segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Macapá é a 6ª cidade mais violenta do Brasil e 45ª do mundo, em um ranking que o RJ nem aparece.

Os dados são alarmantes e são foram divulgados por uma ONG mexicana e apresentadas no Fórum Brasileiro de Segurança Pública no seu 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, uma compilação com as principais estatísticas criminais. 

No mundo:
Pelo sexto ano consecutivo o Brasil lidera o ranking do número de cidades mais violentas do mundo com 19 delas, duas a menos que o ano passado. Há 8 cidades no México, 7 na Venezuela, 4 nos Estados Unidos, 4 também na Colômbia, 3 na África do Sul e 2 em Honduras. Caracas, a capital venezuelana, registrou 130,35 assassinatos por cada 100.000 habitantes em 2016 e foi a cidade mais violenta do mundo, seguida do balneário mexicano de Acapulco e a hondurenha San Pedro Sula, segundo um relatório divulgado esta semana por uma ONG. 

A lista, foi elaborada pelo Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça, e leva em conta mais de 36 mil cidades em todo mundo, apenas cidades com 300.000 ou mais habitantes, e destacou que 42 delas estão na América Latina.

Dentro desse cenário a cidade de Macapá aparece na posição de número 45. Os dados do estudo da ONG podem ser verificados na tabela abaixo, organizada pelo Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal do México, que considerou diversos aspectos e elementos para o levantamento dos dados como: taxa de homicídios, estupros, violência contra a mulher, furtos, roubos, números de processos, sentenças criminais, velocidade de trâmite nos processos judiciais, sendo que a impunidade é um dos fatores que incidem no aumento da violência no caso do Brasil. Segundo dados levantados pelo instituto, 92% dos autores dos crimes no Brasil não são condenados, enquanto na Guatemala o número chega a 93% e na Venezuela, El Salvador e em Honduras ronda os 95%. Veja a lista:

CidadePaísHomicídiosHabitantesTaxa
1CaracasVenezuela43083.305.204130,35
2AcapulcoMéxico918810.669113,24
3San Pedro SulaHonduras845753.864112,09
4Distrito CentralHonduras10271.206.89785,09
5VictoriaMéxico293346.02984,67
6MaturínVenezuela499592.57484,21
7San SalvadorEl Salvador14831.778.46783,39
8Cidade GuayanaVenezuela727877.54782,84
9ValenciaVenezuela11241.560.58672,02
10NatalBrasil10971.577.07269,56
11BelémBrasil16332.422.48167,41
12AracajuBrasil589938.5562,76
13Cidade do CaboÁfrica do Sul24344.005.00060,77
14ST. LouisEstados Unidos188311.40460,37
15Feira de SantanaBrasil375622.63960,23
16Vitória da ConquistaBrasil208346.06960,10
17BarquisimetoVenezuela7851.322.06859,38
18CumanáVenezuela266448.50759,31
19Campos dos GoytacazesBrasil275487.18656,45
20Salvador e RMBrasil2183.984.58354,71
21CaliColombia13582.514.75954,00
22TijuanaMéxico8711.641.57053,06
23GuatemalaGuatemala15963.026.72952,73
24CuliacánMéxico469905.26551,81
25MaceióBrasil5291.021.70951,78
26BaltimoreEstados Unidos318621.84951,14
27MazatlánMéxico245502.54748,75
28RecifeBrasil18873.940.45647,89
29João Pessoa e RMBrasil5301.114.03947,57
30Grande BarcelonaVenezuela397846.35346,86
31PalmiraColombia142306.72746,30
32KingstonJamaica5451.199.61345,43
33São LuísBrasil6931.526.21345,41
34New OrleansEstados Unidos176389.61745,17
35FortalezaBrasil18084.019.21344,98
36DetroitEstados Unidos302677.11644,60
37JuárezMéxico6071.391.18043,63
38TeresinaBrasil363847.4342,84
39CuiabáBrasil365856.70642,61
40ChihuahuaMéxico369878.06242,02
41ObregónMéxico133324.78840,95
42Goiânia e Aparecida de GoiâniaBrasil7821.980.77439,48
43Nelson Mandela BayÁfrica do Sul4951.263.00039,19
44ArmeniaColombia145376.18538,54
45MacapáBrasil179465.49538,45
46ManausBrasil8012.094.39138,25
47VitoriaBrasil6811.813.97737,54
48CúcutaColômbia305824.40637,00
49CuritibaBrasil11483.287.04634,92
50DurbanÁfrica do Sul12613.662.00034,43
Se quiser comparar com os dados do ano passado poderá ver este artigo: "Ranking das 50 cidades mais violentas do mundo em 2016". Também é possível baixar o estudo completo no seguinte endereço: "As 50 cidades mais violentas do mundo" - (arquivo PDF - 1,55MB).

