que eles pretendem alcançar, o resto é ingratidão. Não espere sempre gratidão de quem você deu a mão, tenha sabedoria para entender que o reconhecimento é mais raro que a ingratidão. Quem costuma fazer o bem deve estar disposto a encarar a indiferença, demérito, ausência de atenção, falta de reconhecimento e o desprezo, sem perder a sua boa natureza. Regra geral, é que quanto mais você se importa, menos será valorizado, pois a prioridade é sempre inversamente proporcional à proximidade que temos em relação aos outros, ou seja, quando mais próximo, menos gratidão. Não é um regra absoluta, graça a Deus, mas a quantidade e frequência acabam por nos desgastarem paulatinamente, e inevitavelmente somos afetados, mesmo que tentemos ignorar. Mas não mude suas atitudes, fale, mesmo sabendo que eles falam mal de você. Sorria, mesmo que eles tentem esconder de você as trevas que encobrem seus corações. Continue seguindo, mesmo que eles tentem ignorar seus feitos. Seu esforço e trabalho são para Deus. As pedradas doem, mas não nos matam; sagram, mas curam, e por fim, deixam cicatrizes que carregam consigo histórias de determinação, fé e garra. Nossas atitudes não devem ser pautadas nas atitudes alheias que julgamos serem inconvenientes, mas sim na nossa boa natureza.Não permita que a sua boa natureza seja mudada pelo que já passou e não pode ser alterado, mas permita que suas boas atitudes possam mudar e influenciar outras pessoas a partir de agora. O que tiver de fazer, faça pra Deus, sem olhar as dificuldades, desconfianças, falta de reconhecimento ou indiferença. Deus está vendo! Ele não dormita, e como um professor durante a prova Ele fica em silêncio, mas te observando, te avaliando, e no momento certo Ele vai agir. Ninguém pode derrubar o que Deus levantou, nem fechar o que Ele abriu, nem apagar o que Ele escreveu. Maior é o que está ao teu lado que os que estão escondidos te atacando. Mesmo que teu brilho esteja encoberto por detrás de uma nuvem de opositores, marche adiante, chorando e marchando, olhando somente pro Alvo que é Jesus, que vai dissipando toda treva e revelando a Sua luz ao longo do teu caminho.Há batalhas que só se vencem com silêncio, oração e paciência, e Deus, ao seu tempo, revelará o que tem guardado pra você. Gesiel Oliveira

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Ser pai (Por Gesiel Oliveira)

As criancinhas o chamam de “meu super-herói”, os filhos adolescentes o chamam de “quadrado”, os filhos casados o chamam de “minha referência”, a esposa o chama de “meu amor”, a lei o chama de “ascendente de 1º grau em linha reta”, a família o chama de “provedor”. Seja lá qual for o adjetivo dado, hoje é o dia dele, hoje é o Dia dos Pais. Ser pai é muito mais que uma mera relação biológica, é bem mais que isso, é um vínculo afetivo, emocional, espiritual, de alma, de coração, um vínculo eterno. O filho o observa a cada passo, a cada atitude, a cada escolha, e é exatamente por isso que eles exercem tão grande influência na formação comportamental, psicológica e afetiva de seus filhos. Ser pai não é ser poeta que ensina com letras, ser pai é ensinar com atitudes, pois aquilo que você faz fala mais alto que o que você diz. Pai é aquele que sabe distinguir as prioridades de sua vida. Sabe dar mais valor a cada pequeno detalhe, mesmo que para isso os grandes compromissos sejam postergados. Ser pai é rir sem motivação, simplesmente por estar suado em uma brincadeira sadia ao lado de seu filhinho(a). Ser pai é compreender que nossos filhos nunca envelhecem, que eles sempre serão nossas eternas criancinhas. Ser pai é estar pronto a ajudar, apoiar, amar e ser amado. Ser pai é uma dádiva, é poder ver estampada a alegria nos rostos dos filhos quando se chega em casa depois de um dia de muito trabalho. É ver na alegria e no sorriso dos deus filhos o sentido do trabalho, da vida e dedicação. Ser pai é ver os olhinhos dos seus filhos encherem de lágrimas, é sentir a lágrima quente encontrar no seu rosto dos seus filhos ao lhe abraçarem após o retorno de uma viagem. É ensinar seus filhos a andar de bicicleta, a enfrentar a vida mostrando que após cada queda vem uma nova tentativa. Ser pai é colocar um “band aid” no joelho do seu filho(a) escutando a bronca da esposa e um misto de alegria e choro do seu filho(a) pela emoção de ter tentado. Ser pai é saber ouvir e falar no momento certo, saber enxugar a lágrima dos altos e baixos sentimentais e afetivos dos seus filhos adolescentes e jovens, com uma palavra que transmita perseverança. Ser pai é sentir a emoção do casamento de seus filhos, estar presente ao longo da gestação e nascimento dos filhos dos seus filhos e voltar a sentir uma forte emoção, só que desta veze como avô. Ser pai é se sujar ao correr debaixo da chuva ao lado dos seus filhinhos mesmo sem se preocupar com o resfriado depois. É ser o esteio da casa, é ter a firmeza e sensibilidade no momento certo, é ser o provedor e a esperança, é ser o “super-homem” por fora e ao mesmo tempo ter um coração sensível, cheio de compaixão e amor. Ser pai é compreender que os bons momentos da vida não são aqueles que enchem os nossos bolsos, mas sim aqueles que enchem nossos corações de alegria, com coisas simples, mas indeléveis ao lado dos nossos filhos. E ao final de tudo, depois que formos embora, só restarão o que plantamos nos corações de nossos filhos: as sementes da esperança, do amor e dedicação. Somente as boas lembranças é que permanecem, e elas são como o vento que nos toca mas não podemos vê-lo, e nem por isso deixamos de sentir a sua força. Feliz dia dos pais, a todos aqueles que estão ao nosso lado, e àqueles que mesmo não estando mais neste plano, permanecem vivos eternamente em nossos corações.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

