segunda-feira, 23 de abril de 2018

Por que explorar petróleo no AP e colocar em risco os nossos recifes de corais né? #TáSertu! 

No segundo Estado mais pobre do Brasil, onde o setor primário e secundário são praticamente inexpressivos, onde o desemprego nunca esteve tão alto, todas as oportunidades que surgem de aproveitamento e geração de emprego e renda são abortadas de pronto pela força das ONG's ambientalistas européias e norte americanas. ONG's que recebem rios de verbas de empresas, e que pouco fiscalizam as suas nações de origem, direcionando toda sua atenção para países pobres. O caso do Amapá é emblemático. Ano passado depois de uma campanha mídiática internacional ferrenha, o projeto de regulamentação do RENCA que já havia sido assinada pelo presidente da República, e que poderia tirar da clandestinidade mais e 4 mil trabalhadores que já estão na área há muitos anos, acabou sendo revogado, na força da campanha ambiental desvirtuada e carregada de exageros.

Hoje (22) o Fantástico exibiu matéria produzida pelo jornalista Ernesto Paglia sobre a possibilidade de extração de petróleo no bloco submarino  comprado e explorado pela Multinacional europeia TOTAL, que pretende explorar na costa do Amapá. 

A abordagem apelativa, feita sob a visão ambientalista do Greenpeace, mostrou que a própria empresa TOTAL  já está reavaliando explorar essa área, caso existam recifes de corais. Além disso o Ministério Publico Federal do Amapá expediu está semana recomendação ao IBAMA para que não autorize a empresa TOTAL  a explorar o petróleo na costa amapaense.

É o fim de Estado do Amapá, que já tem 95% de suas florestas preservadas, mas que praticamente não recebe nada que compense essa gigantesca preservação para a humanidade. O Amapá é o laboratório a distância de mentes ambientais que querem decidir a distância os rumos de um Estado sem se importarem com o povo que mora ali. 

Por fim, os bancos de corais a mais de 2 mil metros de profundiade no Oceano Atlântico, parecem ter mais valor que a população amapaense que padece de uma das piores crises econômicas, com um desemprego gigantesco, praticamente nenhuma produção e tendo Macapá se destacando como a 40ª cidade violenta do mundo.

É um ciclo incurável, incapaz de mudar esse triste, insólito e decadente quadro econômico e social do segundo Estado com o menor PIB e o segundo mais pobres do Brasil. Lugar com economia ancorada no contracheque público, onde mais de 1000 empreendimentos foram fechados nos últimos 4 anos, milhares de desempregados congestionam o hipertrofiado setor terciário que sobrevive basicamente por conta do fraco comércio, que concentra mais 85% da população de um Estado com setor primário e secundário quase inexistentes e dependentes da produção paraense. Empresas que no mundo inteiro são fortes e crescem a todo vapor, como a Coca-cola e a mineradora Zamim, fecharam as portas no Amapá desempregando centenas de amapaenses, dentre tantos outros empreendimento que devido à alta carga tributária e à politica de pagamento antecipado de ICMS instituído, não puderam continuar no Estado. 

Agora vou acionar o "MODE IRONIA HARD" para dizer que a bem da preservação ambiental, é bom que nosso rico solo, nossas florestas intactas, nossa costa cheia de petróleo e nossos solos produtivos sejam mantidos intactos para a humanidade, sob a égide de ONG's estrangeiras e com a força da caneta dos engravatados do MPF. Mesmo que para isso a nossa população morra a míngua sem perspectivas, sem produtividade, emprego, renda, sustentabilidade e aproveitamento de seus recursos naturais, pois o meio ambiente aqui no Amapá vale mais que o miserável povo que o habita. #TáSertu

Gesiel Oliveira

Geógrafo











domingo, 15 de abril de 2018

Comitiva de pastores(as) da COMADEZON visita Itaubal e Carmo do Macacoari

Na tarde de ontem (14) uma comitiva de pastores da COMADEZON, liderados pelo Pr Dimas Leite RABELO, estiveram visitando os campos de Itaubal e Carmo do Macacoari. A comitiva visitou a Assembleia de Deus Zona Norte em Itaubal dirigida pelo Pr Isaque Rangel, que está construindo um espaçoso templo. Semana passada foi concluída a fase do telhado deste templo. O Pastor Isaque Rangel  foi empossado há pouco mais de 11 meses, e desde estão começou a construção desse templo. No fim da tarde a comitiva se deslocou em direção a comunidade de Carmo do Macacoari, distante 10km da sede do município de Itaubal. Um casamento coletivo foi celebrado pelo Pr Gesiel Oliveira. Ao todo, onze casais disseram "SIM" em uma noite de muita festa e alegria que parou a comunidade e lotou a igreja. Veja a seguir algumas fotos do evento.








sábado, 7 de abril de 2018

Não é possível ser cavalheiro com quem andou de braços dados a vida toda com a vilania.


Estamos atônitos assistindo a maior desmoralização da justiça no Brasil. Um comprovado réu que responde a 8 processos que incluem: corrupção passiva, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, tráfico de influência, organização criminosa, obstrução da Justiça, dentre outros inúmeros tipos penais, que correm na justiça em Curitiba, Brasília e Rio de Janeiro. O homem que beijou a mão do Papa, que andou na carruagem real da Rainha da Inglaterra, e que foi chamado de ‘O CARA” por Barack Obama, homem mais poderoso do mundo, agora esperneia, grita e achincalha a justiça para não ser preso. Ontem fez churrasco no prédio onde está entrincheirado organizando o próximo teatro vitimista que vai usar hoje para sensibilizar seus cegos seguidores (quase asseclas) que envergonham e desmoralizam mundialmente a polícia federal e a justiça brasileira. Moro em seu sentença de prisão tentou ser cordial com quem tem índole facínora ao dar prazo, ao não permitir o uso de algemas e garantir cela de estado a quem não tem nível superior nem tem direito a foro privilegiado. Não é possível ser cavalheiro com quem andou de braços dados a vida toda com a vilania. Não é possível andar pela linha da legalidade com quem andou a vida toda a margem dela. Lula não é um novo “Padre Cícero”, Lula não foi o melhor do presidente do Brasil, Lula não criou os benefícios sociais, maioria absoluta surgida ainda durante o regime militar. Lula não está acima da lei. Lula não passa de um apedeuta verborréico com forte poder persuasivo e mitomaníaco, que escamoteia sua inata e real empáfia por detrás de discursos populistas, e que agora controla o momento em que quer ser preso, se for!. 


