segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Melhor apostila para concursos publicos do GEA e PMM

Melhor apostila para concursos publicos do GEA e PMM

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Manifesto contra o aborto - By Gesiel Oliveira


Venho manifestar meu posicionamento em relação a essa temática do aborto. Preliminarmente, quero afirmar em alto e bom tom, que sou terminantemente CONTRA O ABORTO. Sou contra a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442 proposta pelo PSOL junto ao STF visando a descriminalização do aborto até a 12.ª semana de gravidez, tipo penal este, previsto nos art 124 e 126 do nosso Código Penal. Vivemos em um Estado Democrático de Direito onde a mesma liberdade de expressão que assegura a um partido de esquerda representativo de uma minoria da população levar essa questão à suprema corte brasileira, também assegura a nossa manifestação do livre pensamento em discordar cabalmente desse nefasto entendimento. 

Primeiramente, do ponto de vista legal, o direito positivo brasileiro protege o direito do nascituro desde a concepção. Nossa Constituição Federal no caput do Art. 5º, assegura a inviolabilidade do direito à vida, significando que o Estado tem a obrigação de zelar pela vida. 

O Brasil é signatário do Pacto de San José da Costa Rica, que diz que o direito à vida "deve ser protegido pela lei e, desde o momento da concepção". E o nosso código civil, em seu art. 2º , assegura que ‘A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida, mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro’. Em outras palavras, a legislação brasileira foi desenvolvida no sentido de assegurar o direito a vida ao nascituro. 

Estamos diante de um momento de desacordo moral e social irrazoável em que uma minoria quer impor à maioria cristã, que compõe 87% da população brasileira, uma visão distorcida acerca de uma escolha que não pode, e não cabe, ser feita pela gestante. O espaço adequado para discutir e decidir politicamente a matéria é o Poder Legislativo, e não pode haver usurpação de atribuições constitucionais pelo judiciário, pois é o poder legiferante, o responsável por tutelar o pluralismo político, premissa fundamental para a legitimidade das decisões políticas majoritárias e que envolvam grande complexidade, como a questão em pauta.


Do ponto de vista Bíblico e cristão, posso afirmar que há inúmeros ensinamentos nas Escrituras que deixam muitíssimo claro qual é a visão de Deus sobre o aborto. Jeremias 1:5 nos diz que “Deus nos conhece antes de nos formar no útero”. Êxodo 21:22-25 dá a mesma pena a alguém que comete um homicídio, e para quem causa a morte de um bebê no útero. Isto indica claramente que Deus considera um bebê no útero como um ser humano, tanto quanto um adulto. Para o cristão, o aborto não é uma questão sobre a qual a mulher tem o direito de escolher. É uma questão de vida ou morte de um ser humano feito à imagem do próprio Deus (Gênesis 1:26-27; 9:6). Trata-se de extermínio da criatura pela criatura. A vida pertence a Deus que a deu, e só ele pode tirá-la.

O argumento que sempre surge contra a opinião cristã sobre o aborto é: “E no caso de estupro ou incesto?”. Por mais horrível que fosse uma gravidez indesejada, como resultado de um estupro ou incesto, isto torna o assassinato de um bebê a resposta mais adequada? Dois erros não fazem um acerto. A criança resultante de deste crime pode ser dada para adoção por uma família amável incapaz de ter filhos por conta própria, ou a criança pode ser criada pela mãe. Mais uma vez, o bebê não deve ser punido pelos inconsequentes atos do ser humano. Abortar é condenar à morte um ser inocente, sem crimes e sem possibilidade alguma de defesa.

Se nossas leis de proteção ao meio ambiente defendem a proteção integral dos ovos de tartarugas marinhas e das araras azuis, como podemos admitir que nossas leis não cuidem do zigoto, o verdadeiro "ovo humano". Se as nossas leis civis não mais podem proteger a própria espécie humana, evocaremos então as leis que "protegem os animais" para garantir a vida intra-uterina da espécie humana contra a insanidade de sua própria espécie! Veja a que ponto chegamos! 

E por fim, do ponto de vista existencial, como pode o homem ao ser contemplado com a maior dádiva de Deus que é a vida, querer ter a liberdade de se voltar contra ela? Quem já teve o seu SIM, agora é hora de deixar outros também receberem essa dádiva de Deus! Por isso digo SIM a vida, e NÃO ao aborto!



É certo o pastor se envolver em Política? - By Gesiel Oliveira


Acredito que quando perdemos a oportunidade de escolher bons nomes, por omissão ou entendimento extremado de natureza puramente religiosa, acabamos favorecendo quem luta contra nós, favorecendo os candidatos e partidos que atacam nossos princípios, nossa fé, nossas igrejas, que inevitavelmente acabarão ocupando essa lacuna. O Brasil vive um momento de limpeza na política, um momento de mudança. Tenho de concordar que não incentivo que pastores se lancem na política, mas se isso não for possível, e se eu tiver a chance de escolher entre votar em um pastor e votar em um gayzista, abortista, corrupto, ficha suja, Gramscista, Trotskista, Leninista, feminista, Marxista, anarquista, etc, você tem dúvida em qual dos dois eu escolheria?

Vivemos um momento em que os evangélicos são convocados para mostrar as suas convicções, para resistir por seus ideais, para impedir o rolo compressor da causa gayzista, da ideologia de gênero, do marxismo ideológico ateísta, que tenta suplantar na educação os princípio cristãos, que tenta retirar qualquer referência cristã e símbolos das casas de leis e logradouros públicos, que transforma as universidades federais em verdadeiros centro de doutrinação anti-cristã, incutindo doutrinas ateístas como a doutrinação Leninista, Gramscista, Trotskista, Anarquista, etc, e tenta a todo custo aprovar os seus mais de 850 projetos de leis infames e que atacam a igreja, cristãos, nossa fé e princípios. Equivoca-se quem se omite por “excesso é santidade”, por acreditar que pastores não podem se envolver em política, por acreditarem que pastores são “seres celestiais”. Quem age assim acaba facilitando a vida e os projetos desse outro lado que marcha a todo vapor contra o que restou de moralidade e respeito a família, que são as igrejas, que hoje representam a última trincheira de enfrentamento a esse chorume ideológico.