AQUELE A QUEM DEUS ABENÇOA É RESPEITADO EM TODA A PARTE, EXCETO PELOS DE PERTO. (Por Gesiel Oliveira)

E Jesus lhes dizia: Não há profeta sem honra senão na sua pátria, entre os seus parentes, e na sua casa. E não podia fazer ali obras maravilhosas; somente curou alguns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos. (Marcos: 6:4-5 ) Diz a Palavra de Deus que Jesus chegou a sua terra natal, juntamente com o seus discípulos, num sábado e começou a ensinar na sinagoga e o povo estava admirado com a Sua sabedoria, se perguntando de onde vinham aqueles ensinamentos, quem poderia deter tamanho conhecimento e quem poderia fazer tantos milagres. De repente, essa mesma gente o reconheceu e começou a indagar se não era Ele o filho do carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas, de Simão, além do fato de se encontrarem naquele lugar as suas irmãs e, por conta disso, ficaram desiludidos com Ele. Então Jesus disse: “Um profeta é respeitado em toda a parte, exceto na sua terra, entre os seus parentes e na sua própria casa”. Gostaríamos de chamar a atenção para o fato de que povo estava maravilhado com Jesus, com Sua sabedoria, com Seu conhecimento e com o Seu poder, entretanto, a partir do momento que aquelas pessoas viram que se tratava de uma pessoa que eles conheciam, parece que tudo aquilo que os estavam deixando maravilhados deixou de existir, caiu por terra e, por conta disso, ficaram decepcionados. Infelizmente é assim mesmo que acontece, temos uma enorme dificuldade de valorizar as pessoas a quem conhecemos, ou que convivem conosco, ou que estão do nosso lado e, em contrapartida, temos grande facilidade de conceder honra a quem não conhecemos, a quem não vive o dia a dia conosco ou a uma pessoa estranha. É assim tratamos com excelência e total atenção aos de fora, e os de perto tratamos com indiferença, desprezo ou menoscabo. Essa atitude foi repudida por Jesus Cristo, que sequer pode realizar grandes milagres naquele lugar por conta desse tratamento de incredulidade do seu povo. Diz as Escrituras que aquela gente deixou de vivenciar os grandes milagres que poderiam ser feitos naquele lugar, pois aquele comportamento por parte deles impediu que eles acontecessem e somente alguns poucos enfermos foram curados. A grande verdade é que aquelas pessoas eram preconceituosas e não conseguiam ver quem era Jesus, somente enxergavam o carpinteiro e sentiam-se ofendidas com o fato de as outras pessoas O seguirem, apesar de num primeiro momento terem ficado impactadas com as Suas palavras. O preconceito e a inveja falaram mais alto. Jesus poderia ter feito uma quantidade de milagres muito maior naquele lugar, mas tomou a decisão de não fazê-los em virtude da incredulidade daquelas pessoas, que não conseguiram separar o carpinteiro do enviado por Deus e, por conta disso, Jesus partiu para outro lugar à procura de pessoas que tivessem um comportamento diferente e se rendessem às evidências dos milagres que eram operados por Ele. Esta passagem tem um grande ensinamento para todos nós, que, muitas vezes, temos pessoas ao nosso lado pessoas que poderiam mudar as nossas vidas, com um conselho, uma palavra, uma admoestação ou ensinamento, mas, infelizmente, a grande maioria de nós age como aquela gente não conseguindo crer nessa possibilidade e, no final, os únicos perdedores somos nós que deixamos passar essas oportunidades, como aquele povo que deixou de presenciar muitos milagres que poderiam ter acontecido. Isso também aconteceu na vida de José entre seus irmãos, isso também aconteceu com Davi quando ele chegou no campo de batalha e seu irmão mais velho o menosprezou quando ele aceitou o desafio do Gigante Golias mandando voltar e cuidar das ovelhas de seu pai. Isso continua acontecendo em nossos dias. Mas quando Deus resolve abençoar, nada pode impedir, e só quem perde são os que se afastam por menosprezar ou invejar aquele a quem Deus abençoou.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Construa pontes, não muros! (Por Gesiel Oliveira)