É um escárnio! As redes sociais estão espalhando inúmeras mentiras a esse respeito. Neste momento Lula está em uma "missa de nascimento" da Marisa Letícia, apesar de Lula nunca ter pedido ou participado uma missa como essa quando Marisa estava em vida. Nunca ouvi dizer que exista essa tal “missa de nascimento”. Na verdade tudo não passa de mais um instrumento maquiavélico de um criminoso contumaz, muito bem orientado por advogados, que resiste até a último segundo  para impedir e obstar o cumprimento da ordem judicial. Esse teatro de resistência tem um Pr propósito certo de transformá-lo em um “mártir”. Este prédio em São Bernardo, que agora serve como “fortaleza” do chefe da quadrilha, já serviu nas últimas 32 horas como sindicato, “churrascaria”, “bar”, agora serve como “templo” por alguém que sempre ignorou e desrespeitou a religiosidade ao longo de sua vida com visão marxista. Sendo que o convite da "missa-show" espalhado pela Internet diz que após a "missa", haverá show de Leci Brandão, Maria Gadu, e outros artistas renomados. 


Virou bagunça geral, virou boate, cabaré! Lula com mandado de prisão expedido, está dançando e tripudiando na cara da justiça. Lula tomou a espada da justiça para usar como "taco" na mesa de bilhar dessa festa feita para escarnecer a lei e as instituições públicas. Lula tirou a venda da deusa "Themis" para usar como "bandana" de protesto "NÃO PASSARÃO E FORA TEMER", e botou a deusa grega para cantar "ontem você acabou comigo" da banda "velhas virgens", no cabaré montado pela ineficiência da polícia federal e da justiça brasileira. É uma exploração absurda da morte de uma mulher, que chega a níveis insanos. Resta-nos esperar o desfecho dessa antecipada segunda temporada de “O MECANISMO”. Gesiel Oliveira.


domingo, 1 de abril de 2018

Manifestação contra a prisão dos 4 PM's a pedido da Comissão dos Direitos Humanos

A manifestação pediu a  liberdade de militares que estão presos após morte de um suspeito que aterrorizava o bairro dos Congós. Eles alegam que não há elementos probatórios suficientes para determinar uma prisão preventiva, visto que a prisão se baseia em apenas um vídeo gravado de longe, com vários cortes, filmado por uma "brecha" em uma casa de madeira ao lado da casa onde aconteceu a ação policial, em uma área de ponte no bairro dos congós em Macapá. O Smartphone que filmou parte da ação,  sequer foi periciado.  O pedido de prisão preventiva  foi feito pela comissão de direitos humanos da OAB/AP que apresentou ao MP,  que representou pela prisão junto à justiça amapaense, que a decretou. Lembrando que no início do mês de março, o policial militar Amaury foi executado covardemente com vários tiros por bandidos dentro de seu próprio carro. Até hoje a investigação não avançou, nenhum mandado de prisão foi expedido, nem os criminosos indetificados. As redes sociais há três dias estão clamando pela liberação desses quatro policiais militares que estão presos. Os internautas alegam que há um esforço fenomenal provocado  pela CDH/AP para investigar, julgar e prender policiais,  enquanto por outro lado, crimes como esse  do policial militar assassinado, ficam sem a devida atenção, e caem no esquecimento.  

Os quatro PM's continuam presos preventivamente. No seu  depoimento os policiais alegam que o homem tentou sacar uma arma dentro da casa,  e que na troca de tiros este veio a óbito. No vídeo o homem aparece entrando na casa sem as algemas, o que reforça a alegação dos policiais. A Manifestação aconteceu na tarde deste sábado (31) em Macapá.




quarta-feira, 28 de março de 2018

Reunião Fraternal da COADERJ inaugura Centro de Atendimento ao Pastor e Família.

Aconteceu no último dia 17 às 08:00h a Reunião Fraternal da COADERJ, Convenção das Assembleias de Deus do Estado do Rio de Janeiro. O evento teve como objetivo organizar e formatar a nova convenção, bem como delinear as estratégias de expansão e capacitar obreiros. A reunião, de cunho eminentemente fraternal, contou com uma vasta programação, como o momento de confraternização e comunhão, com uma palavra de edificação com o Pr André Câmara. Na ocasião compareceram os pastores da coordenadoria da Região dos Lagos/RJ, Região Costa Verde e Capital. 

Aproximadamente 80 pastores estiveram presentes ao encontro. O evento foi realizado nas dependências da COADERJ, em Nova Iguaçu, em uma região de sítio chamada de Tinguá. Na ocasião foi anunciado a criação do Projeto Casa do Pastor, que tem como base um centro de recuperação de ministério pastoral, que incluirá não só os pastores, mas também as suas famílias. O foco é direcionar a atenção para pastores que precisam de um tratamento diferenciado espiritual, fraternal e psicológico. Há também um projeto para “Coach”, de um instituto que está sendo criado para treinamento, orientação e formação de lideranças. Enquanto os pastores estavam reunidos na convenção que se estendeu das 8h às 12h, as famílias dos pastores estavam em confraternização em outra área, onde há um espaço de lazer, piscina, campo, futebol, brinquedos, etc. 