Quanto mais cristãos e pastores atacarem os próprios pastores que lançaram candidaturas, quanto mais o extremismo religioso cegar a cidadania, cegar a compreensão de que crente é gente e não anjo, quanto mais se espalha essa noção torta de não apoiar quem está lutando ao nosso lado, mais espaço perderemos, mais ataques sofremos, mais ideologias nefastas nossos filhos pequenos aprenderão nas escolas, e quando você achar que está seguro dentro de sua casa, sua família já foi contaminada por essa enxurrada ideológica deplorável que transborda de todos os lados. Certamente Deus tem líderes atuando em política e sendo usadas por Ele. Nos evangelhos vemos o caso de José de Arimatéia, que forneceu o túmulo novo para o Senhor ser sepultado.

Mc 15:43 "...chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o Reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. E Pilatos se admirou de que já estivesse morto. E, chamando o centurião, perguntou-lhe se já havia muito que tinha morrido. E, tendo-se certificado pelo centurião, deu o corpo a José, o qual comprara um lençol fino, e, tirando-o da cruz, o envolveu nele, e o depositou num sepulcro lavrado numa rocha, e revolveu uma pedra para a porta do sepulcro".

Um dos argumentos mais frequentes a esse resistência em votar em pastores é: “mas eu conheço um que se corrompeu entrando para a política”. Quero te dizer que maus exemplos sempre existirão em qualquer categoria. Mas assim como existem os maus exemplos, também existem os bons exemplos. Não podemos votar em alguém fazendo ilações e “achismo” do que poderá ou não acontecer. Não é assim que a vida funciona. E é com base na esperança, fé e vontade de mudança que nutrimos neste momento de profundas mudanças que o Brasil atravessa, que devemos tentar. Analise o passado do candidato, suas propostas, sua coerente ideológica, a orientação de seu partido antes de tomar uma decisão. Se não der certo, ele perderá todo o apoio e não conseguirá se reeleger. Mas se ele for trabalhador e alcançar o fim representativo ao qual foi conduzido até lá, quem ganha é a nação.

Então a palavra que deixo a você é FÉ e ESPERANÇA, e vamos ajudar o Brasil a varrer essa esquerda doentia entronizada em todas as esferas do poder. E certamente não será fazendo campanha contra voto em líderes cristãos que vamos ajudar a melhorar esse “status quo” decadente e corrupto que aí está. Em Rm 12. 2 a Bíblia nos manda transformar o mundo em nossa volta: “e não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que proveis qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. Se a vontade de Deus é limpar a corrupção do Brasil, certamente não serão os anjos que virão votar em gente de boa índole, honestos e ficha limpa. Nosso Deus é o Deus do impossível, ou seja, tudo o que é possível somos nós mesmos que devemos fazer. Sabemos que toda autoridade procede de Deus, portanto os governantes estão ali também pela vontade de Deus. A Palavra de Deus chega até a chamar as autoridades constituídas como "ministros de Deus", sejam elas crentes ou não.

Em Rm 13:1-6 "Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo".

Para mostrar a nossa luz ao mundo e fazer a diferença como sal da Terra, nós não podemos nos acovardar, nos omitirmos, e fugir do campo de batalha alegando que “não somos desse mundo”, vamos fazer a nossa parte, vamos promover a mudança que Deus tanto deseja para a nossa nação. E o restante das infinitas bênçãos que sobrevirão à nossa nação é por conta Dele. Lembre-se sempre: “não é a política que faz o candidato virar bandido, é o voto inconsequente que faz o bandido virar político”.

By Gesiel Oliveira - siga-nos em nossas redes sociais

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Tudo pronto para a 1ª AGO e 1ª EBO da CONFRADES dias 14 e 15 de Setembro em Vitória/ES

Evento
Está tudo pronto para o 1ª AGO (Assembleia Geral Ordinária) e EBO (Escola Bíblica de Obreiros) da CONFRADES (Convenção Fraternal das Assembleias de Deus no Estado do Espírito Santo e Outros), evento que acontecerá entre os dias 14 e 15 de setembro no Ministério Família Pentecostal, com sede na Rua Antônio Aleixo, 387 - Consolação, Vitória – ES.

Palavra do presidente
Faltando apenas 36 dias para o grande evento, o Presidente da CONFRADES, Pr Alexandro Costa, concedeu entrevista ao Blog do Pr Gesiel Oliveira, e asseverou que: “há uma grande expectativa em relação à essa convenção por conta de um trabalho intenso que está sendo realizado, especialmente atinente às atividades fraternais juntos aos pastores. A CONFRADES não faz acepção entre seus pastores, não visa quantidade e sim qualidade em seus quadros. Além disso há uma valorização do ministério feminino pastoral. Há inclusive uma missionária que fará parte da mesa diretora da nossa Convenção. O objetivo da nossa convenção é valorizar, capacitar e acompanhar de maneira fraternal cada membro. Com apenas 05(cinco) meses de fundada,  a CONFRADES se expande de forma acelerada e, inclusive, já possui coordenadorias nos Estados do RJ, SC, SP, BH, MG. Nossa convenção visa apoiar ministérios de pequenos e médio porte, não só com suporte eclesiásticos e convencional, mas também com projetos inovadores, como cursos teológicos gratuitos on line, fundo social ministerial, cursos presenciais e constante capacitação e treinamento de seus obreiros, dando um suporte mais eficaz para aqueles ministros que enfrentam dificuldades em seu ministério, enfim, nossa convenção está seguindo os parâmetros orientativos do nosso presidente geral da CADB, Pr Samuel Câmara”.