É importante destacar que a cidade do Rio de Janeiro, que anteontem sofreu a primeira intervenção federal pós CF/88, sequer aparece na listagem das 50 cidades mais violentas do mundo.


No Brasil:
No cenário nacional a cidade de Macapá aparece como a 7ª mais violenta. Entre as 26 capitais e o Distrito Federal , Macapá aparece bem acima do RJ. Os dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública no seu 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, e podem ser observado neste link AQUI

O Jornal Gazeta do Povo, com base nas informações contidas neste anuário de 2017, produziu matéria apresentando as 7 cidades mais violentas do Brasil , onde Macapá aparece na posição de número 6. Leia a matéria clicando AQUI.


No Amapá:
No nosso Estado estamos experimentando uma escalada assombrosa da violência. O jornalista João Bolero Neto mantém um blog (acesse-o AQUI), onde ele mostra os números de forma categorizada, conforme você pode ver abaixo:

ESTATÍSTICA DAS MORTES VIOLENTAS NO PERÍODO DE  01 a 16/02/2018.

1º ARMA DE FOGO: 31 homicídios
22 em Macapá;
7 em Santana;
1 em Amapá,1 na Vila do Maracá (MZG);
29 do sexo masculino e 2 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período foram 27 óbitos.

2º TRÂNSITO: 14 óbitos
4 em Macapá;
2 no Oiapoque, 2 na Rodovia JK;
1 em Santana, 1 em Ferreira Gomes, 1 na Rodovia 070 (MCP/LJ), 1 na Rodovia MAZ/MAZ Velho, 1 no Distrito do Coração, 1 na BR-156;
6 de moto, 4 de carro, 2 pedestres, 2 ciclista.
10 do sexo masculino e 4 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período foram 10 óbitos.

3º ARMA BRANCA:14 homicídios
8 em Macapá;
2 em Santana;
1 em Itaubal,1 em Tartarugalzinho 1 em Ferreira Gomes, 1 em Oiapoque;
13 do Sexo masculino e 1 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período foram 13 óbitos.

4º AFOGAMENTO: 5 óbitos
1 em Macapá, 1 no Rio Matapi, 1 na BR-156 (km 40), 1 no Ariri (MCP) 1 na Lagoa dos Índios;
4 do sexo masculino e 1 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período nenhum caso

5º PAULADA : 5 óbitos
2 em Santana;
3 em Macapá,
4 do sexo masculino e 1 do sexo feminino
Obs: No ano passado nesse período nenhum caso

6º SUICÍDIO: 4 óbitos
2 em Macapá;
1 no Igarapé da Fortaleza (MCP), 1 em Porto Grande;
4 por enforcamento;
2 do sexo masculino e 2 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período 8 casos

7º TRAUMATISMOS DIVERSOS: 4 óbitos
2 em Macapá;
1 no Curiaú, 1 em Cupixi (Porto Grande);
3 do sexo masculino e 1 do sexo feminino

Obs: No ano passado nesse período nenhum caso

8º QUEIMADURAS2 óbitos
2 em Santana;
1 do sexo masculino e 1 do sexo feminino.
Obs: No ano passado nesse período nenhum caso

9º CHOQUE ELÉTRICO: 1 óbito
1  em Santana
1 do sexo masculino
Obs: No ano passado nesse período 1 caso.