O Pr Thiago Costa, presidente e fundador da COADERJ, disse ao Blog do Pr Gesiel Oliveira que: “O objetivo é dar uma atenção diferenciada para pastores, porque a COADERJ surge, não como mais uma convenção, ela tem muito mais que uma simples função administrativa de uma convenção, trata-se de um projeto inovador voltado aos pastores e suas famílias com um foco mais amplo de inclusão e atenção”. A 1ª AGE da COADERJ, que empossou a diretoria e decidiu se ligar a CADB, aconteceu no dia 15 de janeiro no auditório do Apart Hotel Mont Blanc em Nova Iguaçu no Rio de Janeiro. Para mais informações sobre como se ligar a esta inovadora convenção, entre em contato pelo Whatsapp +5521968871540.

Texto: Pr Gesiel Oliveira
Fotos: Arquivo/COADERJ














domingo, 25 de março de 2018

25 de março: Dia do oficial de justiça


Os antigos gregos definiam “herói” como um ser de posição intervalar entre os deuses e os homens. Alguns dicionários, entre outras definições etimológicas, citam o herói como “homem admirável por feitos e qualidades nobres”. Quero trazer um conceito mais humanizado e real  de herói, pessoas comuns que suportam exemplarmente um destino incomum, ou que arriscam suas vidas abnegadamente pelo seu dever ou pelo direito do próximo. Hoje, é o dia de alguns desses heróis.

           O oficial de justiça é um funcionário imprescindível ao Poder Judiciário. Sem a relação juiz, promotor, advogado, oficial de justiça e servidores do Judiciário, não existe direito aplicado e justiça realizada. Em qualquer ponto deste país, brasileiros anseiam por justiça, que para ser executada, utilizam-se da atuação firme e eficaz do "longa manus", “meirinho”, “aguazil”, “sufeta”, “núncio”, ou seja lá qual for o sinônimo, os oficiais de justiça, que são  milhares espalhados por este país de dimensões continentais.

           Dia após dia, convivemos de igual modo com a violência dos grandes centros urbanos e a dos rincões dominados pelos coronéis; com as madrugadas frias do sul e com as tardes escaldantes do norte; com a compreensão dos justos e com a ira dos injustos; com as manhãs de primavera e com os rigores do inverno; com a revolta dos injustiçados e com a satisfação e esqualidez dos dissimulados; com a ostentação das mansões e com a miséria das baixadas e pontes; com o sol, a chuva, o calor, a poeira, a poluição, a lama, buracos; com a dor e a fome dos excluídos e com a indiferença dos poderosos.

           Silenciosamente, entramos e saímos dos palácios e dos barracos. Trabalho realizado nos bastidores de forma imperceptível, mas que movimenta a máquina estatal do judiciário amapaense. Visualizamos a felicidades dos abastados e a desgraça dos alijados, agindo com firmeza, sobriedade e imparcialidade, num misto de frieza e compaixão muitas vezes incompreendidos. Deslizamos pelas noites, madrugadas, tardes de domingo e feriados. Muitas vezes abdicamos do sono, das refeições e dos eventos sociais. Somos ao mesmo tempo vilões e mocinhos – a critério das partes, recebendo respeito e admiração de alguns, ou ódio, rancor e descaso de outros.

           Dia após dia, deixamos nossas famílias e vamos de encontro ao perigo - homicidas, estupradores, estelionatários, psicopatas, traficantes – e a escória que a sociedade finge ignorar; separamos crianças de suas mães, de seus pais e de suas famílias; penhoramos sonhos de uma vida inteira, sempre primando pela força da justiça e busca da pacificação entre as partes; apreendemos pequenas e grandes conquistas; vemos a adolescência perder-se em meio às drogas, à violência e à prostituição; lidamos com o descaso do poder público; pagamos pelos equívocos e pela ineficiência do sistema; respondemos por sua cegueira e pachorra; surpreendemos os desavisados e os inocentes; vemos o choro das mães e dos filhos; entramos nos hospitais, igrejas, estádios, prostíbulos, pontes, creches e asilos; suportamos a arrogância dos gabinetes e a humildade das alamedas; ouvimos a lamúria dos devedores e as lamentações dos carentes esquecidos; caminhamos ao lado dos esgotos abertos entre os becos e vielas; atravessamos a remo os igarapés e os riachos; engolimos poeira e patinamos na lama das estradas mal conservadas e vielas soturnas e lugares ermos; embargamos, derrubamos, removemos, arrestamos, interrompemos, conduzimos, prendemos, intimamos, enfim, tudo isso, e com uma imparcialidade sobre-humana, mesmo quando nossos corações se apertam, quando sentimos pena, medo, raiva ou asco.

           Do acampto da aurora à obumbração do crepúsculo, agimos ininterruptamente. Saímos de nossos lares sem a certeza do retorno, na nossa solitária missão sem sabermos quais os efeitos da incompreensão que está detrás de cada porta a nos esperar. Somos os olhos e os ouvidos e o “pára-choque” de uma entidade chamada de Justiça. Somos as pernas que chegam aonde nenhum – nenhum mesmo - outro membro do Poder ousaria pisar. Somos o braço forte e a mão pesada e assertiva da Lei. Somos a sensibilidade e a percepção que muitas vezes não aparecem nas folhas frias dos autos e certidões. Somos a materialização e tangibilidade das sentenças, decisões e despachos judiciais. Somos a concretização da abstração da lei. Não fosse por estes abnegados serventuários, tudo não passaria de letra morta, de meras intenções e desígnios inertes.

           É o nosso ofício, e é nosso dever. E o cumprimos com profissionalismo, dedicação e seriedade.  Pode parecer estranho, mas a maioria de nós declara abertamente que o faz por amor numa ininteligível relação de prazer e realização em tão nobre ofício, a despeito de tantas dificuldades, insalubridades, perigos e falta de reconhecimento da sociedade e do Poder Público.