Pr Alexsandro Costa, Presidente da CONFRADES

Pauta
Ontem (07) o presidente Pr Alexsandro Costa publicou o edital de convocação nº 001/2018-CONFRADES, convocando os membros da CONFRADES e anunciando a seguinte pauta: a) Escola bíblica de obreiro, b) Nomear e empossar os Conselhos e Comissões, c) Relatório Financeiro do 1º semestre d) Deliberar sobre Consagração, admissão e Ordenação de Obreiros, e) Certificar e homenagear ministros da CONFRADES e convidados. Paralelamente à 1ª AGO ocorrerá também a 1ª UFMADES para os Jovens, filhos e filhas de obreiros,  a 1ª UNEMADES para as esposas de obreiros e  a 1ª UCAADES para as Crianças, Filhos e filhas de obreiros.

Convidados
Já estão confirmadas as presenças dos seguintes convidados:   Pr. PAULO MEDRONHA SÃO MATEUS - ES - CONFRADES; Pr. THIAGO COSTA - COADERJ e CADB; Pr e Dr. GESIEL OLIVEIRA – SECRETÁRIO DA CADB/AMAPÁ, MEMBRO TITULAR DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E MÍDIAS DA CADB e PRESIDENTE BENEMÉRITO DA CONFRADES; Pr e Dr. RICARDO MORAES RESENDE; Pr. DAVI THEODORO - CADB SÃO CRISTOVÃO – RJ e Pr. JOACIR SOUSA - CONFRADES – SP.


Presidente Benemérito da CONFRADES, Pr Gesiel Oliveira, confirma presença e convida a todos para 1ªAGO de 14 e 15 de setembro 2018.

CONFRADES
CONVENÇÃO FRATERNAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO E OUTROS, Pessoa Jurídica de Direito Privado, com CNPJ nº 30.657.606/0001-65,é uma Organização Religiosa, devidamente representada por Presidente Pastor Alexsandro Costa, com Escritório Administrativo na Avenida: Guarani, nº 83, Bairro: Planalto Serrano - Bloco C, Município da Serra, Estado do Espírito Santo, CEP 29.178-601. Está estabelecida como Convenção de Ministros desde a data de 10 de março de 2018, devidamente registrada no Cartório do 1º Ofício das Pessoas Jurídicas de Serra, no Estado do Espírito Santo.

Contatos

Mais informações pelos contatos: +552799881-6029 e +5527996047419

Acesse o portal da CONFRADES: www.portalconfrades.com.br

Programação


Local do evento
Brasão da CONFRADES



















terça-feira, 7 de agosto de 2018

É por isso que acredito que o Brasil ainda tem jeito - By Gesiel Oliveira


Hoje pela manhã presenciei um ato de solidariedade que me emocionou e chamou a atenção de todos que chegavam e saiam do Fórum de Macapá. Um senhor que aparentava cerca de 60 anos de idade, que trafegava com uma bicicleta cargueira adaptada, tipo aquelas dos vendedores de melancias, que estava carregada de mangas, virou e derrubou centenas de mangas no asfalto da Avenida FAB, a mais movimentada de Macapá no horário de pico, e aquele senhor de idade, sozinho, com dificuldades, começou a juntar todas aquelas mangas no meio do intenso trânsito da Av. FAB. De longe vi várias pessoas passando indiferentes ao seu lado na correria do dia a dia. Bastou então que um se dispusesse a ajudar, para que todos que por ali passavam naquele momento, vendo aquela cena, começassem a ajudá-lo. Um após um foi chegando, e enquanto o policial civil foi para o meio da rua para ajudar a controlar o trânsito, outros transeuntes começaram a ir para o meio da rua para ajudá-lo a juntar todas aquelas mangas espalhadas no asfalto. Enquanto outros chegavam, alguns que saiam de uma academia ao lado, começavam a se juntar ao grupo para ajudar a catar uma por uma daquelas mangas, colocando-as na bicicleta cargueira daquele senhor, que as transportava com tanto cuidado para vendê-las, talvez como único meio para garantir o sustento de sua família. Tirei essa foto, e logo em seguida parei o carro no outro lado da rua, e me juntei aos voluntários que ali estavam. Quando cheguei ao local já haviam mais de 8 pessoas ajudando. Comecei bem o meu dia, vendo o sorriso no rosto cansado daquele senhor, e ouvindo-o dizer a todos com as mãos enxugando as lágrimas do seu rosto um MUITO OBRIGADO !

By Gesiel Oliveira - siga-nos em nossas redes sociais


Obs.: Fato ocorrido no dia 12/12/13 ás 08:15h, quinta-feira.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Aos 91 anos, falece o Pastor Antonio Gilberto


Morreu o pastor Antonio Gilberto da Silva, aos 91 anos, nesta segunda-feira (30), na cidade do Rio de Janeiro. O pastor era um dos maiores nomes da teologia pentecostal no Brasil. Ao longo de sua trajetória, ele se destacou como educador, jornalista, teólogo, autor de best-sellers e articulista. Além disso, também era uma referência na área de Escola Dominical e de Teologia Pentecostal no país.Ano passado, o pastor recebeu o título de Personalidade Teológica de 2017, como uma homenagem à sua contribuição à comunidade evangélica. A honraria foi oferecida pela Associação de Escolas Teológicas da América Latina (AETAL) e a condecoração aconteceu durante o Culto de Funcionários da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD). A causa da morte não foi divulgada. 

terça-feira, 24 de julho de 2018

Expulsos de Recife - PE, 23 judeus ajudaram a fundar Nova York e o sistema financeiro americano

Nova Amsterdã, que depois passou a se chamar de Nova York 

Gesiel Oliveira

Você sabia que os 23 magos da economia americana eram judeus que vieram tentar se instalar em Recife no Brasil e foram expulsos daqui, e depois foram parar em Nova York, e lá se instalaram e fundaram as bases da economia americana? 