10° ACIDENTE DE TRABALHO: 1 óbito
1 em Ferreira Gomes;
1 do sexo masculino.
Obs: No ano passado nesse período 1 óbito

11º CAUSA DESCONHECIDA: 1 óbito
1 na BR-156;
Sexo feminino
OBS:. No ano passado, no mesmo período foram 5 casos.

12º QUEDA: 1 óbito
1 em Macapá;
1 do sexo feminino
OBS:. No ano passado nenhum óbito

13º ESPANCAMENTO: 1 óbito
1 em Porto Grande;
1 do sexo masculino
OBS:. No ano passado nenhum óbito



Macapá, 17 de fevereiro de 2018.
boleroneto@hotmail.com


Gesiel Oliveira
drgesiel.blogspot.com
Twitter: @PrGesiel_



sábado, 17 de fevereiro de 2018

Nunca houve uma “ditadura militar”, mentiram pra você! (Por Prof Gesiel Oliveira)



A expressão "ditadura militar" foi cunhada e insistentemente repetida nas faculdades por radicais extremistas de esquerda que queriam um regime diante do iminente golpe comunista, aos moldes do de Cuba. Jango (Presidente João Goulart) para tentar implantar o comunismo no Brasil, tentou impor um estado de sítio em 1963, que não deu certo. A implantação do regime militar em 1964 veio nesse ínterim para garantir a lei e a ordem que estavam afetadas por esse iminente golpe comunista da esquerda que já estava preparada e organizada. O regime militar estatizou a economia, energia, telefonia, etc. Houve a partir da aí um grande crescimento econômico, na segurança, organizacional, estrutural, etc. Isso é inquestionável. Chamar de "ditadura" é desmerecer a história e os fatos e desconhecer o sentido etimológico no dicionário do que significa uma ditadura.


Aquilo que a esquerda chama de "golpe militar" de 64, na verdade nunca existiu. Na verdade aquilo que a esquerda chamou de golpe foi um contra-golpe aos terroristas e comunistas, pois a intervenção de 64, incluiu o envolvimento de outros setores civis, que foram fundamentais para desestabilizar o governo de Jango, preparar e legitimar a ação dos militares na manutenção da lei e da ordem garantindo o cumprimento da decisão soberana do Congresso Nacional de afastar Jango. Empresários, a Igreja Católica e a própria Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por exemplo, foram a favor da intervenção militar para assegurar a ordem naquele momento e naquelas condições de uma iminente  ameaça comunista.


Não houve luta armada, nem derramamento de sangue, como por exemplo, aconteceu no Golpe de Pinochet no Chile. O que de fato aconteceu foi um conjunto de eventos ocorridos em 31 de março de 1964 no Brasil, que culminaram, no dia 1º de abril de 1964 quando o presidente João Goulart (Jango) foi afastado pelo Congresso Nacional (e não pelo militares), e em seu lugar, tomou posse o presidente da Câmara, o deputado Ranieri Mazzilli. De acordo com a Constituição da época, Mazzilli ocuparia a presidência por um prazo máximo de 30 dias. Nesse período, o congresso elegeria indiretamente um novo presidente para concluir o mandato do presidente Goulart, que terminaria em 31 de dezembro de 1966. Nesse intervalo de tempo, o general Costa e Silva se auto intitulou Ministro da Guerra e organizou um comando militar, que detinha o poder decisório de fato.



Os comunistas reagiram fortemente com luta armada e muito sangue derramado nas capitais e municípios do interior. Vários grupos guerrilheiros como  a Ação Libertadora Nacional (ALN), o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-PALMARES), este último é o grupo onde Dilma Rousseff participou ativamente realizando assaltos a bancos, transportes de cargas e até sequestro de um avião com seu esposo Jorge, que hoje vive em Cuba. Esses movimentos guerrilheiros se multiplicaram, insuflados pela onda comunista de Cuba.