           Nossa tarefa é difícil, enfrentando todos os dias, dentro de nossos próprios carros, faça chuva, faça sol, todos os obstáculos possíveis, sofrendo impactos e surpresas de todos os tipos: morais, na saúde, psicológicos, administrativos, e até materiais, neste difícil, solitário e incompreendido mister.

         Hoje, é dia de reflexão porque apesar de tudo isso que descrevi, ainda somos muito incompreendidos, pouco valorizados por nossos tribunais e o avanço da informatização tem levado muitos tribunais a açodadamente extinguir essa imprescindível atividade, levando a uma maior ineficiência da já decadente prestação jurisdicional.

           Mas, se por um lado falta motivação para concessão de direitos por parte das instituições públicas, de outro sobram motivos pelos quais lutar. O que nos cabe é assumirmos nosso papel nessa luta, porque não basta ser herói por ofício e coração, é preciso mais: é preciso ser herói por opção, voluntário, espontâneo e conscientemente valorizado pelo Estado.  Que neste dia possamos refletir sobre muitos colegas Brasil afora, que são agredidos todos os dias ou mesmo perdem as suas vidas no cumprimento de seu mister. É com união, garra e batalhas que se constrói uma categoria respeitada e valorizada, que é o nosso sonho, o nosso anseio. É assim que se faz uma grande Estado, uma grande nação, um mundo melhor. É assim que se faz Justiça mais justa !


Gesiel Oliveira

Oficial de Justiça/TJAP

terça-feira, 13 de março de 2018

No que se tornou nossa Macapá? (Por Gesiel Oliveira)



Não reconheço mais a cidade em que nasci. Começo minha nota de repúdio fazendo essa pergunta: Que lugar é esse? No que se tornou aquela nossa linda e pacata cidade? Não há mais como suportar um clima de total insegurança que impera em nossa cidade. Cidadãos trancados e bandidos soltos. Quem se atreve a passear pelas ruas escuras vai de encontro à morte. As drogas, marginalidade, insensibilidade, indiferença, insignificância pela vida humana ganharam proporções assombrosas em terras onde impera a miséria e o desemprego. O valor da vida não ter mais sentido. Em Macapá se mata por um celular, por notebook, por tênis e até por R$10,00 se a vítima não tiver para entregar aos drogados que andam como “zumbis” perambulando pelas ruas da nossa decadente cidade, sempre procurando a quem assaltar, sempre procurando o próximo que vai levar a facada. 

Os assaltos a ônibus, furtos em escolas públicas, roubos de celulares, assaltos a residências, furto de motos, carros, tráfico de drogas, execuções Aleatórias, mortes encomendadas de dentro do IAPEN, são tantos os crimes, que não é a toa que uma ONG Mexicana apontou Macapá como a 45ª cidade mais violenta do mundo, entre as 36 mil cidades analisadas. É um jogo que quem decide quem vai viver ou morrer são os marginais. Nossa legislação é fraca, frouxa, complacente para com o bandido, herança maldita de uma mentalidade de esquerda marxista que beneficia ao extremo a bandidagem. Isso cria um clima de impunidade, o bandido tem a certeza que vai voltar às ruas logo, logo. A polícia enxuga gelo, a justiça só cumpre o que a lei determina, mas a lei é criada pelo congresso Nacional, que bem… melhor até deixar pra lá o que penso a respeito dessa tão combalida instituição. 

Quem acaba ficando preso aos traumas e pavor da vingança é o cidadão de bem. Isso quando tem a feliz oportunidade de ter uma segunda chance. Todo dia estamos sujeitos a uma verdadeira loteria da morte. Tantos jovens têm a vida ceifada, quantos sonhos, ideais, projetos de vida a serem realizados, tudo se acaba na mão de um “zumbi” ou de um miserável marginal na repugnante maldade e insensibilidade de um ser asqueroso, representante da pior escória da sociedade macapaense. E não sabemos mais o que fazer, e não adianta gritar, se revoltar, ir para as redes sociais pedir socorro, porque a indolência e incapacidade administrativa diante da situação caminha de mal a pior, em um clima de total insegurança, e nada muda. Meu repúdio aqui é contra a insegurança. Meu clamor aqui é pela PAZ. Por que isso está se tornando tão corriqueiro? Vivemos em uma verdadeira batalha urbana. Os números são de guerra. Nunca se matou tanto, nunca a maldade imperou tanto, nunca a sensação de impunidade foi tão forte. Sou pai de três filhos, um deles está entrando na adolescência. Aquela idade em que a gente acaba não conseguindo mais impedir eles de saírem, de se exporem a riscos desnecessários. Eles estão ávidos e curiosos para conhecer o que tem além das paredes e muros das nossas casas. E as coisas ruins só acontecem nessas horas, quando a gente menos espera. Essa sensação de total insegurança que toma conta das nossas vidas, que nos tira a paz, é um sentimento que até pouco tempo não conhecíamos em Macapá. 

Como pai não consigo dimensionar a dor de uma família que perde algum ente querido pra essa desgraça que se tornou as ruas da nossa cidade, por uma perda tão repentina, tão brutal e violenta. A história e um futuro promissor de adolescentes e jovens ficam reduzidos às mãos e à decisão de um bandido, a respeito de quem vive e de quem morrem. Às vezes tenho a impressão que nossa cidade se tornou uma terra sem lei, um bolsão de violência desregrada, um campo de batalha diário na incerteza nebulosa e nefasta do que irá nos acontecer amanhã. Não temos mais onde nos escondermos. Saímos de casa para trabalhar ou estudar sem a certeza de que vamos retornar com vida. Cada dia é uma vitória, cada dia me sinto mais sobrevivente nessas trevas de violência e carnificina, cada dia é um agradecimento à Deus pela vida, pois o crime espreita em todos os lugares. Não estamos seguros nem mesmo dentro de nossas casas, pois os bandidos não respeitam cerca elétrica, alarme, sistema de segurança e câmeras. 