Durante o século XVII, o desejo de controlar as riquezas do novo mundo, as Américas, trouxe os holandeses até o nordeste brasileiro. Eles se estabeleceram em Recife em 1630 e por lá viveram por mais de duas décadas. Mas, obviamente, os portugueses não iriam desistir do território e conseguiram reocupá-lo em 1654 e expulsaram os invasores. Parte dos que viviam aqui tiveram que fugir para o norte, mais precisamente para o sul de onde hoje ficam os Estados Unidos. Lá eles fundaram um povoado, batizado de Nova Amsterdã, que depois  passou a se chamar  Nova York.

Na fuga de Brasil a caminho de Nova York, os judeus foram atacados por piratas na região do Caribe

Pois é, a tão badalada Nova York, destino de férias e muitos brasileiros, e sonho de moradia para tantos outros, só foi fundada porque os portugueses expulsaram os holandeses do Brasil. Essa história começou em 1630, quando os holandeses se instalaram em Recife e Olinda. Era a segunda investida deles no Brasil. A primeira tinha sido em Salvador, entre 1623 e 1624, mas foram expulsos.

Pois bem, os holandeses eram um povo protestante e quando se passaram a ter o controle de Recife, eles concederam a liberdade de culto aos cidadãos. Com isso os judeus puderam praticar os rituais da sua religião. Até uma sinagoga foi construída em Recife, a primeira do país, a sinagoga Kahal Zur Israel – a primeira da América Latina – e deixaram outros legados, como a Ponte Maurício de Nassau, construída pelo judeu Baltazar da Fonseca. Vale lembrar que o Brasil como colônia de Portugal, um país católico e, portanto, apenas essa religião era permitida por aqui. A igreja católica apoiou a reação de Portugal em 1654, quando aconteceu a Insurreição Pernambucana e os holandeses foram expulsos do Brasil.

A saga dos 23 judeus 

Com medo de serem presos ou mortos por causa da sua religião. Um grupo de 23 judeus foi para os Estados Unidos. Lá eles fundaram uma vila chamada de Nova Amsterdã, que depois se transformou em uma cidade e passou a se chamar Nova York.

Registros populacionais da prefeitura de Nova York comprovam que, no dia 12 de setembro de 1654, 23 judeus saídos de Recife em Pernambuco desembarcaram na cidade, até então conhecida por Nova Amsterdã. Entre eles, famílias com crianças, o que indica que alguns já eram nascidos em terras brasileiras.

Eles foram os primeiros imigrantes a realmente se perpetuarem na cidade – antes, Nova Amsterdã servia apenas de entreposto comercial e abrigava temporariamente comerciantes e navegadores. Os brasileiros fundaram também a primeira colônia judaica em solo americano.

Monumento em NY em homemgem aos imigrantes pioneiros

As provas dessa presença pioneira podem ser vistam no Cemitério dos Judeus, em Nova Iorque, que tem sepulturas com sobrenomes como Fonseca, Seixas, Gomes, Nunes, Cardozo, Castro e Bueno de Mesquita, e na sinagoga Shearith Israel onde há placas com referências a sobrenomes de brasileiros judeus, 
segundo informa Paulo Carneiro, autor da obra “Caminhos cruzados: a vitoriosa saga dos judeus do Recife no século XVII, da expulsão da Espanha à fundação de Nova York” - editora Autografia. 

Os 23 judeus pernambucanos que terminaram em Nova Amsterdã (hoje Nova York) foram fundamentais para fundação da maior cidade americana. 

A bênção era para o Brasil, mas os judeus holandês eles foram expulsos daqui e levaram essa benção para o solo americano. Você já imaginou se eles permanesessem aqui? 

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Frida Vingren, a história omitida da primeira pastora.

Gesiel Oliveira

Frida Maria Strandberg Vingren nasceu 9 de junho de 1891, Själevad, Suécia, era de uma família de crentes luteranos. Formou-se em Enfermagem, chegando a ser chefe da enfermaria do hospital onde trabalhava.

Tornou-se membro da Igreja Filadélfia de Estocolmo, onde foi batizada nas águas pelo pastor Lewi Pethrus, em 24 de janeiro de 1917 (com 25 Anos). Pouco depois, recebeu o batismo no Espírito Santo e o dom de profecia. 



O chamado para a obra missionária sempre a impulsionou. Nessa época, surgiu na Suécia um movimento por missões, onde muitos jovens estavam imbuídos do desejo de ganhar almas para Cristo. Após comunicar ao pastor Pethrus que o Senhor a chamara para o campo missionário brasileiro, Frida ingressou em um renomado Instituto Bíblico na cidade de Götabro, província de Nerícia. O curso era frequentado por pessoas que já tinham o chamado para missões e por aqueles que tinham apenas vocação missionária. Frida veio para o Brasil no ano de 1917 (com 26 anos), enviada pela igreja sueca e obedecendo ao chamado de Deus.


Em uma das visitas de Gunnar Vingren à Suécia devido ao seu debilitado estado de saúde, ele conheceu Frida Strandberg, com quem travou forte amizade. Frida Strandberg casou-se com o pastor Gunnar Vingren (fundador da Assembleia de Deus no Brasil) em 16 de outubro de 1917 (com 26 anos) em Belém do Pará, numa cerimônia presidida pelo missionário Samuel Nystrom que depois se tornaria um de seus mais implacáveis críticos. Frida Strandberg agora passa a ser chamada Senhora Vingren ou Frida Vingren. O casal teve seis filhos: Ivar, Rubem, Margit, Astrid, Bertil e Gunvor.