Mas o questionamento que podemos fazer aqui é: Como pode se falar em ditadura com a existência de realização de eleições nesse período para vereadores, deputados, senadores, prefeitos e até para governadores? Em alguma ditadura como na Argentina, Chile, China, Coreia do Norte, houveram eleições? Claro que não! Eleições só existem em regimes democráticos. No entanto durante o regime militar, houveram eleições em outubro de 1965, houve eleições em 11 Estados, sendo que a oposição comunista venceu em dois dos maiores estados Guanabara e Rio de Janeiro. Em que lugar do mundo isso pode ser chamado de ditadura? Na cultura, os militares chegaram a criar a Embrafilme para estimular a cultura. Em qual ditadura no mundo houve isso? Durante o regime militar houveram festivais de música popular em diversos lugares. Em qual ditadura houveram movimentos como a passeata dos 100 mil que aconteceu no RJ? Se fosse ditadura de fato, nem chegavam a se aglomerar, pois a polícia ia dispersar com pancadaria, agressões e mortes. Existia imunidade parlamentar para livre manifestação para os deputados durante o regime militar. Qual ditadura isso existe? Um partido comunista existiu durante o regime militar. Qual ditadura isso existiu? Não existe ditadura com comícios gigantescos, passeatas com um milhão nas ruas. Não existe ditadura com liberdade na política. Os números de mortos são outro indicador que revela que não houve ditadura no Brasil e sim um regime militar de garantia da lei e da ordem.


O site Global Museum on Communism (Museu Global do Comunismo, em inglês, disponível no endereço www.globalmuseumoncommunism.org) fez um levantamento e constatou que as ditaduras comunistas em todo mundo já mataram mais de 100 milhões de pessoas em todo mundo, mortos por líderes comunistas como Lenin, Stalin, Mao Zedong, Ho Chi Minh, Pol Pot, Fidel Castro,  entre outros ditadores responsáveis pelo “século de terror comunista".  A China lidera o ranking, com o número estimado de mortes de 65 milhões de mortos pelo Partido Comunista. Em seguida, aparecem União Soviética, 20 milhões; Camboja, 2 milhões; Coreia do Norte, 2 milhões; países africanos, 1,7 milhão; Afeganistão, 1,5 milhão; países comunistas do leste europeu, 1 milhão; Vietnã, 1 milhão; América Latina, 150 mil; entre outros.


Já no Brasil ao longo de todo período militar (1964 a 1985) morreram apenas 434 pessoas (já incluindo mortos e desaparecidos) segundo o que foi levantado pela comissão Nacional da Verdade, isso com números bastantes exagerados. Sendo que a maioria esmagadora desses aí, foram terrorista, comunistas mortos na guerrilha do Araguaia.


Então para finalizar de vez com essa farsa de “ditadura militar”, se você aprendeu história com aquele professor barbudão, com aquela bolsa com alça pelo pescoço, que usava camisa vermelha do Che Guevara, que fumava maconha e sempre chegava “noiado” para dar aulas, lamento muito lhe informar, mas você não aprendeu história, e sim foi doutrinado academicamente pela esquerda comunista, que até hoje está infiltrada fortemente nas faculdades brasileiras e só repete a mesma cantilena de “GOLPE”, “DITADURA” e “NÃO PASSARÃO”. Chega dessa farsa educacional, vamos conhecer a verdade, escondida dentro de livros nas  bibliotecas empoeiradas.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

EUA registra recorde de credenciamento de pastoras na Assembleia de Deus.


Um número recorde de ministras credenciadas foi alcançado nas Assembleias de Deus dos EUA, 9.142 de acordo com as estatísticas mais recentes. Isso representa um aumento de apenas 6.502 há uma década. A proporção de mulheres entre os pastores da denominação também está em alta de todos os tempos, 24,3%, um aumento de 19,2% em relação há 10 anos atrás.

Em 2016, o ganho líquido das mulheres ministros na Assembly of God (445) aumentou em mais de quatro vezes a taxa de homens. No entanto, Crystal Martin, a nova diretora da Rede de Ministros das Mulheres da AG, quer garantir que as mulheres, uma vez credenciadas, encontrem seu próprio papel ministerial.

“Como podemos, como um movimento, não apenas ordenar mulheres, mas ajudar significativamente a colocá-las em seu chamado?”, pergunta Martin. “Por exemplo, em sites da igreja você não vê muitos rostos femininos em papéis pastorais. Como podemos ajudá-los a passar de seu chamado para a liderança ministerial? ”

O número de pastoras na denominação nos EUA alcançou um recorde de 569, mas isso representa um aumento de apenas 94 em relação a 2008 e apenas 260 de 30 anos atrás. Existem mais de 10.500 pastores do sexo masculino na AG.