Vivemos em um sistema de retro-alimentação viciada, incurável e irretroativo. É um ciclo incurável, incapaz de mudar esse triste, insólito e decadente quadro social. Não vou culpar o desemprego, nem dizer que isso é resultado de descaso ou mazelas sociais, porque todo ser humano sempre tem duas portas abertas em sua frente. Escolher entrar pela porta da criminalidade não é resultado de forças sociais, e sim do nosso livre arbítrio em escolher seguir esse caminho. Nem com isso afirmo que não há responsabilidade pública na malograda tentativa de escamotear a inoperância de um "marasmo" administrativo. Dizer que nossa terra não tem jeito surge até como compreensível para um povo sem força até para sonhar com a mudança. O caos está instalado, cada cidadão que se defenda por sua própria conta, evitando lugares, horários e situações. Não adianta colocar grades em suas residências, cercas elétricas, alarmes, se o crime espreita ali na esquina. Em casa trancados viramos reféns, na rua viramos alvos fáceis. É pedir proteção de Deus e sair contando com essa proteção, a única que contamos. Minha esperança está cambaleante, mas ainda não morreu. 

Mas apesar de tudo isso ainda creio que é possível vivermos em uma sociedade mais racional e menos selvagem, não nesta geração, mas investindo em conscientização em nossas crianças. O presente está praticamente perdido, resta-nos investirmos no futuro, nas nossas crianças. Estou falando de disseminar princípios que regerão toda a vida dos futuros cidadãos. Um deles, sem dúvida alguma é a leitura da Bíblia, que é desestimulada nas escolas e estimulada nos presídios, se fosse o contrário, teríamos mais cidadãos e menos presidiários. Sinceramente sinto saudade daquela Macapá das casas sem muros altos, sem cercas elétricas, sem grades, onde as famílias podiam ficar em frente às suas casas conversando até tarde da noite.

segunda-feira, 12 de março de 2018

Convenção Confrades é criada no Espírito Santo e deve se filiar à CADB

A nova convenção do Espírito Santo já nasce aliada à CADB - Convenção da Assembleia de Deus no Brasil do pastor Samuel Câmara


Pastor Alexsandro Costa, presidente da CONFRADES no Espírito Santo – Foto: Divulgação

O Estado do Espírito Santo passou a contar no último sábado (10), com mais  uma convenção assembleiana. Trata-se da CONFRADES  – CONVENÇÃO  FRATERNAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E OUTROS. O ato de fundação foi realizado na Assembleia de Deus Ministério  Planalto, em Serra no Espírito Santo. Foi eleito na ocasião, presidente da CONFRADES o pastor Alexsandro Costa, tendo como 1º vice-presidente o pastor Alexandre Fernandes Rodrigues.

De acordo com o presidente pastor Alexsandro Costa ao JM Notícia, a convenção nasce com cerca de  150 filiados em seus quadros, tendo como um de seus objetivos, a instrução, a valorização e a preparação dos seus ministros.

Costa ressaltou ainda que, a CONFRADES investirá na área da comunicação no Estado por meio imprenso, escrito, Redes Sociais e todos os meios que a condição financeira da instituição puder alcançar. “Entendemos o valor da mídia e do marketing, mas ressaltamos a importância de não trocarmos o kerigma pelo marketing”, disse pastor Alexandro Costa.

O líder assembleiano frisou também, que a CONFRADES tem como meta, a construção de um Centro de Estudos Teológicos das Assembleia de Deus no Espirito Santo – CETADES.


Questionando o por que da criação de mais uma convenção no Estado, Costa afirmou que a CONFRADES “é um clamor de centenas de ministros que desejam pertencer a um ministério que tenha realmente compromisso com os propósitos de Deus e que ele tem a convicção de que Deus está levantando, para esta última hora, homens preocupados com a transformação do nosso Estado”.

C.A.D.B

A nova convenção do Espírito Santo já nasce aliada à CADB – Convenção da Assembleia de Deus no Brasil do pastor Samuel Câmara

Mesa Diretora eleita da CONFRADES

PR.ALEXSANDRO COSTA – PRESIDENTE

PR. ALEXANDRE FERNANDES RODRIGUES – 1º VICE – PRESIDENTE
PR. VALDIX FREITA DOS SANTOS – 2º VICE – PRESIDENTE
PR.DANIEL FERREIRA MARES GUIA – 3º VICE – PRESIDENTE

SECRETÁRIOS

PR. LEONARDO SACRAMENTO – 1º SECRETARIO
PR. MARCIO DOS SANTOS MARTINS – 2º SECRETARIO
PR.:RODRIGO F, DO NASCIMENTO – 3º SECRETARIO

TESOUREIRO

PR. MANOEL DA SILVA MARQUES – 1º TESOUREIRO
PR: MARCOS VINICIOS DE P, OLIVEIRA – 1º TESOUREIRO

Fonte: JM Notícias - Jornalista Ricardo.






terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Comarca de Tartarugalzinho aplica pela primeira vez a decisão do STF quanto à lactantes.

Nesta terca-feira, dia 27.02, numa audiencia de Custódia na Comarca de Tartarugalzinho-AP, foi aplicada pela primeira a decisao do Supremo Tribunal Federal para que mulheres grávidas e mães de crianças de até 12 anos que estejam em prisão provisória (ou seja, que não foram condenadas) recebam o direito de deixar a cadeia e ficar em prisão domiciliar até seu caso ser julgado.

No caso local, foi concedida a prisão domiciliar para uma presa em flagrante e que ainda está amamentando.

No Julgamento da Suprema Corte, Por quatro votos a um, a Segunda Turma, acatou um habeas corpus coletivo em nome de detentas e de seus filhos, aceitando o argumento de que "confinar mulheres grávidas em estabelecimentos prisionais precários, subtraindo-lhes o acesso a programas de saúde pré-natais, assistência regular no parto e pós-parto, e ainda privando as crianças de condições adequadas a seu desenvolvimento, constitui tratamento desumano, cruel e degradante".