Em Março de 1920 (com 28 Anos), a missionária Frida Vingren foi acometida de malária, sofrendo com terríveis ataques de febre. Durante dois meses e meio, a luta pela vida foi tamanha, a ponto de Gunnar Vingren, seu esposo, pedir que Deus a curasse ou a levasse para si. Nesse período, a igreja em Belém se colocou em oração e jejum, esperando de Deus um milagre, o que ocorreu em 3 de Junho de 1920. Depois de seu restabelecimento, ela enfrentou o problema de saúde do marido. A partir do final daquele ano, Gunnar Vingren começou a sofrer de esgotamento físico, em consequência da dedicação exclusiva ao trabalho do Senhor, e pelas vezes que também contraiu malária. Por esse motivo, o casal decidiu passar um período na Suécia. O retorno ao Pará ocorreu em fevereiro de 1923 (Frida neste ano estava com 30 anos).

FRIDA E SEU ESPOSO GUNNAR VINGREN

Depois de muitos anos no Pará, a família Vingren, nessa época com quatro filhos, decidiu ir para o Rio de Janeiro. A mesma vontade de ganhar almas para Cristo continuou e o casal alugou uma casa no bairro de São Cristóvão, na zona norte da cidade, onde inaugurou o primeiro salão de cultos da Assembleia de Deus no estado.

O Pastor Gunnar Vingren iniciava o culto na Igreja em São Cristóvão com um hino; todos cantavam; todos se levantavam; o Pastor Vingren anuncia o número de um hino para ser cantado pela Congregação. Uma senhora loira se aproxima do órgão, era a missionária Frida Vingren; um jovem empunha um violino e fica na posição de tocar, é o jovem Paulo Leivas Macalão, um senhor idoso tem nas mãos um trombone, é o irmão Balbino. Inicia-se o culto na direção do pastor Gunnar Vingren, que também traz a mensagem final da Palavra de Deus.

O primeiro "culto a céu aberto" no Rio de Janeiro realizou-se na Praça da República e foi dirigido por Paulo Leivas Macalão. A partir de então, outros cultos vieram a ser realizados na Estação da Central, Praça Onze, Praça da Bandeira e Largo da Lapa, sob a direção da missionária Frida Vingren.

Valéria Cristina Vilhena, em sua tese de doutorado apresentada em 2016, intitulada: "Um olhar de gênero sobre a trajetória de vida de Frida Maria Strandberg (1891-1940)" na Universidade Presbiteriana Mackenzie afirma que quando a família Vingren, em 1924, sai da igreja-mãe em Belém do Pará para continuar a igreja no Rio de Janeiro, deixando Samuel Nyström em seu lugar, encontra ali um jovem, Paulo Leivas Macalão, que será o segundo batizado da igreja carioca, o primeiro secretário, um ativo obreiro evangelizador e pastor consagrado em 1930, ainda solteiro e com 27 anos. Vingren lidera a Igreja da Missão no bairro de São Cristóvão, e Macalão, a “Igreja de Madureira”. O binômio, Missão-Madureira, prolifera por todo o país. Mas, como esclarece o sociólogo Gedeon: 

"Macalão vem de uma família rica, de tradição militar, portanto nacionalista. O governo de Getúlio e o tenentismo são um substrato conceitual importante na sua formação. Ele não aceitou se submeter à liderança de um jovem sueco – ou mais grave - e/ ou uma mulher. (ALENCAR, 2013 p. 177.) No Rio de Janeiro, a família Vingren viveu de maneira modesta, como a maioria das famílias da igreja. Frida informou certa ocasião aos irmãos suecos que muitas mulheres brasileiras que pregavam foram despejadas de suas casas, e Norell (2011) avaliza que foi Frida quem fez de Emília Costa a primeira diaconisa da denominação. Durante um período, o trabalho social foi prioridade. A igreja na Suécia enviava roupas e dinheiro e os missionários iniciaram um orfanato e ensinavam as crianças a ler e escrever, por iniciativa de Frida."

FRIDA INCOMODOU PASTORES BRASILEIROS POR SER MULHER, INTELIGENTE, UNGIDA E DEDICADA

A missionária Frida Vingren continuou desenvolvendo atividades evangelísticas e abrindo frentes de trabalho em muitos lugares. A obra social da igreja, bem como grupos de oração e de visitas, ficou sob a responsabilidade da missionária. O dom de ensinar podia ser visto nas classes de Escola Dominical. Além disso ela fazia visitas ao presídio e leprosários, e lá ensinava e pregava o evangelho. 

Na abertura dos cultos, fazia a leitura bíblica inicial e, quando o marido se ausentava em visita ao campo, era irmã Frida quem o substituía pregando e dirigindo os trabalhos. Ela gostava de ministrar estudos bíblicos.

O desprendimento da missionária e sua forte atuação na obra de Deus, muitas vezes foi motivo de crítica por parte de alguns. Mas, mesmo assim, ela nunca se limitou a desempenhar a função que o Senhor havia colocado em seu coração. Foi dirigente oficial dos cultos realizados aos domingos na Casa de Detenção no Rio de Janeiro e, pela facilidade que tinha para se expressar, pregava em todos os pontos de pregação da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro, em praças e jardins. Os cultos ao ar livre promovidos no Largo da Lapa, na Praça da Bandeira, na Praça Onze e na Estação Central eram dirigidos pela irmã Frida.