“Quando reconhecemos que a colheita é abundante e os trabalhadores são poucos, percebemos que existem muitas plataformas para homens e mulheres ensinar e pregar juntos”, diz Martin. “As mulheres têm sido boas em encontrar maneiras de entrar em sua chamada, mas há espaço para o crescimento”.

A Rede para Mulheres Ministras é um sistema de apoio para as mulheres que estão em liderança ministerial e as que estão no processo de busca de credenciais. Um dos objetivos a longo prazo de Martin é identificar um líder em cada distrito e rede do ministério, que possa ajudar a construir a comunidade e orientar as mulheres – que enfrentam desafios e responsabilidades ministeriais únicos.

Martin também espera que a Rede seja capaz de realizar conferências e webinars para orientar o clero feminino.

“As mulheres são freqüentemente treinadas como especialistas”, diz Martin. “Às vezes, elas não tiveram oportunidade de aprender habilidades de ministério amplas que os homens esperam saber”.

Especificamente, a educação pode implicar instruir as mulheres como preparar um sermão, realizar uma cerimônia de casamento, conduzir um serviço de comunhão e liderar um conselho da igreja.

Martin, de 43 anos, esteve envolvida no ministério por duas décadas, a maioria com os Ministérios do Campus Chi Alpha. Seus novos deveres serão adicionados ao seu portfólio atual como diretora de missões multiculturais Chi Alpha. Seu marido, E. Scott Martin, é diretor sênior da Chi Alpha, um departamento de Missões dos EUA.

A Rede de Mulheres Ministros, originalmente conhecida como Task Force for Women in Ministry, formada em 1999. Beth Grant atuou como primeiro presidente, por 11 anos. Jodi Detrick e Judy Rachels também lideraram o grupo antes de Martin.

Grant, que é co-diretor do Project Rescue, apoia firmemente Martin:

“Crystal é uma líder visionária apaixonada com um histórico comprovado de mentoria de mulheres jovens para ministério em Chi Alpha”, diz Grant, que é membro do Presbitério Executivo da AG. “Ela traz grandes forças como construtor de equipe e voz profética para esse tempo na missão de Deus. Seu coração está em ajudar a equipar, mobilizar e liberar uma geração de jovens ministras enquanto reconhece as forças dadas por Deus de cada geração”.

Martin não está defendendo que as mulheres precisam avançar apenas por causa de seu gênero.

“Não precisamos de mais mulheres para a causa da igualdade.”, diz Martin. “Mas a Igreja de Jesus Cristo será melhor com as mulheres no ministério”.

Martin agradece que as Assembly of God, ao contrário de outras denominações, considerem as mulheres como parceiros ministeriais completos.

“Um dos meus maiores privilégios é trabalhar dentro de um Movimento que acredita nas mulheres”, diz Martin. “Na verdade, não há posições nesta denominação que estejam fora dos limites para as mulheres”.

Traduzido via Google Tradutor, com algumas adaptações

Fonte: https://penews.org/news/more-women-heed-calling, via twitter do Pr. Geremias do Couto

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Impacto Missionário no PI: A CADB veio para redefinir o conceito de Convenção.


Definitivamente a CADB veio para fazer a diferença. Isso ficou bem evidente nos dias 09 e 10 em Teresina no Piauí, quando aconteceu o impacto missionário, evento que inaugurou três igrejas, fez entregas de centenas de cestas básicas à população carente, atendimento médico gratuito, realizou diversos eventos paralelos, reformas e construção de casas aos irmãos necessitados e missionários, levando a palavra de Deus a muitas famílias por meio de um mega evangelismo de casa em casa e mostrou para todo o Brasil que a nova convenção veio para redefinir o conceito de Convenção. A CADB surgiu no dia 02.12.2017 em Belém do Pará, e trouxe uma nova proposta de convenção chamada de FRATERNAL.