Durante a audiência de Custódia em Tartarugalzinho, o defensor Carlos Serra pediu a prisão domiciliar em face da decisão do STF, o Promotor Hélio Paulo deu parecer favorável e o Juiz Heraldo Costa decidiu que à flagranciada lactante deveria ser concedido o direito de aguardar o transcorrer de seu processo em casa, cuidando de seu filho lactente.


O juiz Heraldo Costa está com o titular da comarca de Tartarugalzinho há 5 anos

domingo, 25 de fevereiro de 2018

CONFRADES: Mais uma grande convenção nasce no ES


Há uma grande mobilização e expectativa em torno do surgimento de uma nova convenção que surgirá na Cidade de Serra, no Estado do Espirito Santo. Trata-se da CONFRADES, Convenção Fraternal das Assembleias de Deus no Estado do Espirito Santo e Outros. A Assembleia Geral de Fundação está marcada para o dia 10 de março às 19:00h, na Av Guarani, nº 83, Planalto Serrano, Bloco C, Serra/ES.


A convenção marca a expansão de um estruturado e sólido ministério ligado à CADB, o Ministério Planalto, presidido pelo seu fundador Pr Alexsandro Costa, que também expediu circular convocando todos os seus pastores e obreiros(as) para estarem presente nesta data histórica.


Quem é o Pr Alexsandro Costa?


Pr. Alexsandro Costa, é natural de Vitória-ES, nascido em 26/06/1974, se converteu a Cristo aos 14 anos de idade Natural de Vitoria – ES. O pastor Alexsandro Costa, serviu como missionário em varias cidades do interior de Minas  Gerais e Bahia.

Em 15/11/2003, Alexsandro costa foi separado para o santo ministério.  É Bacharel em Teologia, Capelão, e professor de varias Matéria Teológicas, além um reconhecido palestrante e pregador da Palavra

Pr.Alexsandro Costa foi pastor auxiliar durante ao lado do pastor Jorge cordeiro Presidente do Ministério Central Carapina em Serra - Es Ministério  COMADESPE.

O pastor Alexsandro Costa foi emacipado como pastor  presidente da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Planalto no dia 20 de março de 2012, pelo pastor Jorge de Souza Cordeiro, presidente da Assembléia de Deus Ministério Central Carapina em Serra - Es Ministério  COMADESPE.

Atualmente a igreja sede está  localizadas em Planalto Serrano Bloco - C –Serra - ES, na Avenida Guarani Nº 83.

Foi membro ativo na CGADB até 2017, quando se desligou para ingressar com seu ministério e pastores na CADB.

Passou desde 2017 a compor o conhecido grupo de apoio virtual da campanha Pró-Samuel Câmara, chamado do “GRUPO DOS COMBATENTES” formado por 12 membros, entre escritores, pastores, teólogos e blogueiros de destaque nacional e forte presença no espaço virtual Evangélico. 


Como obter mais informações? 

Para quem tiver interesse em se ligar a esta importante convenção e quiser mais informações, entre em contato pelo fone/WhatsApp: (27)999141109 ou acesse o site da CONFRADES www.portalconfrades.com.br


Conheça a CONFRADES:




sábado, 24 de fevereiro de 2018

PE: Após a PM defender abordagem a oficial de Justiça, entidades falam em ‘omissão’

Depois da Polícia Militar se manifestar sobre a abordagem feita a um oficial de Justiça, entidades voltaram a se posicionar e declararam que a nota divulgada pela PM é, “literalmente, o depoimento do policial” responsável pela ação.




Confira a nota assinada pelos presidentes do Sindicato dos Servidores de Justiça do Estado de Pernambuco -(SINDJUD-PE), da Associação dos Servidores do Poder Judiciário de Pernambuco – (ASPJ-PE), e o Sindicato dos Oficiais de Justiça do Estado de Pernambuco (SINDOJUS-PE).

“A nota divulgada pela PM é, literalmente, o depoimento do policial. Logo, a opinião da polícia é o que foi alegado por seu integrante, sem uma averiguação minuciosa da situação. Ao mesmo tempo o texto omite fatos e detalhes, como por exemplo, a voz de prisão ter sido proferida quando o Servidor do TJPE informou que registraria, em delegacia, o acesso dos policiais aos arquivos sigilosos da justiça. Percebe-se claramente o desconhecimento do Art. 5º da Constituição Federal, citado pelo emissor, quando sequer há um responsável que assine a nota publicando-a de forma aleatória.

A resposta falta com a verdade quando diz que houve resistência do Servidor em concordar com a revista pessoal e do seu veículo, sendo mais absurda ao relatar que o mesmo teria proferido agressões verbais. Outra irregularidade se deu quando, após a detenção, a equipe policial não se dirigiu, imediatamente, para uma delegacia nem para a audiência de custódia, mantendo o Servidor detido e privando-o de qualquer comunicação por um longo período, sendo assim necessária a intervenção da autoridade da Polícia Civil, requerendo a apresentação do detido à DP. Ainda assim, não satisfeita, a equipe da Polícia Militar entra em contradição quando acusa o Servidor do TJPE de resistência, mas ao mesmo tempo alega não ter sido necessário fazer uso das algemas.

É lamentável que um pequeno grupo da Polícia Militar do 6º batalhão macule a imagem de uma instituição onde deveria ser provedora da sensação de segurança e proteção da sociedade civil. Por outro lado, vale registrar a ótima atuação da Polícia Civil que, teve uma atuação exemplar ao intervir solicitando celeridade no envio do caso para a mesma.

Obviamente que este posicionamento, reprovável, do batalhão em questão não reflete toda a corporação, principalmente os mais novos, ainda sem vícios, que honram a farda que vestem, e por isso precisa ser apurado com todas as forças para que não se torne comum em nossa sociedade atuações como esta.