ESPOSA DEDICADA

MÃE AMOROSA

Pela facilidade que tinha com a palavra escrita, Frida Vingren destacou-se entre os mais importantes colaboradores do jornal Boa Semente, O Som Alegre e Mensageiro da Paz (que substituiu os dois primeiros a partir de 1930). Ela escrevia e traduzia mensagens evangelísticas, doutrinárias e de exortação. Foi também comentarista das Lições Bíblicas de Escola Dominical na década de 30. Além de escrever, Frida Vingren sempre se dedicou à música. Cantava, tocava órgão, violão e compunha hinos de grande valor espiritual. Dotada de muitos dons, virtudes, mãe de seis filhos, esposa de missionário, atuando como redator a de jornal, além de substituir o esposo na administração da igreja quando este estava doente ou precisava viajar, Frida Vingren, ainda encontrava inspiração para compor letras de expressavam todo seu amor por Deus. A prova disto estão não 23 canções publicadas na Harpa Cristã (Hinário Oficial de Assembleia de Deus). Veja a lista com o número de identificação e o título de cada música:
Hino 28- Deus aí te guiar
Hino 59- Eu creio, sim
Hino 85- Deixa entrar o Espírito Santo
Hino 97- Há um caminho Santo
Hino 121- Maravilhoso é Jesus
Hino 126 - Bem-aventurança do crente
Hino 158 - Que farás de Jesus Cristo
Hino 177- Salvo estou 
Hino 196- Uma flor Gloriosa
Hino 246- O descanso em Jesus
Hino 255- Meu redentor
Hino 316 - Em busca de Sião
Hino 320- Seguir a Cristo
Hino 361- O peregrino e a Glória
Hino 379- Salvo de graça
Hino 390 - Um coração bondoso
Hino 391- Jesus no monte da ascensão
Hino 394- A mão no arado
Hino 397- O Salvador me achou
Hino 445- Resgatado com sangue de Cristo


FRIDA VISITAVA CONSTATEMENTE DOENTES, PRESIDIÁRIOS E LEPROSÁRIOS

O trabalho em São Cristóvão no RJ começou a  crescer rapidamente. A situação de saúde frágil de Gunnar Vingren  fez com que Frida Vingren passasse cada vez mais a assumir a direção dos ensinamentos, cultos, etc. Em uma sociedade patriarcal e predominantemente masculina, Frida contrariou o status quo e começou a ser um incômodo. Ela logo viraria alvo de forte resistência por parte dos pastores brasileiros. 

Frida teve a ideia de criar um hinário, contendo cerca de vinte e três hinos com as suas iniciais, alguns hinos de sua autoria e outros de sua tradução, foi outro ponto controverso entre Frida e o Pr  Samuel Nyström. Frida e Vingren começaram a organizar, no Rio de Janeiro, um novo livro de música com noventa músicas selecionadas e mais cento e dez recém-escritas, a ideia era publicá-las em pelo menos quatro mil exemplares. Quando estava tudo quase pronto, o pastor Pethrus da Suécia escreve pedindo para que não fosse publicado o novo hinário. Nyström havia escrito para Pethrus, contando desse novo hinário além do novo jornal. Mais tarde, ao assumir a administração do hinário único das Assembleias de Deus, Nyström o faz como se fosse resultado somente de seu trabalho, quando foi, sobretudo, um trabalho de tradução de Frida. Nyström escrevia para o líder pentecostal sueco e solicitava sua intervenção – e essa era uma das formas de atuar para impedir ou dificultar os trabalhos de Frida.

Frida, sua vida e ministério tem sido alvo de muitas discussões, principalmente através dos estudos do sociólogo Gedeon Alencar, autor da obra Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus, 1911-2011, e que foi um dos primeiros a redescobrir a história de Frida, no início dos anos 2000.

Ele destaca não só a atuação da esposa de Gunnar, mas o quanto ela foi vítima do machismo sueco-nordestino, o qual calou a pioneira, e fez que Gunnar Vingren, o mítico pioneiro das ADs, fosse voto vencido na disposição de apoiar o ministério feminino dentro da denominação. Para o sociólogo, a derrota do casal Vingren na primeira convenção da CGADB em 05 a 10 de setembro de 1930, foi também a derrota de um modelo de igreja desejado pelos missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren, onde homens e mulheres pudessem estar em pé de igualdade, e onde poderiam desenvolver seus ministérios.

Ao contrário disso, se consolidou o predomínio masculino no ministério, sendo reservado as mulheres um papel secundário dentro de uma igreja de maioria feminina, a qual, mesmo dependente do seu trabalho, não lhes oferece espaço em suas instâncias de poder. Situação essa que ainda hoje perdura dentro das ADs.

Além disso, surge agora mais detalhes que evidenciam que houve sim um conluio de alguns pastores da nascente convenção da Assembleia de Deus surgida em Natal , no sentido de “enquadrar” Frida, proibir expressamente a possibilidade de consagração de pastoras e com isso forçar Frida a retornar à Suécia. Aliado a isso Samuel Nystrom, pastor em Belém do Pará, escrevia cartas constantemente ao Pr Lewi Pethrus, presidente da Igreja na Suécia e pastor que enviou Frida, no sentido de criticar as ações de Frida como mulher, atuando como pastora, com o intuito de forçá-la a sair do Brasil. Frida escrevia artigos em seu pequeno jornal falando sobre a importância do Ministério feminino. Isso incomodava ainda mais as lideranças brasileiras. Ela resistia de todas as formas. Mas sucumbiu diante de uma difamação que foi levantada contra ela, segundo o qual ela teria se relacionado com um jovem. Tudo milimetricamente e maliciosamente preparado contra ela, com o único fito de fazer desmoronar a imagem de Frida no Brasil, segundo relatos de membros da própria igreja que sabiam da artimanha. O jovem sequer foi disciplinando ou punido, e continuou envolvido normalmente com a igreja. O pretexto estava pronto para expulsar Frida. 

Pr Lewi Pethrus

Depois da morte de sua filha no Brasil e com a morte do esposo Missionário Gunnar Vingren, Frida passou a sofrer e emagrecer progressivamente, pelo que tudo indica por conta de hipertireoidismo . Ainda fragilizada, encontrou forças para tentar voltar ao Brasil em um último esforço para limpar a sua imagem maculada numa trama que foi corroborada pela convenção de 05 a 10 de setembro de 1930 em Natal/RN.