É pequeno quem odeia todas as rosas porque uma a espetou. Desistir de todos os sonhos porque um deles não se realizou, é pequeno quem perde a fé em todas as orações porque em uma não foi atendida, quem desiste de todos os esforços porque um deles fracassou. É pequeno quem condena todas as amizades porque uma o traiu. Descrer de todo amor porque um deles foi infiel. Jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Escrever em redes sociais tudo o que quer sem prever as consequências. O inconsequente age de forma açodada no impulso do instinto pensando só no agora, mas o prudente age pensando no antes, no agora e no depois. Pensar antes de agir é sempre mais proveitoso que agir pra depois pensar. Cultive boas atitudes. É tão lamentável ser lembrado por nossos impulsos no ardor do momento. Construir um caráter digno é mais trabalhoso que destruí-lo na velocidade da atitude impensada. Querer mudar de igreja só porque uma pessoa falou de você, é ser pequeno. É pequeno quem esmorece diante de uma grande obra só porque alguém murmurou. É pequeno quem só admira a grama do vizinho e não trata da sua. O mesmo sol que amolece a cera é o mesmo que endurece o barro. Ou seja, use o calor das situações adversas da vida para fortalecer a sua fé e não para esmorecer diante das murmurações. É pequeno quem exige excessivamente do outro sem nada fazer. Quem exige perfeição no outro, esquecendo-se que está cheio de imperfeições. Normalmente quem mais costuma reclamar é quem menos se dispõem a ajudar. Lembre-se sempre que a gratidão é mais rara que a ingratidão, e que o reconhecimento e valorização normalmente revelam a grandeza e riqueza de alguns poucos corações iluminados e esvaziados de empáfia e murmuração emulativa. Espero que na nossa caminhada estejamos longes de assim agir. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força, uma nova oportunidade. Faça sem esperar, viva SEM MURMURAR, porque isso não resolve, não edifica, isso só constrói muros ao invés de pontes, e por fim revela um vazio de frustrações e infortúnios que contagiam quem está em nossa volta. Para todo fim, há sempre um recomeço. Para toda problema há sempre uma solução e o caminho não é a murmuração. Pr Gesiel Oliveira

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Apostila em PDF de História de Geografia do Amapá para o concurso da PM e PC do Amapá. WhatsApp (96)991300750

E-book completo de História e Geografia do Amapá. Tá saindo do forno agora. Atualizei a apostila até julho de 2017 e agora tá completa. Incluindo todo o conteúdo programático para o concurso da PM e da PC, e mais 60 questões de concursos anteriores com gabarito e comentadas. Interessados chamar pelo WhatsApp (96)991300750. Investimento: R$30