Pelo ocorrido, entendemos que o Governo do Estado precisa promover capacitações, urgentemente, para que situações como as ocorridas com este cidadão recifense, não voltem a acontecer em nossa sociedade. É dever da polícia agir conforme os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade e moralidade.

Analisaremos a necessidade de provocar outras instâncias, como também buscar outras medidas cabíveis, inclusive as judiciais”.

Entenda a polêmica

Nessa quinta-feira (22), em desagrado com o que classificam de ‘ação truculenta’ da Policia Militar contra um oficial de Justiça, representantes da categoria, acompanhados por alguns servidores, reuniram-se em um ato na Corregedoria da SDS, na Conde da Boa Vista, às 15h desta quinta.

A iniciativa visou pedir apuração do caso, maior atenção do Estado para a situação e maior celeridade “por medidas corretivas aos envolvidos”.

Michel Domingos, presidente do Sindicato de Servidores de Justiça de Pernambuco (Sindjud-PE), reclamou publicamente.

“Não podemos permitir que a Polícia Militar desrespeite qualquer Servidor do Poder Judiciário de Pernambuco. O servidor estava cumprindo ato originário por força de lei em seu dever legal. É preciso lembrar que a justiça é quem dá a última palavra, logo, um agente de segurança pública (Policial Militar) representando o estado, precisa ser orientado pelos seus superiores a ter discernimento de tal forma que não crie uma crise entre as instituições e poderes do estado de Pernambuco. É preciso fomentar a capacitação dos que atuam nas ruas para que entendam sua verdadeira função. Acredito que este abuso de poder não represente toda a categoria policial e que não tenha a conivência de seus superiores hierárquicos. Aguardamos um posicionamento, urgente, por parte da Corregedoria da SDS/PE”, indagou.

Na descrição dos servidores da Justiça, a confusão aconteceu na noite da última quarta-feira (21), quando um servidor teria sido abordado por policiais militares depois de ter entregue uma intimação em Porta Larga, Jaboatão dos Guararapes.

Segundo o servidor, depois de deixar o mandado com a mulher vítima de agressão, Policiais Militares, com armas em punho, interceptaram o veículo do Oficial e revistaram todo o carro, incluindo pastas de trabalho com documentos sigilosos da Justiça.

“Ao questionar a situação, o servidor foi detido e encaminhado para a Delegacia de Prazeres, sendo acusado de desacato à autoridade e resistência à prisão”.

Sindojus-PE divulga comunicado sobre Oficial de Justiça preso pela PM

Em resposta à nota da Polícia Militar, instituição pede transparência e imparcialidade na apuração da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social sobre o caso ocorrido na última quarta-feira (21)

O Sindicato dos Oficiais de Justiça de Pernambuco (Sindojus-PE) divulga comunicado oficial nesta sexta-feira (23/02) em reposta à nota da Polícia Militar sobre ocorrência de Oficial de Justiça que foi detido por PMs na última quarta (21/02), após cumprir mandado judicial na Porta Larga, em Jaboatão dos Guararapes.

O informativo, emitido em nome do presidente do Sindicato, Marco Albuquerque, traz críticas ao teor da nota e pede transparência e imparcialidade na avaliação do caso à Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS). Leia a nota na íntegra:

COMUNICADO – SINDOJUS-PE

O Sindicato dos Oficiais de Justiça de Pernambuco (Sindojus-PE) vem por meio deste informativo se pronunciar oficialmente em relação à nota divulgada pela Polícia Militar do Estado a respeito de caso ocorrido na última quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018, no qual um Oficial de Justiça foi detido por dois policiais militares após o cumprimento de um mandado judicial no município de Jaboatão dos Guararapes.

Para a nossa categoria, é lamentável e inconcebível aceitar a resposta automática e superficial conferida pela PM, que reflete unicamente a visão dessa instituição, sem avaliar devidamente a denúncia feita por este Sindicato. Na data do ocorrido, um Oficial de Justiça, em pleno exercício da profissão, foi detido por suposto desacato e resistência, mesmo tendo colaborado com revistas e se identificado como servidor do Poder Judiciário. O profissional permaneceu detido por mais de três horas na Delegacia de Prazeres após se queixar do tratamento dos policiais, sendo liberado após a lavratura de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

A abordagem desmedida dos agentes se estendeu também a um parente do Oficial, que, na hora da ação, dirigia um veículo próprio e auxiliava no cumprimento do mandado. Estranhamente, a acusação de resistência atribuída a ambos só levou preso o Oficial. Mesmo livre do processo, como consta no TCO, o parente teve o carro apreendido e só foi liberado pela polícia junto com o Oficial.

Acionamos a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) a fim de resolver o caso com transparência e justiça, mas o retorno que tivemos foi uma nota escrita pela PM, divulgada amplamente na imprensa, antes mesmo de a queixa na Corregedoria ser concluída, não havendo tempo hábil para devida investigação dos fatos. Inclusive, o texto da nota traz fragmentos inteiros do Boletim de Ocorrência (BO) prestado pelos policiais envolvidos, o que mostra a fragilidade do teor do documento, que leva em consideração apenas a visão dos agentes.

Reconhecemos o papel da Polícia Militar e da Secretaria de Defesa Social (SDS) na manutenção da segurança pública no Estado. Contudo, ações como essa conferem descrédito a essas instituições, revelando a inabilidade em averiguar e reconhecer condutas errôneas por parte de seus servidores. O Sindojus-PE pleiteia uma investigação séria, imparcial e correta, visto que o Oficial de Justiça detido agiu o tempo todo dentro dos dispositivos legais.