Essas convenções, têm uma formação e objetivos diferentes. São do tipo “abertas” e visam a valorização e fortalecimento da liderança local ao invés da centralização hierárquica nacional. Essas convenções fraternais não visam aglutinar patrimônio, hierarquia ou concentração de poder nas mãos da liderança nacional. Visam sim, como o próprio nome diz, alcançar uma maior fraternidade e união entre as convenções e pastores em propósitos comuns evangelísticos, missionários e sociais. Não há exclusividade de convenções nos Estados. Há Estados em que existem várias convenções, todas trabalhando unidas e num mesmo propósito, reunidas nas seccionais estaduais da CADB.


O impacto missionário realizado no Piauí, reuniu lideranças de todo Brasil e mostrou que quando há união, as estratégias são mais eficientes e produtivas. Nunca se viu a alta cúpula de uma grande convenção de porte nacional descer junta, arregaçar as mangas, e ir de rua em rua, de porta em porta levando a Palavra de Jesus e ajudando socialmente tantas famílias. Um dia antes do início da programação, uma carreta desembarcou centenas de cestas básicas doadas por igrejas de todo Brasil, que foram distribuídas ao logo do evento à família carentes. Algo impensável outrora em se tratando da atuação de uma convenção, que em regra, tem como propósito reunir pastores de forma associativa. Estamos presenciando um resgate dos ideais evangelísticos, sociais e fraternais  que nortearam a Assembleia de Deus em sua origem com Daniel Berg e Gunar Vingren.


O Pr Samuel Câmara, em suas falas, tem reforçado constantemente que a CADB veio para apresentar uma proposta diferente, mais eficiente, mais pragmática, mais inclusiva (ao aceitar em seus quadros pastoras), mais próxima dos pastores e missionária. Sem dúvida, estamos vivenciando um nova fase na Assembleia de Deus em todo País.


Veja os impressionantes números do impacto missionário e social no Piauí.


• 4 templos foram inaugurados.• 3 casas para pobres e missionários.• Mais de 750 famílias estão recebendo cestas básicas.• 2600 famílias foram alcançadas com roupas, calçados, • centenas de brinquedos, kits escolares, atendimento médico etc.


Veja neste link abaixo os vídeos sobre a construção e entrega de casas durante o impacto missionário no Piauí. Clique AQUI.


Assista ao resumo do Impacto Missionário AQUI














quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Pastor Oscar Domingos de Moura pede desligamento da CADEESO

O Pastor Oscar Domingo De Moura Ex Presidente Da CADEESO e Presidente da Assembleia de Deus Ministério Jardim Colorado , pediu Nesta quinta-feira (08), a sua desfiliação da Convenção das Assembleias de Deus no Estado do Espirito Santo e Outros (CADEESO).

Há rumores que o mesmo pretende fundar uma nova convenção no estado para se ligar a CGADB e que contaria com o apoio da liderança da CGADB.


Fonte: Blog do Pr Alexandro Costa

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Agora é oficial: COMADERJ decide se ligar a CADB e elege Pr Jonas Francisco de Paula presidente.

Recebi a notícia direto do Rio de Janeiro neste momento e estou repassando em primeira mão  a vocês, seguidores do Blog Pr Gesiel Oliveira,  que a COMADERJ reunida em AGO acaba de decidir na tarde deste sábado (03), por unanimidade,   ingressar  na CADB. Ontem informarmos aqui que a COMADERJ havia decidido sair da CGADB e havia grandes possibilidade de se ligar a CADB. Agora a plenária decidiu unanimemente em seguir com a CADB! Também foi eleito como presidente desta nova convenção filiada a CADB no RJ, o Pr Jonas Francisco de Paula. Então agora é oficial, COMADERJ é CADB no RJ!. 