Mas o Pr Lewi Pethrus mandou deter Frida Vingren já na estação de trem de Estocolmo a caminho de Lisboa para embarcar para o Brasil, quando ela já muito magra e doente, tentando  voltar para o Brasil para limpar seu nome, e contar a verdade, ela foi presa e já saiu com uma camisa de força em direção ao hospital psiquiátrico. A igreja da Suécia foi insuflada por alguns pastores brasileiros  que escreviam constantemente cartas ao Pr Lewis maculando a imagem de Frida por medo de sua liderança. 


Veja como  Gedeon Freire de Alencar descreve esse incidente em seu livro 'Matriz Pentecostal Brasileira. Assembleias de Deus - 1911-2011', publicado em 2013:


'Frida viveu quinze anos no Brasil e seus últimos oito anos na Suécia, viúva com cinco filhos (teve seis, mas uma menina morreu no Brasil, onde foi enterrada). Deixa o Rio e Belém, onde ela e as crianças estão acostumadas com o clima tropical, e vai morar na fria Suécia. No mundo, a Segunda Guerra Mundial; na vida particular, Frida vive uma guerra com a Igreja Filadélfia e mais particularmente com Pethrus (Norell, 2011; 289-299). Depois da morte do marido o que ela faria na Suécia? Tentou voltar para o Brasil, mas a Igreja Filadélfia não permitiu; tentou ir a Portugal, onde ocorreu o mesmo (Norell, 2011, 208-9). Por fim, decidiu voltar por conta própria, mas quando estava na plataforma do trem com as crianças, um grupo da igreja a impediu (Norell, 2011:322). Foi levada à delegacia e de lá internada compulsoriamente no Hospital Psiquiátrico de Konradsberg, em Estocolmo, no dia 25 de dezembro de 1934. Viveu os próximos seis anos, com graves alucinações, vindo a falecer em setembro de 1940. Norell (2011), a partir da documentação do hospital, informa sobre alguns distúrbios mentais e alucinações persecutórias que Frida vive em seus últimos dias. [...] Considerando que uma viúva que lhe fora tomados os filhos, hospitalizada compulsoriamente, abandonada e destituída de seus ministérios, vendo sua vida findando sem nenhuma perspectiva tanto na Suécia como no Brasil, enlouqueça. Era “louca” antes de ser hospitalizada ou se tornou “louca” posteriormente? As ADs elegeram seus santos, mas falta assumir que têm uma mártir. Feita não por inimigos da igreja, mas por ela própria'.

Por ordem da igreja suéca, Frida foi detida quando tentava retornar ao Brasil levada à delegacia e de lá internada compulsoriamente no Hospital Psiquiátrico de Konradsberg. Imagem meramente ilustrativa


Lewis mandou também tirar a guarda dos filhos, sob a acusação de que Frida estava louca. Além disso mandou doar todos os seus pertences. Foi o fim da picada para a Frida. A família afirma que Frida repetia constantemente até o fim de sua vida naquele hospício a seguinte frase: "Eles mentem, eu sempre fui fiel ao meu marido". Ela morreu neste hospício, louca, em Estocolmo aos 49 anos, no dia 30 de setembro de 1940, na Suécia, repetindo isso a todo momento. 

Quem se defende de uma difamação? É o argumento mais cruel, infame e desprezível que se pode utilizar para desconstruir a história de alguém que labutou a vida inteira em prol da obra. E o pior, ficou apenas na base do "disse-me-disse", nada foi apurado, nenhum prova foi juntada, nem mesmo testemunhal. O estrago já estava feito! O objetivo já havia sido alcançado: expulsá-la do Brasil. E conseguiram mais, ela ficou louca, sem os filhos e morreu magra, deprimida e com gravíssimos distúrbios. 

As informações caíram como uma bomba essa semana por conta de uma matéria publicada ontem (22/07) pela jornalista Camilla Veras Mota da BBC News Brasil em São Paulo, baseada em informações de Kajsa Norell, jornalista sueca autora da obra 'Halleljua Brasilien!', lançado em 2011, que conta a história do surgimento da Assembleia de Deus no Brasil. Essa matéria reacendeu o debate sobre a impossibilidade de consagração de mulheres na maior convenção da Assembleia de Deus no Brasil e sobre a maneira como esta instituição omitiu e ocultou essa história por tanto tempo. 



Fontes:

ALENCAR, Gedeon Freire de. Assembleias Brasileiras de Deus: Teorização, História e Tipologia- 1911-2011. Pontifícia Universidade Católica: São Paulo.

ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

NORELL, Kajsa. Halleluja Brasilien! Em resa till knarkgängens, favelas ochden helige andens land. Stockholm: Ed. Bladh by Bladh, 2011

MORAES, Isael Araujo de. Frida Vingren: uma biografia da mulher de Deus, esposa de Gunnar Vingren, pioneiro das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.

VILHENA, Valéria Cristina. Um olhar de gênero sobre a trajetória de vida de Frida Maria Strandberg (1891-1940), Universidade Presbiteriana Mackenzie, Pós Graduação em Educação, Arte e História da Cultura, Tese de Doutoramento em Educação, Arte e História da Cultura, 2016.


MOTA, Camilla Veras. A missionária sueca perseguida no Brasil, internada em hospício e 'esquecida' pela História, BBC News Brasil em São Paulo, 22 jul. 2018 <https://www.bbc.com/portuguese/geral-44731827>