Banco do Brasil 
Ag:2825-8 
Cc: 147409-X 
Gesiel de Souza Oliveira











segunda-feira, 17 de julho de 2017

A loteria da morte

Não reconheço mais a cidade em que nasci. Começo minha nota de repúdio fazendo essa pergunta: Que lugar é esse? No que se tornou a nossa cidade? Não há mais como suportar um clima de total insegurança que impera em nossa cidade. Cidadãos trancados e bandidos soltos. Quem se atreve a passear pelas ruas escuras vai de encontro à morte. As drogas, marginalidade, insensibilidade, indiferença insignificância pela vida humana não ter mais sentido. Drogados andam como “zumbis” pelas ruas da cidade procurando a quem assaltar. É um jogo que quem decide quem vai viver ou morrer são os marginais. Nossa legislação é fraca, frouxa, complacente para com o bandido, herança maldita de uma mentalidade de esquerda socialista que beneficia ao extremo a bandidagem. Isso cria um clima de impunidade, o bandido tem a certeza que vai voltar às ruas logo, logo. Quem acaba ficando preso aos traumas e pavor da vingança é o cidadão de bem. Isso quando tem a feliz oportunidade de ter uma segunda chance. Não foi o que aconteceu ao publicitário Andrey Smith na noite de ontem quando voltava pra sua casa em uma bicicleta com seus amigos. Pessoa de bem, trabalhadora, publicitário, dançarino, vivia a vida no esplendor da sua juventude, filho único. Quantos sonhos, ideais, projetos de vida a serem realizados, de um jovem de 28 anos que terminaram na repugnante maldade e insensibilidade de um ser asqueroso, representante da pior escória da sociedade macapaense. Às 19:20h quando Andrey sorria e brincava enquanto pedalava com seus amigos, mal sabia ele que o bandido o vinha seguindo, e já havia dado a sua sentença de morte. Esse é um daqueles momentos em que a gente quer gritar, se revolta, vai para as redes sociais pedir socorro, mas a situação caminha de mal a pior, em um clima de total insegurança, e nada muda. Meu repúdio aqui é contra a insegurança. Meu clamor aqui é pela PAZ. Por que isso está se tornando tão corriqueiro? Vivemos em uma verdadeira guerra urbana. Os números são de guerra. Nunca se matou tanto, nunca a maldade imperou e sensação de impunidade foi tão forte. Sou pai de três filhos, um deles está entrando na adolescência. Aquela idade em que a gente acaba não conseguindo mais impedir eles de saírem, de se exporem a riscos desnecessários. E as coisas ruins só acontecem nessas horas, quando a gente menos espera. Isso me tira a paz. Como pai não consigo dimensionar a dor dessa família, por uma perda tão repentina, tão brutal e violenta. Uma história e um futuro promissor, reduzidos às mãos e à decisão de um bandido, a respeito de quem vive e de quem morrem. Às vezes tenho a impressão que nossa cidade se tornou uma terra sem lei, um bolsão de violência desregrada, um campo de batalha diário na incerteza do que irá nos acontecer amanhã. Não temos mais onde nos escondermos. Saímos de casa para trabalhar ou estudar sem a certeza de que vamos retornar com vida. Cada dia é uma vitória, cada dia é um agradecimento à Deus pela vida, pois o crime espreita em todos os lugares. É uma loteria da morte. Não estamos seguros nem mesmo dentro de nossas casas. Vivemos em um sistema de retro-alimentação viciada, incurável e irretroativo. É um ciclo incurável, incapaz de mudar esse triste, insólito e decadente quadro social. Não vou culpar o desemprego, nem dizer que isso é resultado de descaso ou mazelas sociais, porque todo ser humano sempre tem duas portas abertas em sua frente. Escolher entrar pela porta da criminalidade não é resultado de forças sociais, e sim do nosso livre arbítrio em escolher seguir esse caminho. Nem com isso afirmo que não há responsabilidade pública na malograda tentativa de escamotear a inoperância de um "marasmo" administrativo. Dizer que nossa terra não tem jeito surge até como compreensível para um povo sem força até para sonhar com a mudança. O caos está instalado. Cada cidadão que se defenda por sua própria conta, evitando lugares, horários e situações. Não adianta colocar grades em suas residências, cercas elétricas, alarmes, se o crime espreita ali na esquina. É pedir proteção de Deus e sair contando com essa proteção, a única que contamos. Minha esperança está cambaleante, mas ainda não morreu. Ainda creio que é possível vivermos em uma sociedade mais racional e menos selvagem, não nesta geração, mas investindo em conscientização em nossas crianças. O presente está praticamente perdido, resta-nos investirmos no futuro, nas nossas crianças. Estou falando de princípios que regerão toda a vida dos futuros cidadãos. A leitura da Bíblia é desestimulada nas escolas e estimulada nos presídios, se fosse o contrário, teríamos mais cidadãos e menos presidiários.