COMADERJ se desliga da CGADB e agora pode se ligar à CADB

Como já havíamos informado aqui no Blog do Pr Gesiel Oliveira em matéria escrita no 30/01 (veja AQUI) sobre a iminente saída e uma grande convenção no RJ, ontem (02) uma das maiores Convenções do Estado do Rio de Janeiro,  a COMADERJ, saiu da CGADB, após aprovação unânime em sua AGO. A informação foi dada pelo Pr Elias Rocha, Secretário Adjunto da CGADB.
A COMADERJ – Convenção de Ministros das Assembleias de do Estado do Rio de Janeiro, é presidida pelo pastor Jonas Francisco de Paula e está realizando a sua 68ª AGO – Assembleia Geral Ordinária, que se encerra hoje (03), no templo da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Rocha, em São Gonçalo / RJ.

Durante a AGO, está prevista a eleição e posse da Nova Diretoria para o quadriênio (2018 até 2022) da COMADERJ  e também a consulta sobre adesão à Convenção da Assembleia de Deus no Brasil – CADB, liderada pelo pastor Samuel Câmara. 
A COMADERJ possui mais de 2.000 mil ministros do evangelho que agora devem se filiar à CADB criada no dia 02/12/2017 em Belém do Pará e  presidida nacionalmente pelo Pr Samuel Câmara.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Mobilize-se para a 1ª AGO da CADB em Belém-PA entre os dias 16 a 18 de junho.

A paz do Senhor a todos os obreiros de todo Brasil. Vamos nos mobilizar o quanto antes para a grande 1ª AGO da CADB entre os dias 16 a 18 de junho em Belém/PA. O gigantesco Centro de Convenções do Centenário estará lotado recebendo pastores de todo Brasil para essa histórica festa da Assembleia de Deus onde tudo começou em 1911. Mobilize-se e vamos juntos nos alegrar no Senhor nessa linda cidade no coração da Amazônia.

Quem tiver interesse, recomendo essa agência de viagens abaixo, que já está organizando viagens para essa grande festa com muitas igrejas de todo Brasil, com pacotes a preços muito acessíveis. Anote aí os dados da agência:


TROPICAL BEL VIAGENS E TURISMO LTDA

Telefones celulares

(91) 98104-2961- Tim e wzp

(91) 99167-0011 vivo

Email: reserva.tropicalbel@gmail.com






quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

CADB seccional Amapá realiza 1ª reunião geral e escolhe mesa diretora

Na noite de 31 aconteceu na Catedral da Assembleia de Deus Zona Norte de Macapá a primeira reunião administrativa da CADB no Amapá. A CADB no Amapá reuniu as três maiores convenções da Assembleia de Deus no Amapá formadas pela Assembleia de Deus A Pioneira (Presidente Pr Oton Alencar), Assembleia de Deus Zona Norte (Presidente Pr Dimas Leite Rabelo) e Assembleia de Deus do Avivamento (Presidente Pr Ezer Belo das Chagas). Os pastores Besaliel Rodrigues e Gesiel Oliveira conduziram a reunião e fizeram diversos esclarecimentos aos convencionais a respeito da CADB. A plenária escolheu a mesa diretora que tem como novo presidente o Pr Ezer Belo das Chagas. A estrutura da CADB seccional Amapá ficou assim definida: Além do presidente, há o conselho superior de presidentes, formado pelos três presidentes. Auxiliando-os foram designados três secretários (um de cada ministério) são eles: Pr Besaliel Rodrigues (Pioneira), Pr Gesiel Oliveira (Zona Norte) e Pr Flávio (Avivamento). Há ainda o conselho de pastores formado por líderes de diversos ministérios afiliados à estas convenções. Uma comissão para organizar a grande viagem a 1ª AGO da CADB entre os dias 16 a 18 de junho, foi escolhida, formada pelos seguintes pastores: Pr Isaías Dantas, Pr Flávio, Pr Hildemar Pantaleão, e coordenada pelo Pr Julio Batista. A Banda Patmus e a cantora Lene Oliveira louvaram a Deus com os hinos. Ao final um sorteio de Bíblias e Revistas da EBD foi realizado entre os inscritos da CADB. Ao final uma foto oficial marcou o início de uma nova fase de evangelismo no Amapá, baseada em uma forte união entre as três convenções e novos desafios para 2018.


Pastores presidentes: Da esquerda para a direita: Pr Oton Alencar, Pr Dimas Rabelo e Pr Ezer Belo.