quinta-feira, 12 de julho de 2018

As 10 melhores pequenas cidades do Brasil para se viver

Com base em dados do IBGE e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), listamos os melhores municípios do país com menos de 100 mil habitantes
De acordo com os dados do IBGE e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), listamos as 10 melhores cidades pequenas do Brasil para se viver. Elas se destacam como cidades que têm menos de 100 mil habitantes e estão no topo do ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que vai de zero a 1,0. O IDH é medido em todo o mundo pela ONU com base em indicadores de educação, renda e expectativa de vida. No Brasil, o levantamento ocorre a cada dez anos e é feito em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Os dados mais recentes, empregados para a elaboração deste ranking, são de 2010. Já a taxa populacional é fruto de estimativas atualizadas do IBGE com base no censo de 2010.
Foto: divulgação
1º) Águas de São Pedro (SP) – Esse é o lugar para quem procura uma vida muito sossegada. Com 2.700 habitantes, o munícipio é o menos populoso dentre as 50 cidades brasileiras que estão no topo do ranking do IDH. Nessa lista de desenvolvimento humano que compara as mais de 5 mil cidades brasileiras, Águas de São Pedro está em segundo lugar, com 0,854 de IDH. Como uma das estâncias hidrominerais do estado de São Paulo, a cidade que fica a 187 quilômetros da capital, apoia sua economia no turismo.
Foto: Wikimedia Commons
2º) Joaçaba (SC) – É considerada a capital do Vale do Rio do Peixe, no oeste catarinense. A maior parte da população de 28 mil habitantes tem origem nos migrantes gaúchos, principalmente da região de Caxias do Sul, de origem italiana e alemã, que, de posse de pequenas glebas de terra, deram os primeiros passos na produção agrícola. A economia da cidade baseia-se também em indústrias do setor metal-mecânico. Joaçaba está entre as dez primeiras cidades do ranking nacional com IDH de 0,827.
Foto: divulgação
3º) Vinhedo (SP) – Educação é a política pública de destaque em Vinhedo, cidade da região de Campinas que fica a 75 quilômetros da capital paulista, tem 71 mil habitantes e IDH de 0,817. Ano passado, Vinhedo recebeu o selo de cidade livre do analfabetismo e ganhou reconhecimento da mídia por seu método de ensino municipal. A cidade viveu o ciclo de café, mas hoje é conhecida pela produção de uva. Os condomínios de alto padrão fortaleceram o comércio e os serviços, como o parque de diversões Hopi Hari.
Foto: Prefeitura de Nova Lima
4º) Nova Lima (MG) – Localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, a cidade tem IDH de 0,813 e 88 mil habitantes. Nos últimos anos, se consolidou como uma cidade de condomínios de alto padrão procurados por quem trabalha em BH e quer um lugar mais tranquilo para viver. Embora o grande símbolo do esporte seja o futebol do Villa Nova Atlético Clube, a cidade se rendeu ao rugby, talvez por inspiração dos antigos imigrantes ingleses, com o Nova Lima Rugby Club, o time dos “leões da montanha”.
Foto: Prefeitura de Ilha Solteira
5º) Ilha Solteira (SP) – Localizada no noroeste paulista, a quase 700 quilômetros da capital paulista, Ilha Solteira é uma estância turística nascida de forma planejada no fim dos anos 60 para abrigar os trabalhadores da Hidrelétrica de Ilha Solteira, instalada pela CESP no Rio Paraná. Por isso, seu padrão de urbanização é bastante elevado, com atendimento universal de energia elétrica, água e saneamento básico para seus 26 mil habitantes. O IDH de Ilha Solteira é de 0,812. Os destaques de sua economia são a indústria e a pecuária.
Foto: Wikimedia Commons
6º) Rio Fortuna (SC) – Com IDH de 0,806 e apenas 4.400 habitantes, Rio Fortuna é pacata, mas está próxima do movimento dos balneários catarinenses de Laguna, Imbituba e Garopaba, além de estar a apenas 125 quilômetros da capital, Florianópolis. A cidade, que integra a região metropolitana de Tubarão, tem sua formação ligada à agropecuária familiar adotada pelos colonizadores alemães. Mais recentemente, a cidade tem se apoiado economicamente também na piscicultura.
Foto: Divulgação
7º) Rio do Sul (SC) – A cidade de 66 mil habitantes, localizada no vale do Itajaí, está a meio caminho entre Joinville e Florianópolis, ambas a cerca de 180 quilômetros. Como muitas vizinhas, Rio do Sul guarda a herança germânica da colonização na cultura e na culinária. As escolas modelo municipais, de ensino integral, contribuem para o IDH de 0,802. Na economia destacam-se os setores têxtil, metal-mecânico, eletrônico e agropecuário. Há, contudo, um problema cíclico que tira o sono dos riosulenses: as cheias do Rio Itajaí-Açu.
Foto: divulgação
8º) São Miguel do Oeste (SC) – Mais de 650 quilômetros separam a cidade do extremo oeste da capital catarinense, Florianópolis. São Miguel, com IDH de 0,801, foi fundada em 1954, mas tem raízes nas migrações de gaúchos atraídos pela extração de madeira nos anos 20. Embora tenha 39 mil habitantes, a cidade integra uma região com 200 municípios, entre eles Chapecó, que juntos somam 2 milhões de habitantes. Seu parque industrial é formado por empresas dos ramos metal-mecânico, de transportes, móveis e softwares.
Foto: Academia da Força Aérea Brasileira
9º) Pirassununga (SP) – O fenômeno da piracema no Rio Mojiguaçu, que os tupis descreviam como “peixes barulhentos”, deu nome à cidade. Hoje, no entanto, é a forte presença de estudantes entre os 74 mil habitantes que movimenta Pirassununga. Além de um câmpus da USP, fica lá a Academia da Força Aérea Brasileira. A cidade, localizada a 206 quilômetros de São Paulo, na próspera região de Campinas, conta também com mais de 100 indústrias, entre elas a que produz a famosa cachaça 51. Seu IDH é de 0,801.
Foto: divulgação
10º) Concórdia (SC) – Com IDH de 0,800 e 72 mil habitantes, Concórdia, a 450 quilômetros de Florianópolis, é terceira maior cidade do oeste catarinense e lidera a produção nacional de suínos e aves. Não por acaso, ali nasceu a Sadia. A maior bacia leiteira de Santa Catarina e o Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves também estão em Concórdia. Em 2014, o município obteve o primeiro lugar estadual no índice Firjan de qualidade de vida, que leva em conta indicadores de educação, saúde, emprego e renda.







Angélica Favretto