Reforçamos, por fim, que o trabalho dos Oficiais de Justiça é peça fundamental na atuação do Poder Judiciário, e que, por isso, a categoria lamentavelmente sofre constantes retaliações. Não aceitaremos tratamento truculento que possa obstruir a justiça e pô-la em xeque. Defendemos que a investigação preze pelo bom senso e pela clareza dos fatos, e não por leituras genéricas. A posição do Sindojus-PE é ratificada no Boletim de Ocorrência registrado pelo Oficial de Justiça na Delegacia de Prazeres e pela queixa registrada na Corregedoria da SDS. 

Marco Albuquerque

(Presidente do Sindojus-PE)

Recife, 23 de fevereiro de 2018.

Foto: Hélia Scheppa/Acervo JC Imagem
Fonte: http://blogs.ne10.uol.com.br

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Aos 99 anos morre Billy Graham, o maior evangelista do século.


O mundo hoje está de luto. Faleceu nesta quarta-feira (21) o maior evangelista do século, o Pr Billy Graham. Seu nome era William Franklin "Billy" Graham Junior. Nascido em Charlotte, em 07 de novembro de 1918, foi considerado o maior pregador batista norte-americano do século XX e XXI. Foi conselheiro espiritual de vários presidentes americanos. Foi ainda o mais proeminente membro da Convenção Batista do Sul.

Graham pregou pessoalmente para mais pessoas do que qualquer pregador da história ao redor do mundo. De acordo com a sua equipe, a partir de 1993, mais de 2,5 milhões de pessoas tinham dado um passo à frente em suas cruzadas para aceitar Jesus Cristo como seu Salvador pessoal. A partir de 2008, a audiência de Graham's lifetime, incluindo rádio e televisão, superou 2,2 bilhões. Faleceu hoje em sua casa em Montreat, na Carolina do Norte, de acordo com Jeremy Blume, porta-voz da Associação Evangélica Billy Graham. 

Infância e juventude:

Nascido em uma fazenda leiteira em Charlotte, Carolina do Norte, Billy Graham foi levado pelos pais para a Associação de Igrejas Presbiterianas Reformadas, Frank Graham e Morrow Coffey Graham, que mudou a denominação Batista Sulista em 1934 durante um encontro presbiteriano, conduzido pelo pastor Mordecai Ham. Graham foi ordenado no ministério Batistas Sulista em 1939.

Após terminar o ensino médio na Escola Sharon (Sharon High School) em Maio de 1936, Graham foi para a Faculdade Bob Jones (Bob Jones College), agora chamada de Universidade Bob Jones (Bob Jones University), localizado na cidade de Cleveland, no Tennessee, mas achou extremamente sectário e transferiu para o Instituto Bíblico da Flórida, agora Faculdade Trinity da Flórida (Trinity College of Florida), e terminou o curso de teologia na Faculdade de Wheaton (Wheaton College), no estado de Illinois em 1943. Durante o tempo que esteve na Faculdade de Wheaton, Graham afirmou que a Bíblia é a "palavra infalível de Deus".

Depois de se formar na faculdade, o Sr. Graham pastoreou a igreja da vila de Western Springs (agora Western Springs Baptist Church) em Western Springs, Ill., Antes de se juntar Mocidade para Cristo, uma organização fundada para o ministério da juventude e militares durante a Segunda Guerra Mundial. Ele pregou em todo os Estados Unidos e na Europa na era pós-guerra imediato, emergindo como um jovem evangelista ascendente.

Ainda em 1943, Graham se juntou à Henrietta Mears da Primeira Igreja Presbiteriana de Hollywood que foi de ajuda imprescindível para a escolha do primeiro acampamento criado por ele chamado de Forest Home Christian Camp (agora chamado de Forest Home Ministries), às margens do lago Big Bear (Grande Urso) localizado no sudoeste da Califórnia.

Família:

Billy Graham casou-se em 1943 com Ruth Bell que depois passou a se chamar Ruth Graham, filha de missionários presbiterianos na China, o pai dela L. Nelson Bell era cirurgião geral e destacado membro na história da antiga Presbyterian Church in the United States. Poucas pessoas tiveram mais influência em Billy Graham do que o Dr. Bell. O casal tem 5 filhos, 19 netos e 28 bisnetos. Os filhos Franklin Graham e Anne Graham Lotz também são evangelistas, e atualmente controlam os negócios do pai, parcialmente aposentado devido à idade avançada, ao mal de Parkinson e a outras doenças. Em 14 de junho de 2007, faleceu a Sra. Ruth Bell Graham em Montreat, Carolina do Norte, na casa do casal Graham.

Cruzadas:



Em suas chamadas "cruzadas", eventos evangélicos de massa que organizava desde 1948 em estádios, parques e outros locais públicos, Billy Graham já alcançou uma audiência direta de quase 210 milhões de pessoas em 185 países. O foco de seus sermões geralmente é "Jesus Cristo é o único Caminho de Salvação."

A primeira "cruzada" feita com sucesso ocorreu na Austrália, em 1959. Esta cruzada foi considerada o início da evangelização em massa na história australiana e teve efeitos consistentes no crescimento do protestantismo em todo o mundo, tendo como consequência uma criação de numerosas igrejas em um período de 15 anos.

A partir de 1949, Graham sai da obscuridade devido a influência dos dois principais jornalistas americanos da época, William Randolph Hearst e Henry Luce. O interesse de Hearst em Graham permanece um mistério, porque ambos nunca se encontraram.

Em 24 de junho de 2005, Billy Graham iniciou o que seria a sua última cruzada pela América do Norte, no Flushing Meadows Park em Nova York. Mas em Março de 2006, Billy Graham organizou o Festival da Esperança.

Após a doença do pai, Franklin Graham cuida da instituição e das cruzadas e seu filho , Will Graham, organiza cruzadas entre os jovens. As cruzadas não tem lugar específico, podendo ser em uma larga avenida, estádio, parque ou na rua. Graham conseguiu organizar um "exército" de mais de 5 mil pessoas formando um gigantesco coral que cantam músicas, convidando as pessoas a participar.